Amazoniza-te antes que seja tarde

Terras indígenas e as Unidades de Conservação são unidades chave na preservação da Amazônia e para evitar o desmatamento. São territórios sob a ameaça da aprovação da Medida Provisória 910/2019, que propõe uma nova regularização fundiária no Brasil, que acaba com a reforma agrária e a regularização de territórios de povos originários e tradicionais.

A reportagem é de Edelberto Behs, jornalista.

O alerta integra a campanha “Amazoniza-te”, lançada em live no dia 27 de julho por organizações sociais e eclesiais que atuam na Amazônia. O presidente da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), dom Walmor Azevedo, frisou que a campanha convida as pessoas a colocarem na cabeça e no coração um novo verbo: “amazonizar”.

A campanha, segundo dom Walmor, tem um apelo à alteridade. “O sentido de alteridade me permite que, em não sendo da Amazônia e não estando na Amazônia, eu possa amazonizar-me”, disse.

“‘Amazoniza-te’ se torna uma escola para nós aprendermos a respeitar os povos e as culturas diferentes, a preservar o meio ambiente. Que todo mundo entre e matricule-se nesta escola como um caminho de aprendizagem da humildade e de compromisso com os que precisam mais”, conclamou o bispo.

Estudo preparado pela Irmã Célia Guimarães Vieira, ecóloga e pesquisadora do Museu Paraense Emílio Goeldi, membro da Coalizão Ciência e Sociedade, assinala que de 1996 a 2005 a Amazônia brasileira apresentou taxa média de desmatamento anual de cerca de 9 mil quilômetros quadrados por ano. Em 2019, o desmatamento na região atingiu 803 mil quilômetros quadrados.

“O aumento da incidência de fogo na Amazônia deve-se à expansão da fronteira agrícola, à fragmentação florestal e à extração da madeira e, ainda, pelos efeitos do aumento da variabilidade do clima”, aponta o estudo.

Historicamente, registra a análise da Irmã Célia Vieira, entre 70% a 80% da área desmatada na Amazônia foi convertida em pasto, “o que indica a pecuária como a causa direta mais importante da destruição”. Até o início dos anos 1970, o desmatamento florestal foi inferior a 1% do territórios amazônico. Em 2019, ele chegou a atingir cerca de 20% da região.

A ecóloga, ancorada em outros pesquisadores, alertou para o perigo de a Amazônia chegar ao tipping point, “o ponto do não retorno”, se o desmatamento alcançar 20% a 25% da floresta original. “Se nada for feito, esse ponto sem retorno pode ocorrer entre 2035 e 2050”, assinalou.

O estudo da pesquisadora do Emílio Goeldi chama a atenção para a importância da Amazônia no ciclo de chuvas. Devido ao desmatamento e à degradação florestal, a região já perdeu 40% a 50% da sua capacidade de bombear e reciclar a água. A evapotranspiração das árvores cria os chamados “rios voadores”, que irrigam áreas agrícolas e mantêm reservatórios urbanos de várias regiões da América do Sul, com especial impacto sobre áreas agrícolas brasileiras. O carbono que a floresta armazena equivale a mais de dez anos das emissões globais de gases de efeito estufa.

A Amazônia também apresenta os piores indicadores sociais do Brasil, com 13 milhões de brasileiros e brasileiras em precaríssimas condições sociais e de saúde. A região abriga 20% das águas dos rios e lagos do planeta, mas tem as taxas mais baixas do acesso à água tratada e coleta de esgoto do país, segundo dados do Sistema Nacional de Informação sobre Saneamento.

Ainda em maio, os bispos católicos da Amazônia manifestaram preocupação com o “aumento da violência no campo”. Segundo dados do “Caderno de Conflitos no Campo Brasil 2019”, da Comissão Pastoral da Terra Nacional, 84% dos assassinatos (27 de 32) e 73% das tentativas de assassinato (22 de 30) ocorreram na Amazônia Legal.

“Causas do aumento da violência no campo e do desmatamento da floresta amazônica são sem dúvida a extinção, sucateamento, desestruturação financeira e a instrumentalização política de órgãos como o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a Fundação Nacional do Índio (FUNAI), o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (IBAMA) e de órgãos de fiscalização e de controle agrícola, ambiental e trabalhista”, denunciaram os bispos.

A campanha Amazoniza-te traz propostas concretas de defesa da região, como o fortalecimento dos órgãos responsáveis pela gestão ambiental e pela proteção e garantia dos povos tradicionais; proteção desses povos e comunidades indígenas contra a exploração ilegal de suas terras; imediata demarcação de terras indígenas e territórios quilombolas pendentes de regularização; desmatamento e degradação florestal ZERO da região.

Amazoniza-te propõe que firmas que destroem a Amazônia sejam pressionadas, iniciando uma Campanha de Boicote às empresas que desmatam, e Campanha de Desinvestimento das Empresas de Mineração. No calendário do Amazoniza-te duas datas ganham destaque: 14 de agosto, Dia Nacional de Combate às Queimadas, e 22 de setembro, Dia Mundial de Mobilização para a Amazônia.

Integram a campanha do Amazoniza-te o Conselho Indigenista Missionário (Cimi), a Comissão Pastoral da Terra (CPT), a Rede Eclesial Pan-Amazônica (Repam), Mídia Ninja e o Movimento Humanos Direitos (MHuD).

A iniciativa decorre das mobilizações pós Sínodo para a Amazônia, reunido no Vaticano em outubro de 2019. A secretária executiva da Repam-Brasil, irmã Maria Irene Lopes, informou que a campanha envolverá formadores de opinião, artistas, pesquisadores e cientistas do Brasil e do exterior nas diferentes ações previstas.

O hotsite da campanha – amazoniza-te.org – disponibiliza materiais de apoio, estudos e manifestos das organizações para fundamentar ações e posicionamentos.

Fonte: Unisinos

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: