Cultivo de cana de açúcar pode colocar a Amazônia em colapso, alertam especialistas

Projeto de lei em trâmite no Congresso quer liberar cultivo nas áreas do bioma Cerrado e dos campos gerais na Amazônia Legal, o que atualmente é proibido

Por Silane Souza Manaus (AM)

O cultivo de cana-de-açúcar na Amazônia, como prevê o Projeto de Lei do Senado (PLS) 626/2011, cuja votação em plenário foi adiada na última terça-feira (27), pode provocar efeitos catastróficos sobre a floresta amazônica, a biodiversidade, os serviços ecossistêmicos da América do Sul e a própria produtividade agrícola do Brasil. O alerta é de pesquisadores do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia (Inpa/MCTIC) que publicaram, nesta semana, um artigo sobre o tema na revista científica Science.

O Ph.D. em Mudanças Globais e Desenvolvimento Amazônico Philip Fearnside, que assinou o artigo juntamente com o doutorando em Ecologia Lucas Ferrante, classifica a situação como “grave” porque abre mais uma porta para o desmatamento na Amazônia. Conforme ele, a cana provoca desflorestamento direto e ao substituir as pastagens, supostamente em áreas “alteradas”, como indica o PLS, vai permitir que a pecuária, principal atividade que faz uso dessa área desmatada, vá para outro lugar.
 
“E geralmente o que acontece é que o fazendeiro vende a terra e compra uma área maior de floresta, que é mais barata. Então vai estimular o desmatamento, coisa que já foi mostrada estatisticamente no caso da soja. A mesma coisa será feito a cana-de-açúcar”, aponta Philip Fearnside, integrante do Painel Intergovernamental para Mudanças Climáticas (IPCC), que recebeu o prêmio Nobel da Paz em 2007.


Philip Fearnside é Ph.D em Mudanças Globais e Desenvolvimento Amazônico. Foto: Antônio Lima

O desmatamento por sua vez, avisa Fearnside, traz diversos impactos sobre o clima, que não se referem apenas ao efeito estufa que afeta o Brasil e outros países, mas também ao regime de chuva. “Vai diminuir a quantidade de vapor que é transportado da Amazônia para o resto do Brasil e países vizinhos. A Argentina está mais preocupada que o próprio Brasil. Se desmata aqui vai diminuir a chuva lá, assim como em São Paulo, lugares que já estão com falta de água”, afirma.

 
No artigo publicado na Science, os pesquisadores evidenciam que a floresta amazônica desempenha um papel importante no clima da América do Sul, com contribuições substanciais de precipitação para a agricultura no sudeste do Brasil. Em médio e longo prazo, a perda florestal ameaçaria a própria produção agrícola e de biocombustíveis do País, sendo a área com maior produção agrícola localizada no Sul e Sudeste, que depende do vapor de água da região amazônica.
 
O doutorando em Ecologia Lucas Ferrante revela que a ideia do artigo foi justamente a de alertar a sociedade sobre o impacto que a autorização do cultivo de cana-de-açúcar pode causar para a América Latina como um todo. “A médio ou longo prazo seria interessante a própria bancada ruralista se conscientizar do papel da Amazônia, principalmente os ruralista do Sul e Sudeste, que são dependentes da quantidade de água que a Amazônia proporciona para as plantações”, destaca.


Lucas Ferrante é doutorando em Ecologia no estuda do
impacto da mudança climática sobre biodiversidade. Foto: Antônio Lima
‘Não vai diminuir a pobreza’
No artigo publicado na Science, os pesquisadores Fearnside e Ferrante salientam que os políticos e as instituições nacionais e internacionais que financiam grandes empresas agrícolas não devem ser enganados pelo “doce sabor”  de uma nova fronteira agrícola a ser explorada.
Eles defendem orientação pela necessidade de evitar a perda da biodiversidade da Amazônia, do patrimônio genético e dos valiosos serviços ecossistêmicos, incluindo a regulamentação climática para a área com a maior população e produção agrícola da América do Sul.
Philip Fearnside afirma que os argumentos defendidos no projeto estão completamente “furados”. “Isso de que vai sustentar a população amazônica, diminuir a pobreza, etc e tal, não procede porque a cana vai expulsando os pequenos agricultores. Normalmente onde isso entra o efeito é negativo. E a mão de obra geralmente é migratória, tem até condições de trabalhos escravos”.
Impacto negativo não se limita às áreas cultivadas
A vegetação da Amazônia varia de florestas densas a áreas de savana. As florestas da região e sua biodiversidade são vulneráveis ao avanço contínuo das mudanças no uso da terra para agricultura e pecuária, de acordo com os pesquisadores Philip Fearnside e Lucas Ferrante.
No Brasil, o cultivo de cana-de-açúcar é atualmente proibido nos biomas do Pantanal e Amazônia. A cana-de-açúcar está entre as culturas com os maiores aumentos de produção na última década, e o Brasil é o maior produtor de cana-de-açúcar do mundo, segundo dados da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).
As plantações de cana estão projetadas para aumentar devido à demanda por biocombustíveis. Cientista já têm demonstrado que as plantações de cana-de-açúcar ameaçam a biodiversidade, com seus efeitos se estendendo além das áreas cultivadas até as florestas adjacentes.

Uma das técnicas para a colheita da cana utiliza o fogo para a queima das palhas. Foto: Rogério Paiva/MPT
Lucas Ferrante disse que estudou, no ano passado, o impacto da cana-de-açúcar na mata atlântica e verificou que este é um dos cultivos mais nocivos para a estrutura da floresta e para a biodiversidade quando comparado a outros cultivos que havia na região. Isso porque a plantação provoca um efeito, conhecido como efeito de borda, que se estende além da floresta.
“Pode impactar até vários quilômetros para dentro da floresta. Então o dano não seria apenas na área cultivada. Iria se estender para área adjacente de floresta também. O dano seria muito maior do que realmente se pensa”, ressaltou.
Petição online como pressão
O Instituto Socioambiental (ISA) criou uma petição online – Amazônia Sem Cana – para pressionar o presidente da República, Michel Temer (MDB), e o presidente do Senado, Eunício Oliveira (MDB-CE), para que o PLS 626/2011 não seja aprovado. Para os interessados, o documento pode ser assinado no site da organização: www.socioambiental.org. A meta é atingir um milhão de assinaturas.
Mobilização de entidades contra o PLS
No último dia 26, a Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura, da qual faz parte a União da Indústria de Cana-de-Açúcar (Única), divulgou um comunicado no qual reafirmou sua posição contrária a aprovação do projeto que permite o plantio de cana na Amazônia.  “Os biocombustíveis e açúcar brasileiros não são associados a esse desmatamento. O PLS 626/2011 pode manchar essa reputação e colocar em risco os mercados já conquistados e o valor dos produtos brasileiros”, diz parte do texto.
No mesmo dia, 32 entidades, entre as quais Greenpeace, WWF-Brasil, SOS Mata Atlântica, Observatório do Clima e Instituto Socioambiental (ISA), divulgaram uma nota de repúdio ao PLS 626/2011. De acordo com elas, o projeto pode significar uma nova pressão sobre a floresta resultando em mais desmatamento e degradação e também ameaça o próprio setor produtivo, já que se aprovado pode acarretar em “dano de imagem difícil de reparar num período crítico para o sucesso do etanol”.
Autor e previsões
O Projeto de Lei do Senado (PLS) 626/2011 é de autoria do senador Flexa Ribeiro (PSDB-PA). O texto em tramitação  autoriza o plantio de cana-de-açúcar em áreas já alteradas e nas áreas do bioma Cerrado e dos campos gerais situadas na Amazônia Legal. A possibilidade de plantio nessas áreas foi extinta por um decreto de 2009, que estabeleceu o zoneamento agroecológico da cana-de-açúcar.
Publicado originalmente no site www.acritica. com, por Silane Souza


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!
COMPRE AQUI

continua depois da propaganda