Amaterasu: A deusa do sol e do universo

Amaterasu: A deusa do sol e do universo

Apresentamos a Deusa Amaterasu, vinda do Japão, simboliza o sol e o universo. Considerada por muitos a mais importante dos deuses xintoístas. O xintoísmo tem muitas Vertentes. Hoje, no Japão, não é mais considerado uma religião e sim uma Filosofia de vida. O simbólico em Amaterasu é a essência da luz. Sem a luz o mundo se converte em plena escuridão

Reinaldo Bueno Filho (@Mestre Bueno) – Iêda Vilas-Bôas

Nossa deusa de outubro chega de ostentada em seu quimono, suas joias preciosas, tamanquinhos típicos do Sol Nascente, muita cerimônia e seus ritos e imensurável beleza, muita polidez e sorriso meigo no rosto. Amaterasu vem do Oriente, do Japão.

A história e a mitologia japonesa remontam há mais de 2.000 anos, incluindo um grande número de deuses, deusas e espíritos.  Para a mitologia japonesa, tudo na natureza tem um kami, uma divindade ou espírito que habita aquele corpo; a forma-energia-espiritual.

O kami também descreve os espíritos de entes queridos falecidos ou espíritos de animais. O panteão mitológico e de deidades japonesas é muito significativo e numeroso. Segundo a mitologia, existem oito milhões de kami (八 百万). Essa escrita japonesa representa um número tradicionalmente usado para expressar o infinito no Japão.

Dentre essa infinidade de seres, destacamos a Deusa Amaterasu – a deusa do Sol e do universo. Considerada por muitos a mais importante dos deuses xintoístas. O imperador foi considerado como descendente direto de Amaterasu, durante o período do Xintoísmo do Estado, de 1868 a 1945.

A principal missão da Deusa Amaterasu é trazer luz ao mundo, assim como o Sol, sua regência, e abençoar a fertilidade. Seu santuário em Ise é o mais importante do Japão. O xintoísmo tem muitas Vertentes. Hoje, no Japão, não é mais considerado uma religião e sim uma Filosofia de vida.

Amaterasu, Amaterasu-ōmikami ou Ōhirume-no-muchi-no-kami é uma importante parte do círculo mitológico do Oriente. Ela é a deusa do Sol, mas também do universo. Seu nome é derivado de Amateru que significa “que brilha no céu”. O sentido do seu nome completo, Amaterasu-ōmikami, é “a Grande Deusa Augusta que ilumina o céu”.

Amaterasu aparece empunhando um disco solar. Conta-se que Amaterasu vivia em uma gruta, em companhia de seus criados, que lhes teciam cotidianamente um quimono da cor do tempo. Todos os dias de manhã, ela saía para iluminar a Terra. Até o dia em que seu irmão, Susanoo (deus do mar e da tempestade), em acesso de fúria destruiu campos de arroz. Outra versão descreve a ira de Deus, após uma negociação fracassada para retardar uma disputa entre os três irmãos de Amaterasu. Susanoo, infeliz com o feito, arremessou um cavalo celestial morto sobre os teares das criadas tecelãs. Esse feito amedrontou as tecelãs e uma delas morreu. A deusa Amaterasu não gostou e, irritada, escondeu-se em sua caverna celestial, e a luz sumiu para todo o sempre deste mundo. Amaterasu foi para a caverna, se recolhendo em luto pela morte da tecelã.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Com essa atitude, o mundo congelou e os campos apodreceram. O pânico tomou conta e foi semeado na terra e atingiu até o céu, onde ficavam os deuses. A escuridão tomou conta de tudo.

Os deuses, temendo a escuridão eterna, organizaram uma festa em frente a caverna de Amaterasu. O deus da inteligência, Omoikane, pediu a todos que comparecessem ao redor da caverna e colocassem um espelho apontando para a entrada. Pediram a Uzume, a mais engraçada das deusas, que os distraísse diante da gruta fechada em que Amaterasu estava amuada. Uzume não usou de meios termos: pôs-se a dançar de forma provocante, exibindo suas partes íntimas com caretas irresistíveis.

Estava tão divertida que os deuses caíram na gargalhada… Curiosa, Amaterasu não aguentou: entreabriu a pedra que fechava a gruta, ela viu a deusa dançando e fazendo caretas e soltou sua primeira saborosa e iluminada gargalhada, e os deuses lhe direcionaram um espelho onde ela viu uma mulher esplêndida. Surpresa, ela se adiantou. Então, os deuses agarraram-na e Amaterasu saiu para sempre de sua caverna celestial. O mundo estava salvo.

O simbólico em Amaterasu é a essência da luz. Sem a luz o mundo se converte em plena escuridão; ela é viver, é a possibilidade da vida. Ela é a deidade japonesa que vela sobre os homens e os enche de benefícios, responsável por iluminar o mundo e assegurar a fertilidade dos campos de arroz. Amaterasu ou Ama, como é carinhosamente chamada, é membro da realeza divina, filha do deus primordial supremo, que, segundo a mitologia do povo do Sol Nascente, é o criador do Japão.

A deusa, irmã do deus da tempestade “Susanoo”, e do deus da lua “Tsukuyomi”, vive em Takamagahara (morada de todos os kami “deuses”). Juntos, Mihashira-no-uzu-no-miko “Os três filhos nobres”, estão no comando dos céus.

Como uma deusa do Sol, Amaterasu ilumina o mundo a cada dia e garante o crescimento exuberante dos campos de arroz. Ela é também considerada uma hábil tecelã celestial. Afirma-se que os Imperadores japoneses são seus descendentes diretos.

A luz que é emitida pela kami é fundamental para a ordem e harmonia no reino celestial e no mundo nosso, dos mortais.

Para cuidar de seus enormes e exuberantes campos de arroz, Amaterasu sempre utilizava sementes fornecidas por Uke-mochi, a deusa dos alimentos. Certo dia, pediu para que seu irmão Tsukuyomi, o deus da Lua, verificasse suas plantações e o trabalho de Uke-mochi. Sabendo da visita do deus, Uke-mochi resolveu preparar um imenso banquete: vomitou arroz cozido (felicidade em abundância), peixes e moluscos (sabedoria em abundância) e algas (alegria em abundância).

Tsukuyomi não gostou nada do modo “criativo” que Uke-mochi preparou a refeição, e – enojado – matou a deusa. A morte de Uke-mochi perturbou Amaterasu fazendo-a rotular Tsukuyomi como um deus mau e se dividiram, separando assim, o dia da noite.

O xintoísmo tem muitas Vertentes. Hoje, no Japão, não é mais considerado uma religião e sim uma Filosofia de vida, porém ainda existem muitos templos xintoístas e muitos japoneses ainda praticam como uma religião, Porém isso não impede o culto a Amaterasu em outras egrégoras, pois a magia é livre para o culto às divindades que mais agradarem. Claro sempre com respeito a sua origem de culto.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Na magia, o espelho solar, se consagrado a Amaterasu, é ótimo para prosperidade e beleza, rituais para seu sol interior, para ativar o seu brilhar pessoal sob a regência dessa magnífica deusa.

Ieda Vilas-Bôas – Escritora. Reinaldo Bueno Filho – Escritor.

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!