Num certo palácio, a ceia do amigo oculto

Num certo palácio, a ceia do amigo oculto

“Que o entusiasmo conserve vivas / suas molas,/ e possa enfim o ferro / comer a ferrugem / o sim comer o não”. (João Cabral, Cartão de Natal. 1994)

Naquele palácio desenhado por um arquiteto comunista, com colunas “leves como penas pousando no chão”, eram treze as pessoas na última ceia do ano: o Messias de igarapé e seus doze áulicos, inclusive “aquele que haverá de me trair” (Marcos13: 13-31). A numerologia que explique o significado do número 13 em 2022. Aqui interessa saber o número que cada um sorteou.   
– Comecemos pelo 1 – ordenou rispidamente o Messias, depois de encher a pança com picanha e filé mignon.
O Bajulador, que era o primeiro, declarou servilmente: “É simples assim: um manda e o outro obedece”.  Obediente, recomendou o uso de cloroquina, negou a eficácia da vacina, que causa aids, e retirou do ar os dados estatísticos para ocultar o número de mortos pela pandemia. Anunciou:
– Meu amigo oculto é um paraquedista que recebeu do ministro demitido do Meio Ambiente o apelido de “Maria Fofoca”. 
Em seguida, entregou-lhe um embrulho. A galera gritou: – Abre! Abre! Lá dentro não havia cloroquina, mas vacinas contra a covid que foram negadas às pessoas sem oxigênio no Amazonas. 
O “Maria Fofoca” tomou a vacina, escondido, para não contrariar o chefe, e proclamou:
– O meu amigo oculto é aquele que na campanha eleitoral disse: “Se gritar pega centrão, não fica um, meu irmão”.  Uma vez no poder, aliou-se com quem chamava de ladrão.
Entregou a ele o presente: um envelope com autorizações de exploração de ouro em área indígena na Amazônia. A galera que identificou imediatamente o dito cujo, gritou seu apelido.
Augusto Veneno – esse era o apelido – revelou quem era seu amigo oculto: o comandante do “Meu Exército”, que politizou a farda e ameaçou impedir as eleições em 2022 se o Congresso não aprovasse o voto impresso.
– Dou-lhe de presente toneladas de filé mignon e picanha comprados com R$ 535 mil destinados ao combate à epidemia da covid-19 – disse Augusto Veneno montado no cavalo de Tróia.
Calabar – esse era o codinome do quarto da lista – justificou o mimo recebido:
– Filé mignon e picanha combatem o vírus melhor do que a vacina. Por isso, o meu amigo oculto é um cardiologista, que está protelando a vacinação de crianças entre 5 e 11 anos, já autorizada pela Anvisa, cujo técnicos foram ameaçados de morte por contrariarem ordens superiores.
Os olhares todos se voltaram para Queirodes, chamado também de “Pazuello de Jaleco” – um manda, os outros obedecem – que ganhou brinquedos infantis: maletas médicas para curar as crianças, cujos óbitos “estão absolutamente dentro do patamar”.
Queirodes – (nervoso, com medo da CPI da Covid) – Meu amigo oculto engoliu em seco a violação do teto de gastos e a reforma da Previdência com manutenção de privilégios dos militares e comemorou duas vitórias: empregada doméstica não viaja mais pra Disney e filho de porteiro sem financiamento do FIES não estuda mais na universidade. Com a gasolina a R$ 7,49, ele se tornou um Posto Ipiranga sem gasolina. Deixo-lhe de presente uma offshore nas Ilhas Virgens Britânicas, para que fuja da tributação no Brasil.
O Posto Ipiranga Offshore, alcunha do sexto da lista, traçou o perfil do seu amigo oculto para adivinharem quem era:  juiz probo que odeia roubalheira e, por isso, manteve a condenação de uma mulher presa em flagrante ao furtar em Boa Esperança (MG) 18 barras de chocolate e 89 caixinhas de chicletes avaliados em R$50, destinados à venda no sinal de trânsito. Votou a favor do marco temporal que pretende entregar as terras indígenas aos ruralistas e às mineradoras.
– Kássio Conká – gritaram todos. Ele se levantou e recolheu seu presente: um diploma de um curso de quatro dias que fez como ouvinte na Universidad de La Coruña da Espanha. (Ao longe, o fiofó de uma cotia assoviou) Hic culum cotiae sibilare – falou Conká em latinorum para demonstrar que era versado na ciência do direito. Nem precisou definir o perfil do seu amigo oculto. Bastou exibir os presentes, que todos olharam para o dito cujo e começaram a gritar:
–  Mito! Mito! Minto! Minto!
Conká entregou então ao amigo do peito três regalos: uma Constituição rasgada, um jet ski e muitas caixas de cloroquina.  
O Abominável – como era conhecido o Messias de igarapé – fez arminha com a mão e revelou que seus amigos não eram ocultos. Em primeiro lugar, os três “Rachadinhas”: 01, 02 e 03, além do 04 a quem presenteou com uma mansão luxuosa no Lago Sul, avaliada em R$ 3,2 milhões, com 800 metros quadrados, suíte master, piscina, acabamentos em mármore e granito.
Em seguida, para mostrar que era tudo farinha do mesmo saco, ou como diria Conká: ejusdem farinae mandiocae paneirorum, destacou outros amigos a quem chamou pelos nomes e não por apelidos: Fabricio Queiroz e seus micheques: 27 depósitos totalizando R$89.000,00; o blogueiro Allan dos Santos, investigado em dois inquéritos do STF e Luciano Hang, a quem deu de presente a nomeação de Larissa Dutra, diretora-presidente do Instituto Nacional do Patrimônio Histórico Nacional (IPHAN) com ordens expressas para anular o embargo feito a uma obra do Véio da Havan.
Dessa forma, o Abominável confirmou com seus atos aquilo que Rosângela Moro, a “conge do conge”, havia declarado ao Estadão (16/02/2020):
– Eu vejo Sérgio Moro e Jair Bolsonaro como uma coisa só.
Uma coisa só. Só uma coisa.
A festa foi encerrada com a frase do Messias de igarapé, tão verdadeira quanto a terra é plana, que fez o Brasil inteiro gargalhar:
– “Brasil, três anos sem corrupção”.
Que o diga o Centrão e a rede criminosa de vender vacinas!
P.S. – O Brasil completa no novo ano dois séculos de existência como estado-nação. Aos raros e escassos leitores que conseguiram ler até o final, desejo um Feliz Ano. Que não seja preciso gastar TANTA ENERGIA.  brigando com o governo para fazer as coisas certas: vacinar crianças, não aglomerar, usar máscaras, exigir o certificado de vacinas aos estudantes universitários, proteger a floresta das queimadas na Amazônia, impedir a morte dos rios causada pelo garimpo, receber ajuda da Argentina aos desabrigados da Bahia e reafirmar nas escolas que a terra é redonda.

Num certo palácio, a ceia do amigo oculto

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

 

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!