A falta de ar e o desvio do olhar

A falta de ar e o desvio do olhar

A falta de ar e o desvio do olhar

“Quem é essa
Que me olha
De tão longe
Com olhos que foram meus?”

– Helena Kolody

Por Antônio Carlos de Almeida Castro/via Grupo Prerrogativas

Hoje em dia, andar nas ruas das cidades grandes é um exercício constante de não olhar o que está ao seu redor. São olhos pedintes que te miram não só a gritar por socorro, como também a dizer: quem é você que passa ao largo da minha dor, da fome que me assola, do meu filho que está desfalecido nos meus braços? E, ao fim e ao cabo, quem somos nós que seguimos em frente?

Há um enorme vazio no nosso caminhar. Como se uma nuvem espessa nos apertasse e nos fizesse sentir uma tontura pela falta de ar. É difícil ser frio e seguir em frente, sabendo que a indiferença não resolverá a dureza da vida de quem está nas ruas. Imagine, então, a mãe ou o pai que continuarão nas ruas com o filho no colo depois que seus olhos passarem. A dor é real. A cena é verdadeira. E nós só tentamos desviar o olhar, como se, em um filme, pudéssemos dirigir aquele trágico momento. Contudo, na verdade, nem isso conseguimos. Não é fantasia, é a vida. Somos fantoches andando nas ruas cheias de misérias humanas e vazias de solidariedade.

E, quando nos escondemos e buscamos outra realidade, nós nos defrontamos com outra situação gravíssima: funcionários públicos matando um cidadão asfixiado dentro de uma viatura oficial. À luz do dia. Os representantes do Estado torturam e matam covardemente porque sabem que esse é o poder protegido pelo fascismo instalado.

Será que não percebemos que todos nós estamos morrendo nos braços daqueles pais famintos e impossibilitados de alimentarem o próprio filho? Ou com aquele asfixiado, sem ar e sem perspectiva, nos camburões da polícia que julga ter o direito sobre a vida?

Em meio a esse flagelo todo, o Presidente da República comemora a morte de 23 pessoas numa chacina carioca, por entender que todos eram bandidos.

Onde está o erro? Em quem mata deliberadamente e tem a ousadia de asfixiar um homem, dentro de um carro oficial, em plena luz do dia ou em cada um de nós que não olha de frente o nosso abismo?

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Antônio Carlos de Almeida Castro, Kakay, advogado

Artigo publicado originalmente em O Estado de S. Paulo.

Slide

Block

Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!