fbpx

Águas menos barrentas

Pesquisa divulgada em 2017 pela conceituada revista Nature deu um alerta jamais esperado. O Rio Amazonas pode ficar com suas águas menos barrentas, o que significa menos peixe e terra menos fértil.  O mesmo pode acontecer com os demais rios amazônicos.

Por Felício Pontes Jr.

A notícia chegou ao Brasil pelo jornalista Claudio Angelo, do Observatório do Clima. Ele informa que a causa para esse verdadeiro colapso ecológico é a construção de mais de 500 hidrelétricas na região, nas próximas décadas.

Muitas delas já foram construídas e estão retendo os sedimentos que esses rios carregavam, como, por exemplo, as hidrelétricas de Jirau e Santo Antonio, no Rio Madeira, em Rondônia.

O geólogo argentino Edgardo Latrubesse, responsável pela equipe de 16 cientistas que estudam o tema, informa que a China, ao concluir a construção no início do século da hidrelétrica de Três Gargantas – a maior do mundo –, vive um drama.

O Rio Yangtzé perdeu 70% dos sedimentos que carregava – uma tragédia que os chineses ainda tentam reverter.

No Brasil, os impactados diretamente pelo problema são povos e comunidades tradicionais que vivem e dependem dos rios amazônicos. O Rio Teles Pires, em Mato Grosso e Pará, por exemplo, sobre o impacto das barragens recentes, e que não distam 50 quilômetros uma da outra – São Manoel e Teles Pires.

Na vizinhança estão os povos indígenas Kayabi, Munduruku e Apiaká. Eles resolveram sair da invisibilidade que lhes foi imposta e utilizar nossas armas tecnológicas para serem ouvidos.

Com a ajuda do Instituto Cento de Vida (ICV0, fizeram vídeos com depoimentos sobre o que aconteceu com o Rio Teles Pires depois das barragens. O material está circula na internet com o sugestivo nome de “Vozes dos Atingidos”.

Anúncios

Os entrevistados mostram uma lógica de pensamento completamente diferente da propaganda pela sociedade dominante. Denunciam que os peixes diminuíram drasticamente, comprometendo a segurança alimentar; alertam que as águas estão poluídas e causam doenças de pele; informam a fuga dos animais…

É necessário conter a sanha barragista que promove desastres, como o do Rio Xingu, com a hidrelétrica de Belo Monte – a mais polêmica de todas. Nenhum ribeirinho merece que a paisagem do seu rio se torne monótona, sem a surpresa de sua transformação, que torna a vida dinâmica e alegre.

Felício Pontes Jr., em “Povos da Floresta – Culura, Resistênc ia e Esperança” – Paulinas, 2017. Capa: Encontro das Águas – Somos Todos Amazonas. 


Salve! Taí a Revista Xapuri, edição 82, em homenagem ao Jaime Sautchuk, prontinha pra você! Gostando, por favor curta, comente, compartilhe. Boa leitura !


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia.GRATIDÃO!

Anúncios
loja Xapuri camisetas

 

E-Book Por Um Mundo Sem Veneno

COMPRE AQUI

Anúncios