A guerra e a guerra de Frans Krajcberg

Documentário sobre o artista plástico e ecologista que adotou o Brasil como pátria passeia por sua luta pela natureza com trágica atualidade

Ao longo dos 96 anos de sua vida, Frans Krajcberg (1921-2017) jamais se esqueceu dos horrores da guerra. Judeu nascido na Polônia, teve a família assassinada barbaramente pelos nazistas e se engajou às tropas aliadas, forjando personalidade inconformada, questionadora – e formadora de sua obra como artista plástico, escultor, gravurista e fotógrafo.

Lutar, na verdade, seria seu destino.

Chegou ao Brasil em 1948, para a primeira Bienal de São Paulo, e encontrou o cenário da batalha definitiva de sua vida: a defesa inegociável do meio ambiente. Escolheu morar em lugares ermos, no contato mais íntimo possível com a natureza – de uma caverna em Itabirito (MG) à famosa casa na árvore em Nova Viçosa (BA).

Toda a coerência de um artista corajoso e único sustenta a narrativa de “Frans Krajcberg – Manifesto”, documentário de Regina Jehá que chega aos cinemas nesta quinta-feira (10), exibindo trágica atualidade. Ao longo de 96 minutos, ele revê a própria trajetória, desfiando memórias e reflexões, enquanto prepara obras para expor no salão principal da 32ª Bienal, em São Paulo.

“Olha como é lindo, como é exuberante. Eu que plantei tudo isso aqui”, relata, à câmera de Regina, sentado na varanda da casa, diante da vista opulenta da casa em Nova Viçosa. Num outro momento, dirigindo uma caminhonete, ele lamenta a devastação nas franjas da estrada – “plantaram eucalipto, que não gera vida; ali não tem nem mosquito”, ensina – e celebra a única árvore de pé, graças a protesto liderado por ele. Frans avisa que sempre a cumprimenta ao passar. “Boa tarde!”, grita, acenando com a mão para fora da janela.

O documentário atravessa quatro décadas da vida do artista transformado em relação ao pintor influenciado por Léger, Mondrian e Chagall, que chegou aqui. Incomodado com a dimensão pictórica, Frans investiu no relevo e na escultura, reformulando a ideia de representação ou interpretação da natureza. Passou a usar troncos de árvores, raízes aéreas de mangue, num mergulho revolucionário e sem volta.

Naturalizado brasileiro em 1956, viajou pelos rios da Amazônia com os amigos Sepp Baendereck e Pierre Restany, durante 21 dias de 1978, percorrendo a região do Alto Rio Negro – e cristalizou a certeza da luta pelo meio ambiente. A expedição foi inteiramente documentada por fotos e desenhos de Sepp, fotos e filmagens de Krajcberg e pelo diário pessoal de Restany, que escreveu o Manifesto do Rio Negro (ou Manifesto do Naturalismo Integral), assinado pelos três.

“A Amazônia constitui hoje, sobre o nosso planeta, o ‘último reservatório’, refúgio da natureza integral”, defende o texto. “Um contexto tão excepcional como o do Amazonas suscita a ideia de um retorno à natureza original. A natureza original deve ser exaltada como uma higiene da percepção e um oxigênio mental: um naturalismo integral, gigantesco, catalisador e acelerador das nossas faculdades de sentir, pensar e agir.”

“Fiz o filme sob esses parâmetros”, explica Regina Jehá, cineasta paulista ligada à causa amazônica. “Frans conduziu vida e obra caminhando sempre juntas. O documentário é um manifesto dessa filosofia”, resume ela, que venceu a resistência do próprio artista para produzir.

“Eles queimam a floresta para dar espaço ao gado” denuncia Frans, numa entrevista em 1986 que poderia ter sido feita hoje. “Não pode. A riqueza disso aqui…”, lamenta, melancólico. Mas ele não desistiu. Denunciou queimadas florestais pelo Brasil todo; bateu na exploração mineral em Minas Gerais; atacou o desmatamento da Amazônia e a destruição da Mata Atlântica, incansavelmente. Lutou até morrer contra a destruição da natureza, bradando pela preservação do planeta e da humanidade.

“Ele era um lobo solitário”, atesta Regina. A produção sobre levou dois anos (entre 2016 e 2018) para ser concluída. Contou com imagens captadas para outro filme, “Poeta dos vestígios” (1998), de Walter Salles, e de entrevistas feitas por João Meirelles para um livro sobre o artista. O escritor, aliás, é autor da ideia do documentário.

E como Frans Krajcberg estaria hoje, diante das barbaridades que dominam o noticiário? “Que bom ele não estar aqui vendo isso”, resigna-se Regina, com um sorriso triste. “Mas ele deve estar feliz com o filme”, acrescentando, lembrando uma das frases definidoras do artista: “Só vai ter sentido se falar da minha luta”.

Niteroiense, Aydano é jornalista desde 1986. Especializou-se na cobertura de Cidade, em veículos como “Jornal do Brasil”, “O Dia”, “O Globo”, “Veja” e “Istoé”. Comentarista do canal Sportv. Conquistou o Prêmio Esso de Melhor Contribuição à Imprensa em 2012. Pesquisador de carnaval, é autor de “Maravilhosa e soberana – Histórias da Beija-Flor” e “Onze mulheres incríveis do carnaval carioca”, da coleção Cadernos de Samba (Verso Brasil). Escreveu o roteiro do documentário “Mulatas! Um tufão nos quadris”. E-mail: aydanoandre@gmail.com. Escrevam!

Fonte: Projeto Colabora

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.