“Na verdade, o garimpo é a grande ilusão que devasta. O sonho da riqueza fácil que nunca chega para o garimpeiro, mas que torna os compradores de ouro e os intermediários cada vez mais ricos. Enquanto isso, populações inteiras são destruídas.”

Por Gomercindo Rodrigues

Desde os primórdios da descoberta do Brasil que o interesse que o interesse por suas riquezas minerais foi um dos sustentáculos do Brasil Colônia. Não é diferente, hoje, numa região onde recentemente se descobriu todo um potencial mineral até então desconhecido.

A miséria, o desemprego, a falta de terra para os trabalhadores rurais no centro-sul do Brasil e a propaganda oficial de que a Amazônia era o novo Eldorado deslocou para esta região um contingente considerável de migrantes em busca da riqueza fácil, da terra abundante e barata.

Chegando à Amazônia, todos constataram que a propaganda era muito maior do que a região efetivamente apresenta de potencial; as terras são abundantes, mas frágeis e, com a remoção das florestas que as cobrem, pouco férteis.

A infraestrutra de atendimento aos migrantes praticamente não existia. As doenças proliferam rapidamente, principalmente a malária. O Eldorado  brilhava muito menos do que a propaganda dizia.

Foi então que começaram as descobertas dos minerais na região. Veio Serra Pelada, no sudeste do Pará, que chegou a ser comparado a um formigueiro humano, dado o grande número de garimpeiros que para lá se dirigiam.

A fronteira do ouro deslocou-se para o extremo norte do país. Apareceram os garimpos de ouro e cassiterita em Rondônia. Em Roraima, nas terras dos índios Yanomami, foram encontradas riquíssimas jazidas de outro.

O rastro de devastação deixado pelo garimpo é impressionante; é só olhar os vários povoados que surgiram dessa atividade, grandes favelas sem nenhuma infraestrutura, com contaminação por mercúrio das águas de importantes rios como o Madeira, ou as grandes crateras abertas pelos garimpeiros em Serra Pelada.

Em Roraima, com certeza, o drama tornou-se ainda maior, pois os quase dez mil índios Yanomami , que tinham pouquíssimo ou nenhum contato com a civilização branca, estão sendo dizimados pelas mais diferentes moléstias, por não têm o organismo defendido por anticorpos de doenças que antes sequer conheciam.

Um genocídio está em marcha, com a conivência governamental, dado que não há ação prática para detê-lo.

A própria vida humana, nos garimpos, vale muito pouco. Se alguém consegue bamburrar, de repente pode ser encontrado morto, sem que ninguém tenha visto nada. Segundo os próprios garimpeiros, a vida no garimpo está sempre por um fio.

Na verdade, o garimpo é a grande ilusão que devasta. O sonho da riqueza fácil que nunca chega para o garimpeiro, mas que torna os compradores de ouro e os intermediários cada vez mais ricos. Enquanto isso, populações inteiras são destruídas.

A floresta vai, muito mais rápido do que se poderia esperar, caindo. Os rios de águas puras cedem lugar a rios poluídos. A incidência da prostituição, inclusive e especialmente de menores – meninas entre 12 e 15 anos – e da marginalidade, bem como as doenças, aumenta em progressão geométrica.

Gomercindo Rodrigues, advogado acreano, em “Caminhando na Floresta”, Editoras EDUFAC -Xapuri, 2009.

Nota do Autor: “Bamburrar” – expressão utilizada pelos garimpeiros para designarem as pessoas que conseguem extrair  muito outro em pouco tempo. O contrário de bamburrar é blefar. O garimpeiro que não consegue ouro está “blefado”. Fotos: Sebastião Salgado – Serra Pelada.

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Comentários

%d blogueiros gostam disto: