Minha última conversa com Chico Mendes continua viva em minha memória. “É um quadro que, mesmo passadas mais de três décadas, continua tão vivo em minha mente que recentemente, ao voltar à casa do Chico Mendes, quando entrei na cozinha, onde ele estava quando conversamos, foi como se o tivesse visto. A dor foi lacerante…”

Por: Gomercindo Rodrigues

Era pouco mais de seis horas da tarde. Já havia escurecido. Cheguei de moto. Parei em frente ao casebre simples onde Chico Mendes morava. Entrei na casa de madeira, coberta com telhas de barro, dois quartos, uma pequena sala, a cozinha e um corredor ligando a sala à cozinha e passando em frente aos quartos. Ele estava na cozinha, jogando dominó com dois dos três policiais – um deles tinha ido ao quartel da PM para jantar – que haviam sido destacados para fazerem sua segurança. Ao me ver, alegre, disse:

Oh, “Goma” – que era como ele me chamava, enquanto os outros amigos chamavam-me de “Guma” – que bom que você chegou, assim vamos poder fazer uma “parceirada” para ganhar destes patos. Eu já estou ganhando sozinho.

Não, Chico, eu não sei jogar isso direito.

Ah, mas pra ganhar destes patos não precisa saber jogar direito. Senta aí, vamos jogar.

Não, Chico, eu não jogo nada a valer.

Ah, jogar sem ser a valer com estes patos não compensa. Senta aí, vamos jogar de parceiro.

Chico, eu estou preocupado com o que eu te disse ontem – eu dissera a Chico Mendes, que estava preocupado com o fato de não estar vendo os pistoleiros na cidade desde meu retorno a Xapuri no dia 13 de dezembro de 1988, ao que ele me respondera que naquele dia iria verificar a situação na cidade.

É, eu também não vi os caras…

Nesse momento, chegou a esposa de Chico Mendes e disse que gostaria de colocar o jantar, pois o capítulo da novela iria começar e ela queria assisti-lo, pois era o penúltimo da estória. Então o Chico disse: – vamos jantar comigo, “Goma”.

Eu inicialmente agradeci, pois sabia que ele tinha de fazer grande “ginástica” para conseguir ter comida em casa. Ele insistiu, pois sabia que naquele ano, não raro eu nada tinha para comer e nem dinheiro, pois não tinha salário, nem “projeto” que financiasse minha estada em Xapuri, que só era possível porque o Centro dos Trabalhadores da Amazônia – CTA custeava o aluguel e o telefone da casa onde eu morava, que funcionava como escritório da entidade. Dada sua insistência, respondi: – Vou dar uma volta pela cidade para ver se eu encontro os caras, porque eu estou muito preocupado.

bom, enquanto isso eu vou tomar um banho e te espero para jantar, mas vem mesmo.

bom.

Eu saí, montei na moto, circulei por Xapuri, passei em frente a todos os bares que os pistoleiros costumavam frequentar Estava tudo às moscas… Alguma coisa me apertava o peito, era uma indescritível angústia que já me acompanhava desde o dia 13 de dezembro, quando retornei da viagem que fiz ao Rio de Janeiro, onde no dia 7 de dezembro, substituindo Chico Mendes, proferi palestra na ABI (Associação Brasileira de Imprensa), promovida pela Campanha Nacional em Defesa e pelo Desenvolvimento da Amazônia – CNDDA.

Quando retornei da viagem alguma coisa havia mudado: todos os dias, quando eu abria a janela da minha casa, havia dois pistoleiros postados na praça em frente, desde abril de 1988. Também costumavam ficar dois em frente ao Sindicato dos Trabalhadores Rurais e dois circulando pela cidade. Quando voltei os pistoleiros haviam sumido de Xapuri. Isso era estranho, muito estranho…

Após o rápido diálogo com Chico Mendes, saí de moto… levei entre cinco e dez minutos para retornar à casa de Chico. Quando fui chegando, sua esposa saiu gritando: “Guma, atiraram no Chico!”

Olhei para trás… Na calçada da Delegacia de Polícia, a cerca de 50 (isso mesmo, cinquenta) metros, vários policiais parados. Gritei: – seus filhos da puta, não vão fazer nada não?

Nesse momento o Pedro Rocha, compadre do Chico gritou: – a gente precisa de um carro que ele está ferido!

Na esperança de que ele pudesse ser salvo, funcionei a moto, da qual eu nem descera, e dirigi-me à agência do Banco da Amazônia, onde eu passara pouco antes e vira que o pessoal estava trabalhando. Cheguei lá e gritei da janela: – Andrias, a gente precisa de um carro, porque atiraram no Chico!

O Andrias, gerente do banco, saiu correndo, pegou o seu “Escort” e foi direto à casa do Chico. Quando chegamos lá, ele já estava sendo embarcado num caminhãozinho que passava. Perguntei ao Pedro Rocha: “- como ele está? ” O compadre do Chico respondeu:

  • Ah… morto… Mas não afirmou “ morto! ” Deixou no ar, fez pensar que ele não estava morto, que havia uma esperança. Fui ao hospital. Como eu estava de bermuda não me deixaram entrar.

Pensei: – mas que adianta, eu não sou médico. Aqui eu não ajudo nada. Vou fazer alguma coisa onde eu posso ajudar. Fui pra casa. Comecei a telefonar. Liguei para alguns amigos em Rio Branco, Brasília, Rio de Janeiro…

A primeira reação era de incredulidade, todos diziam que não se podia brincar com uma coisa séria e, quando sentiam que era sério, porque eu estava chorando ao telefone, perguntavam se ele estava morto. Eu respondia que era “de muito grave para morto”, pois eu não tinha a informação definitiva.

Entre os primeiros telefonemas que fiz, um foi para uma pessoa que não era amiga: o superintendente da Polícia Federal no Acre naquela época, o Delegado Mauro Spósito. Ele não estava. Deixei recado em meu nome e pedi que lhe dissessem que tinham conseguido pegar Chico Mendes.

Fiz isso porque tinha, como tenho até hoje, enorme suspeita de que o delegado sabia de “algo mais” a respeito dessa morte. O que eu não consegui até agora foi qualquer prova disso. Aliás, depois desse telefonema para a Polícia Federal, coincidentemente, o meu telefone ficou mudo. Passei a fazer as ligações do posto telefônico da TELEACRE em Xapuri.

Fui, novamente ao hospital… Entrei … vi o Chico Mendes estendido sobre uma maca… Ele estava morto… Voltei, fiz novas ligações, confirmando a morte … Começamos a tratar da questão da necropsia, embalsamamento etc.

Uma raiva surda me consumia. Peguei o revólver (um 22, sete tiros) que eu raramente usara. Na cidade, portara-o apenas uma vez: quando mataram o Ivair Igino, dia 18 de junho de 1988, seis meses antes.

Naquele dia eu o portei e estava armado quando dois dos pistoleiros do Darli, entre eles o Darci, que depois atiraria no Chico Mendes, entrou no Salão Paroquial, onde o corpo do Ivair estava sendo velado. Eles entraram, acho que para mostrar que eram “machos”, mas não tiveram coragem de descobrir o corpo do companheiro.

Depois da morte de Chico Mendes, por algum tempo, quando a situação de tensão extrema ainda permaneceu, andei armado, com porte de arma. Então, descobri que isso era uma grande ilusão, pois a gente nunca tem tempo de usar uma arma quando é atacado numa tocaia ou de surpresa e, ademais, eu não sou um pistoleiro. Hoje sou defensor convicto e ferrenho do desarmamento e da proibição da fabricação e comercialização de armas.

Naquele fatídico dia 22 de dezembro, quando vi o corpo de Chico Mendes, peguei o revólver, coloquei-o numa bolsa a tiracolo com mais duas cargas de balas e, confesso, torci para encontrar qualquer um dos pistoleiros do Darli. Acho que eu poderia morrer, mas não tenho dúvidas de que dispararia quantos tiros me fosse possível no pistoleiro (talvez nenhum!) Mas eles não estavam na cidade. Tudo fora adredemente planejado.

Enquanto aguardávamos resolver as “questões legais”, eu estava em frente à casa de Chico Mendes quando, por volta das 20:30 horas, chegou um veículo Gol branco, desceu uma pessoa e começou a fotografar a casa. Perguntei quem era, respondeu-me que era jornalista, do jornal “O Rio Branco”. Mesmo sem raciocinar muito, perguntei: “- já? ”.

Neste ponto, é importante informar, para quem não sabe, que Xapuri está distante de Rio Branco 188 Km e, naquela época, apenas parte da rodovia era asfaltada, mas, neste trecho, extremamente esburacada. Outra parte era em estrada de terra que, com o “inverno amazônico” (época das chuvas na região) ficava com tráfego muito difícil.

Era a situação naquela noite: a parte de terra estava com muita lama e o tempo médio que se gastava para ir de Rio Branco a Xapuri, de dia, era em torno de três horas e meia a quatro horas, quando era possível trafegar e, muitas vezes, somente com veículo com tração nas quatro rodas. À noite, o tempo gasto era, normalmente, muito maior…

Assim, essa história – a da “rapidez” do jornal “O Rio Branco” – não está explicada até hoje… E quanto mais tentam explicá-la, mais ela fica confusa para o dito jornal e seus proprietários… Estranhamente o fato nunca foi devidamente investigado por quem de direito, embora o crime não esteja prescrito.

Por volta das 22 horas, fomos informados de que os médicos do Instituto Médico Legal não iriam de Rio Branco para Xapuri. Se quiséssemos que o corpo fosse necropsiado e embalsamado pelo pessoal do IML, deveríamos providenciar o deslocamento do corpo para Rio Branco. Eu fiquei em Xapuri.

Foi a noite mais longa da minha vida, pois eu não consegui “pregar o olho” e por volta das 5 horas da manhã do dia 23 o telefone começou a tocar. Eram ligações de Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo, por causa do fuso horário (duas horas para mais, em relação ao Acre), querendo maiores informações. O corpo saiu de lá na ambulância do Hospital por volta da meia-noite.

 


Gomercindo Rodrigues -Advogado e amigo de Chico Mendes. Este texto faz parte do E-Book “Caminhando na Floresta”, disponível na Loja Solidária da Xapuri Socioambiental. O livro relata a experiência do autor com luta dos seringueiros do Acre nos tempos de Chico Mendes. Imperdível


 


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia.GRATIDÃO!

Caminhando na Floresta


E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.

COMPRE AQUI

Caminhando na Floresta

 

 


 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: