O Instituto Socioambiental – ISA -lançou semana passada um estudo sobre e áreas de garimpo abertas ou reativadas em três Terras Indígenas e quatro Unidades de Conservação na bacia do Xingu entre 2018 e todo o ano de 2019. O estudo, feito pelo ISA e pela Rede Xingu +, mostra que apenas entre abril e maio de 2020 foram abertos 562 hectares associadas à exploração garimpeira, totalizando 22 mil hectares de floresta desmatados por conta do garimpo. Leia mais aqui.

Desde o segundo semestre de 2018, o garimpo ilegal ganhou força em novas regiões, ativando áreas que estavam fechadas há mais de 14 anos. Esse é o caso de um garimpo na Resex Riozinho do Anfrísio, no Pará, que foi fechado no ano da criação da UC, em 2004, mas voltou a funcionar em 2019  num  clima de absoluta impunidade.

A exploração garimpeira tem sérios impactos socioambientais. Contamina as águas e o solo, desconfigura o curso dos rios e devasta a floresta, traz invasões, surtos de malária, intoxicação por mercúrio, contágios por doenças, prostituição infantil, tráfico de drogas e de armas, entre outros.

Com a pandemia de Covid-19,  a invasão de garimpeiros apresenta uma nova ameaça: o contágio dos povos indígenas e populações tradicionais em áreas onde é impossível estabelecer barreiras sanitárias e qualquer outra medida de prevenção e atendimento em saúde.

A Terra Indígena Kayapó é a mais impactada pelo garimpo na bacia do Xingu, com 684 hectares desmatados nos primeiros cinco meses de 2020. Não à toa, é a terra indígena do Xingu que apresenta o maior número de casos de contágio e mortes por Covid-19.

A expansão descontrolada do garimpo dentro de Terras Indígenas e Unidades de Conservação de responsabilidade do governo federal, precisa ser controlada antes de consolidar impactos irreversíveis para a floresta, os rios e os povos do Xingu.

Você poderá apoiar esta campanha aqui: Junte-se ao ISA

Fonte: ISA

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 99611193

Comentários

%d blogueiros gostam disto: