A arte e a cultura vão curar o Brasil

A arte e a cultura vão curar o Brasil

A arte e a cultura vão curar o Brasil

E se a tentarmos olhar para além da lama que as políticas culturais do Brasil estão enfiadas?…

Por Fabrício Noronha/via Mídia Ninja

E se a partir de um exercício de pensar utopias olharmos em perspectiva para o futuro? Com as eleições que se aproximam, estamos em um momento chave da nossa história e não há nada maior em disputa que a própria ideia de país, a própria ideia da defesa do livre pensamento, da ciência, do respeito à cultura, aos direitos humanos e ao meio ambiente.

De maneira geral, em todos os espectros políticos, a arte e a cultura têm espaço periférico no debate político. Não é assim dentro da narrativa da extrema direita que chegou ao poder no Brasil. Os assuntos da arte e da cultura têm estado, de forma recorrente, no centro dos assuntos da nação, infelizmente, através de ataques, criminalização e perseguição direta à artistas, fazeres e atividades.

Não se tem, portanto, como curar essa ferida aberta sem que o campo democrático deste país entenda a centralidade e transversalidade dos processos culturais nos processos políticos. E não tem outro caminho para os fazedores da cultura, se não entender que a disputa do nosso campo é mais ampla. Diz respeito a tudo e a todos.

Para além das ofertas de editais, das disputas internas, dos segmentos e dos projetos pessoais. É a partir do mundo da cultura que se pode curar esse país do ódio e desse projeto de morte.

Essa utopia alicerçará todas as outras e para isso é preciso que o campo da cultura esteja inserido na disputa política – eleitoral e para além dela.

O processo de abandono à própria sorte na pandemia fez com que o setor amadurecesse muito nesses dois anos. Muitas organizações se formaram ou se rearticularam; centenas de grupos, Fóruns e uma luta conjunta foi fortalecida, trazendo um sentido de convergência nas pautas que uniram gestores, coletivos, entidades e parlamentares em torno de uma Agenda Nacional da Cultura.

Desta energia de luta, se construiu conjuntamente uma lei emergencial – a Lei Aldir Blanc – com seus R$ 3 bilhões, maior orçamento da história da cultura, impactando milhões de brasileiros em mais de 4500 municípios e todos os Fundos Estaduais. Essa iniciativa permitiu a recuperação de metade dos empregos perdidos na pandemia, segundo dados do Observatório do Itaú Cultural.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Juntos, puderam enfrentar, de cabeça erguida, todo o abandono do governo central; toda a dor, o negacionismo e a morte desse período tão duro da nossa história. Saímos, portanto, fortalecidos para respirar fundo e enxergar no horizonte que daqui há 6 meses teremos a certeza do retorno do Ministério da Cultura.

Que outras possibilidades utópicas se pode ter? Qual é esse Brasil que a diversidade cultural brasileira pode ajudar a desenhar? Será a partir da cultura o caminho mais curto para reconectarmos o nosso tecido social em torno da democracia e da liberdade.

No meio do caminho temos um processo eleitoral duro e que vai depender muito da cultura. Os artistas têm um papel importantíssimo nisso, pela sua especial capacidade de agregar e engajar. Foi a partir de uma campanha orgânica de artistas e influenciadores que teremos na próxima eleição mais 2 milhões de jovens eleitores (16 a 18 anos), 47% a mais se compararmos com 2018, resultado da ação direta de centenas destes.

No discurso de lançamento da sua candidatura ao Palácio do Planalto, no último dia 7 de maio, o ex-presidente Lula deu pistas de que está antenado a isso e do que está imaginando para sua gestão na cultura: “A arte preenche nossa existência. Ela é ao mesmo tempo capaz de retratar e reinventar a realidade. A vida como ela é, e como ela poderia ser. Sem a arte, a vida fica mais dura, perde um dos seus maiores encantos. Por isso, nós vamos apostar muito na cultura e transformar a cultura numa indústria de fazer dinheiro e gerar emprego nesse país, para o povo viver dignamente.”

Esse é um recado claro de atualização de discurso que sintoniza o papel da arte nessa reconstrução. O Brasil poderá sonhar com uma política pública da cultura condizente com o seu tamanho e importância para o mundo. Consequência, ainda, de avanços e dos laços que os movimentos sociais da cultura souberam articular, mesmo no momento de total paralisia.

Isso precisa significar mais investimentos e orçamento federal para a cultura, que recuou 46,8% entre 2011 e 2021. Significará uma legislação clara e desburocratizada que dê conta das particularidades do segmento cultural, que garanta e amplie o acesso. Além, claro, do fortalecimento e implementação do Sistema Nacional de Cultura, descentralizando recursos a estados e municípios – como foi exercitado na Lei Aldir Blanc – e se tornará perene na segunda versão da Lei, com R$ 3 bilhões anuais.

Esse pode ser parte do orçamento para as utopias possíveis que estão por vir. Seria impossível imaginarmos tudo isso, sem todas as experiências e acúmulos do campo da cultura durante a pandemia.

A Câmara Federal debate o PL do Marco Regulatório da Cultura, e tudo indica que o Congresso irá derrubar os vetos à Lei Paulo Gustavo e à Lei Aldir Blanc 2 ainda esse mês.

Com planejamento e escuta – e a vitória no processo eleitoral – estaremos diante de vindouros anos das políticas culturais deste país. O Brasil ainda sabe pouco do poder de transformação e formação cidadã que a cultura tem – mas saberá! A arte tem um papel fundamental na reconstrução desse país.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!