Manaus, anote aí –  Nesta quinta-feira, 5 de outubro, e sexta-feira, 6 de outubro, na tradicional Feira da Agricultura Familiar da Universidade Federal do Amazonas (AgroUfam), comunidades extrativistas e ribeirinhas venderão, a excelentes preços,  o pirarucu orgânico, manejado nas Unidades de Conservação do Médio e Baixo Juruá.

A AgroUFam acontecerá no Campus da Universidade Federal do Amazonas, Blocos I e II, Setor Sul -Avenida General Rodrigo Otávio, 1.200 – Coroado I. Nos dois dias, Feira abre às 7h da manhã e vai até as 18h no dia 5. No dia 6, as atividades de venda serão encerradas às 16h.

Embora a AgroUfam esteja já em sua 42a edição, esta é a primeira vez em que o pirarucu manejado nos rios da floresta Amazônica será comercializado pelas próprias comunidades será vendido nos estandes da Feira. Essa é uma grande conquista do projeto de manejo do Pirarucu, apoiado pela Ufam e pelo Memorial Chico Mendes.

Iniciado há 20 anos como uma tentativa de conservação dos lagos pelas comunidades ribeirinhas, o projeto faz o manejo do pirarucu com sucesso há oito anos e, ao longo desse tempo, resultou na pesca e na comercialização de 180 toneladas de pirarucu, gerando ocupação e renda para as famílias de 17 comunidades das Reservas Extrativistas do Baixo e Médio Juruá e de Desenvolvimento Sustentável Uacari.

Fruto da organização social das famílias ribeirinhas, esse modelo de proteção de lagos para a conservação dos recursos pesqueiros, por meio de estratégias participativas e muito envolvimento comunitário, tem gerado imensuráveis ganhos ambientais com a recuperação, reprodução e o aumento dos estoques das espécies em mais de 100 lagos preservados, contribuindo, assim, com a sustentabilidade da região.

Conforme dados do Memorial Chico Mendes (MCM), entidade de apoio técnico-operacional às comunidades extrativistas da Amazônia, localizada em Manaus, o manejo do pirarucu gera ocupação e renda para mais de 200 famílias, vinculadas a cerca de 20 organizações que integram a Rede do Médio e Baixo Juruá de Conservação dos Ecossistemas dos Lagos.

Ao mesmo tempo em que esse trabalho fortalece a participação e a organização comunitária, esse trabalho vem transformando realidades e melhorando a economia e a qualidade de vida das pessoas que vivem na floresta, por meio da produção sustentável sob a gestão das organizações comunitárias.  Dados da pesca de 2016 resultaram, segundo oMCM, em uma renda de cerca de R$ 450 mil reais, ou seja, cada família alcançou uma renda média de R$ 2.300,00.

Em 2017,o manejo produzirá 62 toneladas de pirarucu no Médio Juruá. Já no Baixo Juruá, serão produzidas 39 toneladas. Nos dois casos, toda a produção é fruto exclusivo do manejo de lagos protegidos pelas comunidades locais.

AGROUFAM: OPORTUNIDADE ÚNICA PARA A COMPRA DO PIRARUCU DE MANEJO 

A Feira da  Agricultura Familiar da Ufam,, a AGROUFAM, é uma oportunidade para vender diretamente à população consumidora de Manaus o pirarucu de manejo produzido pelas comunidades extrativistas.

Para a Associação dos Produtores Rurais de Carauari – ASPROC, que coordena a comercialização, a Feira amplia as possibilidades de mercado para este produto orgânico, originário da sociobiodiversidade da Amazônia, muito apreciado pelas pessoas da região, do Brasil e do mundo inteiro.

Além disso, estreita os circuitos de comercialização das comunidades com a população da capital, que poderá consumir o pirarucu orgânico, alimento saudável e regional, fruto do trabalho que alia a conservação do meio ambiente à geração de renda de forma sustentável para quem vive dos recursos naturais da floresta Amazônica.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

PIRARUCU DISPONÍVEL NA FEIRA DE AGRICULTURA FAMILIAR DA UFAM – AGROUFAM

O pirarucu manejado do rio Juruá e dos lagos do Médio e Baixo Juruá poderá ser comprado na Feira, conforme a seguinte tabela de preços. Confira:

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

INFORMAÇÕES

Para mais informações sobre o manejo e comercialização do pirarucu nos lagos do Médio e Baixo Juruá, entrar em contato com:

ASPROC 

 Rua Castelo Branco, 380 – Centro, CEP: 69500-000

Carauari-AM. Fone/Fax: (97) 3491-1023

E- mail: asproc.associacao@gmail.com

MEMORIAL CHICO MENDES 

Mensagens inbox para a página do Memorial Chico Mendes na Facebook

Memorial Chico Mendes   ou pelo telefone 92- 33074272.

 

SOBRE O PIRARUCU  

O pirarucu (Arapaima gigas) é um dos maiores peixes de água doce do Brasil.  Seu nome vem das palavras tupi: pirá, “peixe” e urucum, “vermelho”, devido à cor de sua cauda.

Pode atingir três metros e seu peso pode ir até 200 kg. É um peixe encontrado geralmente na bacia Amazônica, mais especificamente nas áreas de várzea, onde as águas são mais calmas.

Costuma viver em lagos e rios de águas claras e ligeiramente alcalinas com temperaturas que variam de 24 a 37 °C, não sendo encontrado em zona de fortes correntezas e águas ricas em sedimentos.

Conhecido como o bacalhau da Amazônia, o pirarucu é servido como componente principal em diversos pratos típicos do Amazonas, um desses pratos é o “Pirarucu à casaca” que é bastante servido em festejos juninos.

Sua carne é bastante apreciada no estado, onde é bastante requisitada. Além disso, partes de seu corpo, como sua escama, eram utilizadas no passado como lixas para unhas e outras utilidades.

Fonte:  https://pt.wikipedia.org/wiki/Pirarucu

 

A LENDA DO PIRARUCU 

Diz a lenda que Pirarucu era um jovem e bravo guerreiro indígena do povo Uiá que, mesmo sendo filho do chefe Pindarô, um homem bom e generoso, nasceu e se criou com um coração muito perverso.

Segundo o que se conta, Pirarucu não tinha jeito: vivia criticando os deuses e, quando seu pai descuidava, executava seus próprios irmãos de aldeia por razão nenhuma.

Cansado dos desatinos de Pirarucu, Tupã um dia convocou os poderes de Polo, o relâmpago, e de Iururaruaçu, a deusa das correntes, para puni-lo. Foi então que Pirarucu enfrentou a maior de todas as tempestades, quando pescava às margens do Rio Tocantins.

Pirarucu bem que tentou escapar, mas um relâmpago fulminante o atingiu no peito, e seu corpo, ainda vivo, foi levado para as profundezas do rio, onde se transformou no peixe que conhecemos hoje.

Fonte: https://www.xapuri.info/cultura/lenda-do-pirarucu/

Foto: GGN

 

ANOTE AÍ:

O texto desta matéria foi produzido por Zezé Weiss (Maria Jose Weiss) , da Xapuri Socioambiental (Xapuri Socioambiental), com base em release enviado pelo Memorial Chico Mendes. As fotos foram fornecidas pelo Memorial Chico Mendes.

 

 

 

 

MAIS FOTOS DO MANEJO DO PIRARUCU

 

About The Author

Zezé Weiss

Jornalista Socioambiental

Related Posts

Deixe uma resposta