Cocar de Canudos : Objeto político de identidade e resistência da cultura do povo Kayapó

As Terras Indígenas dos Kayapó estão no centro do arco do desmatamento, com pressões intensas de garimpeiros, madeireiros e criadores de gado. Sofrem, também, a pressão de grandes empreendimentos privados públicos em seu entorno, como a construção da hidrelétrica de Belo Monte, no Pará.  Cada vez mais, essas pressões externas vêm reduzindo a qualidade de vida do povo Kayapó.

Como alternativa, os Kayapó, ao longo dos anos, ao mesmo tempo em que lutam bravamente para manter sua cultura e seu estilo de vida, os Kayapó vêm buscando se adaptar aos desafios dos novos tempos. Uma das formas práticas dessa adaptação encontra-se na incorporação de elementos ocidentais na produção de seu belíssimo artesanato.

Mais precisamente, a Associação Floresta Protegida (AFP) Associação Floresta Protegida, do povo Kayapó,  investe, hoje, em parceria com a empresa http://loja.tucumbrasil.com/, na produção de “cocares de canudos” para conciliar geração de renda com valorização da cultura, ao mesmo tempo em que oferece oportunidade de ocupação e renda para as mulheres e as pessoas idosas nas aldeias.

O cocar é um artefato ritual, confeccionado artesanalmente pelos homens da aldeia e usado em cerimônias de diversas etnias. Até recentemente, seu uso era restrito a ritos, exposições e pesquisas de arte indígena. Hoje, em parte devido ao cocar de canudo, pidjôkango oicõ djã nho meàkà, essa invenção dos  Kayapó, habitantes das margens do Rio Xingu vem  cada vez mais despertando o interesse sobre suas origens e os costumes relacionados ao seu uso também nas cidades e, em especial, no período do Carnaval.

Para os Kayapó, o cocar de canudo, é um objeto político “capaz de produzir diversas reflexões na sociedade brasileira, em especial a de que nenhum índio é menos índio por usar em sua produção artesanal e em seu viver coisas do mundo dos brancos.” Assim, os Kayapó, conscientemente, incorporam roupas, celulares, canudos e carnaval ao seu modo de vida na floresta.

Com a mesma perfeição técnica refinada de geração em geração desde tempos imemoriais, os Kayapó reproduzem com canudos os belíssimos cocares de penas produzidos para o  seu próprio uso comunitário.  Por essa razão, os Kayapó fazem questão de ressaltar o valor político do cocar enquanto elemento de conscientização e valorização das artes e da cultura Kayapó.

Os cocares de canudo são feito pelos guerreiros Kayapó (classe de idade daqueles que já têm neto). Segundo dados da Tucum, em 2015 foram produzidos e comercializados 263 cocares, beneficiando cerca de 80  famílias, das aldeias Apejti, Ngomejti, Pykatum, Aukre, Mojkarakô, Kubenkrãkenh, Kedjerekrã, Kendjan e Pykatô, nas Terras Indígenas Kayapó e Menkragnoti, no estado do Pará.

Segundo a Tucum, os cocares são comprados da AFP todo final de ano, a preços discutidos com a Associação e considerados justos tanto pelos artesãos e quanto por seus clientes parceiros, e pela própria Tucum.  A compra é direcionada para a venda durante o Carnaval, uma demanda criada pela Tucum, uma vez que os Kayapó são capazes de produzir muito mais do que a capacidade de venda regular da empresa durante o ano.

Para o Carnaval, a empresa produz o Kit Carnaval Tucum, que inclui cocares Kayapó, apitos Pataxó e dos maracás Karajá,  “valorizando a história, a riqueza e a luta que acompanha cada etnia, representada por seus produtos”.

Mesmo sendo o Carnaval uma festa popular não-indígena, a Tucum conseguiu, com sucesso, incluir esses elementos fundamentais das culturas indígenas no imaginário  da maior festa brasileira, com a anuência e a participação ativa de seus produtores, os povos indígenas.

“Os Kayapó sabem por quanto vendemos os cocares, como sabem também  que a compra grande de fim de ano da Tucum é para que os cocares sejam comercializados no carnaval. Eles não têm nenhum problema com isso porque, no fim, se apropriam do Carnaval para produzir e vender um produto que até dois anos atrás não tinha saída. Sentem orgulho da difusão de sua cultura, assim como nós. Todo cocar à venda na Tucum leva o nome do artesão que o produziu e de sua aldeia.”

Além do preço pago ao artesão, a Tucum informa que paga uma taxa de 20% para a Associação, que tem por finalidade a estruturação da cadeia produtiva do artesanato. A partir desses valores, a Tucum calcula o preço final da peça, construído de maneira transparente, como se pode ver no site da empresa, que também informa que não lucra com os cocares, cuja renda é revertida para campanhas em defesa dos povos indígenas como a campanha #PEC215Não!

Uma breve história sobre o cocar Kayapó

De acordo com a mitologia Kayapó, o cocar de penas é um troféu de guerra conquistado depois que dois guerreiros mataram Àkti, o grande gavião que gostava de se alimentar de crianças e velhos indefesos.

Assim, não é qualquer um que pode portar na cabeça um cocar; é preciso que seja transmitida pelos mais velhos uma espécie de permissão, que acontece durante as cerimônias de nominação. É a partir deste ritual que a criança é apresentada como especialmente bela (mereremejx) para aquela comunidade e torna-se apta, entre outras coisas, a usar sob a cabeça um cocar.

O uso ritual do cocar é restrito a apenas uma pessoa, considerada como o dono ou aquele que pode utilizá-lo. Enquanto algumas pessoas têm a prerrogativa de utilizar o verde, feito de penas de papagaio; outra pode usar o vermelho, de penas de arara e uma outra, o amarelo, de penas de japu.

Para pegar emprestado um cocar, é necessário que haja autorização do dono e que depois da festa, seja prontamente devolvido a ele ou à sua família. Ter um cocar sob a cabeça é algo muito significativos entre os Kayapó.

Com o cocar de canudos ocorre algo similar, já que ele também se transformou em um bem simbólico com circulação restrita apenas a seus donos, que continuam sendo proprietários deste objeto ritual de cores distintas. Somente o dono do cocar de penas de japu (amarelas), pode usar e mesmo confeccionar o cocar com canudinhos amarelos, por exemplo.

Por quê Canudos?

Os canudos viraram matéria-prima devido a um grande incêndio que devastou a aldeia Môikarakô, Terra Indígena Kayapó, PA, nos anos 90. Embora não tenha deixado vítimas, o fogo queimou praticamente todas as casas da aldeia e boa parte dos pertences de seus habitantes, incluindo seus valiosos bens cerimoniais, dentre eles os cocares de penas que estavam sendo produzidos para um ritual dali a alguns dias.

Mesmo com suas casas e enfeites queimados, os moradores da aldeia decidiram fazer a festa. Foi nesse contexto de resistência e superação que um velho indígena teve a ideia de produzir os arcos com os canudinhos de plástico para adornar as cabeças de seus companheiros de aldeia de forma que eles pudessem dançar e festejar superando o ocorrido. Mal sabia ele do sucesso que este artefato faria entre os próprios Kayapó e décadas mais tarde, entre admiradores da cultura indígena e foliões querendo deixar a “fantasia de índio” ainda mais especial.

Nesta transição entre a confecção do cocar para uso interno e ritual para o uso lúdico, festivo e comercial por não-indígenas, a produção ganha muito em liberdade criativa, em especial quanto à combinação de cores. Ver os cocares de canudo, feitos sob a mesma tradição dos cocares de pena vale lembrar, virando item de desejo entre os que curtem o Carnaval é motivo de orgulho para os Kayapó, que com sua cultura, ajudam a enfeitar esta grande festa dos brancos – ou kuben, na língua Kayapó.

Com a proibição da comercialização de artesanato feito com penas e outras partes animais silvestres por meio de uma portaria do Ibama, referente ao artigo 29 da Lei de Crimes Ambientais (nº 9.605/1998), incentivar a produção do cocar de canudos é também uma forma de saudar o artesanato indígena de forma responsável.

Kit Carnaval da Tucum

Sobre a Associação Floresta Protegida 

A Associação Floresta Protegida (AFP) é uma ONG que representa os Kayapó, parceira da Rede Tucum e pioneira no fomento e divulgação dos cocares de canudo. Todo fim de ano, a Tucum encomenda à AFP uma grande quantidade destes cocares, o que se torna uma fonte de renda para os guerreiros Kayapó que dominam com maestria seus saberes tradicionais para a confecção deste objeto. Este ano em especial foi impressionante ver a qualidade e beleza dos cocares à medida em que foram chegando na Tucum! Novas técnicas os tornaram mais firmes e as combinações de cores extremamente criativas.

Com a ideia de difundir a cultura Kayapó, a AFP produziu uma série documental super bacana sobre o artesanato desta etnia que adora festa. Confira o episódio “Cocar de Canudo” e saiba mais sobre a técnica ancestral deste povo ao confeccionar seus cocares. Assista aqui https://www.youtube.com/watch?v=ieNSpGrvdzM

Sobre a Tucum 

Em seu site na internet, a Tucum assim se define:

“Movidos pela vontade de conhecer e experimentar, integramos um coletivo composto por pessoas de diferentes áreas de atuação.

Na Tucum, indígenas, pesquisadores e artistas fazem parte de uma rede plural e aberta de conhecimento, troca e criação.

Nosso propósito é difundir a diversidade cultural expressa nas artes e ofícios, valorizando os diferentes modos de criar e existir. Nos preocupamos com toda estrutura da cadeia produtiva, a fim de estabelecer duradouras parcerias. Nas relações estabelecidas com os artesãos, atentamos às questões políticas, socioambientais e particularidades que os diferentes contextos locais nos colocam.

A Tucum é também uma forma de ativismo.”

 

ANOTE AÍ:

Os conteúdos originais e fotos desta matéria nos foram fornecidos pela Tucum. Parte dos textos foram copiados na íntegra, dada a qualidade do material fornecido pela fonte.

PARA QUEM NÃO COMPROU AINDA SEU KIT CARNAVAL, FICA A SUGESTÃO: VISITE A LOJA DA TUCUM! 

 

About The Author

Zezé Weiss

Jornalista
Socioambiental

Related Posts

Deixe uma resposta