fbpx

Danos do Fogo: Capivaras mortas no quintal

Daqui do Cerrado goiano, acompanhamos com preocupação o avanço das queimadas e os danos do fogo e da fumaça sobre a população acreana e sobre a Biodiversidade do Acre e de toda a região.

O diálogo a seguir foi postado pelo jornalista acreano Altino Machado em sua página no Facebook:

DANOS DO FOGO

— Meu nobre, olha só quem amanheceu no portão da minha casa, no bairro Vila Betel, fugindo do fogo, das queimadas no Acre – escreveu Cássio.

Fogo zero, já!

COMENTÁRIO DO ALTINO 

A imagem de árvores sendo queimadas não comove tanto quanto a imagem de animais sendo mortos pelo fogo. É como se os animais e as árvores não fizessem parte do mesmo reino dos seres vivos, da mesma criação, da mesma Gaia, do mesmo universo. Que sociedade maluca. Que tempos críticos.

Danos do Fogo: Capivaras mortas no quintalFoto: Juarez Rodrigues

Não há dúvida: Boa parte da Amazônia está em chamas. O mapa do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostra uma floresta acossada pelo fogo. No Brasil, o fogo se espalha principalmente pelos estados do Amazonas, Mato Grosso, Rondônia e Acre.

No Acre, os municípios de Capixaba, Bujari, Porto Acre, Sena Madureira, Feijó, Tarauacá e a capital, Rio Branco, estão tomados pela fumaça.  Mas não é só em território brasileiro que o fogo destrói a biodiversidade e ameaça vidas.

Os mapas do Inpe, produzidos quase que em tempo real, também mostram grandes manchas de fogo na Bolívia, principalmente nos departamentos de Beni, Santa Cruz e Pando.

O Acre é uma das regiões que mais sofrem neste momento, porque além de sua própria fumaça, está recebendo também parte da fumaça boliviana e parte da fumaça de Rondônia e Mato Grosso.   O estudo sobre a origem da fumaça que cobre o Acre é do jornalista acreano Altino Machado.

 Em seu blog, Altino vem informando o Brasil e o mundo regularmente sobre a gravidade das queimadas deste ano, particularmente no Acre: “A capital do Acre está invisível na linha do horizonte por causa dos focos de queimadas de pastagens, capoeiras e florestas na região, incluindo Peru e Bolívia.”, diz o jornalista em um de seus posts mais recentes.

Segundo o Inpe, mais de 53 mil focos de queimadas foram registrados só até a primeira semana de agosto.  O Inpe alerta também que o tempo seco e quente, e a insuficiência  de fiscalização pode agravar o quadro já crítico da região.

Os mapas o Inpe mostram o tamanho da tragédia:

queimada acre

As  autoridades argumentam que por se tratar de uma região de baixa densidade habitacional e de grandes áreas verdes, o Estado não tem como fiscalizar todo o espaço da Amazônia.

Com relação aos focos de incêndio, já se registrou um aumento de 65% com relação ao 2015, diz o Inpe. No Acre, no início de agosto foram registrados 844 focos , número três vezes maior que em 2015. No Amazonas, foram registradas 3.022 queimadas, 284% a mais que em 2015.

Pior: A temporada de queimadas está longe do fim, que segundo o Inpe ocorre em setembro.  O que pode ser feito? A recomendação é que as pessoas evitem colocar fogo na vegetação, já que a ação humana (que usa as queimadas para “limpar” as áreas de plantio) é uma das grandes causas das queimadas.

Obs.: publicado originalmente em 26 de ago de 2016


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


Revista Xapuri

Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?

ASSINE AQUI