Uma derrapada grave, uma campanha de des-publicidade: Assim o jornalista Rodrigo Britto, do site Tijolaço, caracteriza, no texto abaixo, este incidente do Governo Temer: a campanha  “Gente boa também mata”. Depois de virar motivo de piada nas redes sociais, a campanha acaba de ser suspensa pelo Ministério dos Transportes e pela Secretaria de Comunicação da Presidência da República.

 

campanhacelular

O Ministério dos Transportes e a Secretaria de Comunicação da Presidência suspenderam a campanha “Gente boa também mata”,  em tese contra o uso de celulares no trânsito.

É um retrato – mais um – da incapacidade do governo, muito mais do que da agência Nova/SB – que tem um currículo respeitável – mas de quem orientou e aprovou uma campanha de dupla leitura sem atentar a isso, sem testar, ao menos , e sobre algo tão sério quanto  segurança no trânsito.

Volta e meia, em free-lances, trabalho com publicidade, e se há uma coisa que não se faz é “chutar”, não estudar e buscar dados sobre o problema de comunicação a resolver.

Uma bobagem assim não acontece por amadorismo, acontece por leviandade e desconhecimento do que se pretende fazer.

Hoje cedo, Hayle Gadelha, um de meus amigos publicitários, enviou-me uma análise demolidora da campanha da qual, agora, o Governo temer também recua.

Se já estava em choque com a incompetência da campanha de trânsito feita pela coisa que ocupa o Planalto, fiquei em pânico com as explicações dadas que li hoje no Estadão.

“O objetivo do governo é chamar a atenção para atitudes que até mesmo pessoas comuns podem ter ao volante, sem avaliar as consequências”, diz a nota do Planalto.

Isso é o des-objetivo de um des-governo! Já ouviu falar naquela coisa antiga da propaganda chamada de “heavy-users”? Então, essas “pessoas comuns” são responsáveis principais pelas tragédias no trânsito? Foi feita pesquisa? Cadê os dados? Não dá para fazer uma campanha importante como essa na base do “achismo”. Não dá para tratar de um assunto sério, questão de vida ou morte, na base das gracinhas.

Fui um dos que fez (em São Paulo) o que acredito ter sido a primeira campanha de cinto de segurança no país – e ela era na base do humor, porque o objetivo não era ainda fazer com que as pessoas usassem o cinto (o que nem era obrigatório na época), mas ajudar a impedir que a lei da “obrigatoriedade da instalação” acabasse sendo ignorada ou até extinta.

A campanha era paga pela associação dos fabricantes dos cintos. Agora o uso do cinto é obrigatório e não dá para brincar com trânsito em geral.

É coisa de vida ou morte, por isso a campanha não pode ser para agradar as marcelinhas da vida. Somente um des-governo transitório seria capaz de uma derrapada tão grave

A campanha natimorta é isso: uma des-publicidade, um exercício leviano de quem dirige um órgão público sem um mínimo de responsabilidade com o que aquilo representa para a vida das pessoas.

 

ANOTE AÍ:

Esta matéria de  Fernando Britto, foi copiada na íntegra do site Tijolaço  www.tijolaco.com.br (publicada em 04/01/2017).

 

About The Author

Xapuri

Related Posts