https://youtu.be/FOWAQhkxe48

Ministro do Meio Ambiente Ricardo Salles é denunciado por improbidade administrativa pelo MPF; leia essa e outras notícias da semana no Fique Sabendo

Bomba de semana

O Ministério Público Federal solicitou o afastamento imediato no Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, por improbidade administrativa. Na ação, o órgão aponta atos que desde 2019 contribuíram para desestruturações de normativas legais e dos órgãos ambientais federais, dificultando sua transparência e a participação social e comprometendo seu orçamento e ações de fiscalização, com testemunhos diretos de ex-coordenadores do Ibama. A longa lista comprova: embora em maio o Brasil tenha ficado estupefato com a publicidade dos áudios da reunião interministerial de 22 de abril, quando Salles sugeriu a atual pandemia como uma oportunidade “ir passando a boiada e mudando todo o regramento e simplificando normas”, a boiada já estava passando desde 2019.

E você com Isso?

Numa semana na qual as críticas à gestão ambiental no Brasil aumentaram em âmbito internacional e o desmonte da política ambiental do governo Bolsonaro foi inclusive denunciado no Conselho de Direitos Humanos da ONU e diversas empresas no Brasil – algumas campeãs no desmatamento ilegal – assinaram uma carta-manifesto solicitando providências ao vice-presidente Hamilton Mourão, que preside o Conselho Nacional da Amazônia Legal, pelo fim do desmatamento, a militarização no combate ao desmatamento na Amazônia, solução dada pelo governo, segue mostrando sua ineficácia.

Reportagem do Intercept comprova que a opção do governo federal por militares fiscalizando estradas e rios, sancionada pela Garantia de Lei e Ordem, sai mais cara que as medidas adotadas pelo Ibama, como uso de inteligência na detecção por satélite de focos de desmatamento e queimadas e posterior ação de órgãos ambientais de fiscalização. E mesmo com orçamento 10 vezes maior que o Ibama, as forças armadas não atingem a mesma eficácia. Além da dilapidação do patrimônio nacional pelo desmatamento, a má gestão orçamentária do dinheiro público atinge a todos os cidadãos. O emprego das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem e em ações subsidiárias na faixa de fronteira, nas terras indígenas, nas UCs federais e em outras áreas federais nos Estados da Amazônia Legal foi estendida até 6 de novembro de 2020 pelo Decreto Nº 10.421 publicado hoje, 10/06.

Fonte: ISA

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611-6826.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: