Carta a uma amiga em Paris

Querida amiga Cecília. Que bom falar com você, aí em Paris, onde faz doutorado em Economia, realiza sonho antigo, e caminha cada cada vez mais para ser forte defensora de um mundo melhor. Conheço-lhe o suficiente para saber que seu foco é a diminuição das desigualdades sociais, às quais teimam em se aprofundar, principalmente em nosso país.

Como sabes, recentes dados do IBGE apontam que o disparate entre pobres e ricos é aviltante. Dos 55 milhões de pobres, 15 milhões estão em estado de extrema pobreza, pois vivem com menos de 140 reais mensais, alguns chegam a ganhar míseros 89 reais. Por essas plagas, negros e mulheres são abatidos como moscas, muito acima das guerras. Só em 2017 ocorreram 65 mil assassinatos de negros, média de 179 casos por dia. Neste mesmo ano, foram registrados quase 5 mil assassinatos de mulheres, 13 por dia. O número de desempregados ultrapassa a casa dos 12 milhões. O PIB é quase zero. Que carma é esse que carregamos, amiga?

Enquanto isso, o atual governo debate, entre outras, as seguintes questões: o nazismo era de esquerda, a terra é plana, a ditadura militar nunca existiu, Trump é a encarnação de Deus, os dados do desmatamento na Amazônia são “sensacionalistas” e mancham a imagem do Brasil lá afora. Você deve ter visto, na mídia internacional, as imagens chocantes da fumaça que encobriu de cinzas 3 mil quilômetros na América do Sul. A maior floresta tropical da Terra arde. São Paulo ficou às escuras, sem a luz natural do dia! Fora isso (?) e outros fatos que nublam as nossas vidas, o Brasil ainda mantém-se de pé. É rico em diversidade; o povo anda desanimado, mas é trabalhador e esperançoso.

Como vai a vida por aí? Sei que estudas bastante. Já visitou os jardins de Monet, em Giverny, como querias? O namoro com Pierre vai bem? Fico feliz em saber que conheceu uma pessoa legal. Eu, particularmente, ando enfastiada com esse misto de notícias tristes e de perplexidade. Prefiro a literatura, aonde me refugiei. Como dizia Nietzsche: “Temos a arte para que não morramos da verdade”.
Rogue a Notre Dame, a Nossa Senhora que enfrentou também as chamas. Peça que abrande a ira, a ganância, os interesses escusos e incendiários dos homens. Resistir é preciso. Abraços fraternos.

Maria Félix Fontele

P.S. Quero ver a nossa Amazônia sempre bela e exuberante. Também as gerações futuras hão de vê-la assim.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Leave a Reply

Your email address will not be published.