Nos caminhos do tempo: Catarina e Félix

Tem dia é muito bom de ver, está bem azul o mar”.  (Catarina Kerexu, entrevista a Tupã Ra´y. 2017)

Quem assiste o documentário “Caminhos do Tempo” de Alberto Alvares Tupã Ra´y não pode deixar de admirar dona Catarina Kerexu e seu esposo Félix Karai Mirim, herdeiros da sabedoria guarani. O cineasta grava o relato da longa caminhada da família e de seus filhos, netos e bisnetos, que saem do Rio Grande do Sul, com paradas em aldeias de cinco estados, até chegar em Itaipuaçu, Maricá (RJ). Está tudo lá: o nascer da aldeia, a construção da casa de reza e da escola, a religião, a roça, a culinária, a música, a alegria das crianças, o mar azul, a aurora, o pôr do sol, a visão de mundo dos Guarani.

Por José Ribamar Bessa Freire/TaQuiPraTi

A primeira vez que ouvi falar de dona Catarina e do txeramoi Félix foi em 2004 no Curso de Formação de Professores Guarani em Governador Celso Ramos (SC), quando elaboramos o guia de fontes orais para identificar as pessoas sábias de cada aldeia onde viviam os alunos. Geovane Tataendy Gonçalves, o filho, preparava monografia sobre ervas medicinais e Vanderlei Weraxunu da Silva, o genro, um estudo comparativo entre a língua guarani antiga e a atual, ambos com dupla orientação: na academia, a do professor e, na aldeia, a de Félix e Catarina, cujos saberes ancestrais percorreram vários tekoas: Iguaporã (RS), Marangatu, Itaty e Pindoty (SC), Pakuri´ty (SP) e Tekoa Porã (ES).

Foi de lá, da aldeia do Espírito Santo, que o Karai Felix me telefonou várias vezes em busca de uma terra boa e tranquila para viver de acordo com o “nhanderekó” – o jeito de ser guarani. Ele ouvira falar da fazenda abandonada Campos Novos, em Cabo Frio, que havia pertencido aos jesuítas, cujo cemitério indígena guarda um pedaço da história de povos tupi-guarani. A pesquisadora do Pro-Índio da UERJ Valéria Silva foi até lá, mas o lugar já estava ocupado pelos sem-terra e quilombolas. Continuamos a busca por alternativas e encontramos outro lugar que tinha um céu azul anil.

Céu Azul

Era um sítio localizado na fronteira com o Parque Estadual Serra da Tiririca, na região conhecida como Barra da Saia, em Maricá, posse de três amigos, um deles Eduardo Kaujorge, funcionário da Funai. Eles decidiram doá-lo a Alberto Alvares que propôs compartilhá-lo com Félix e Catarina. O casal se deslocou, então, de mala e cuia para lá com toda a família e ali nasceu uma nova aldeia guarani. A doação foi sacramentada no dia 22 de janeiro de 2014, em uma reunião com várias entidades – Uerj, Projeto Saberes Indígenas na Escola, Museu do Índio – conforme ata guardada nos arquivos do Pro-Índio.  Estava criada a Tekoa Ara Owy (Aldeia Céu Azul).

Alberto, que é também professor de guarani na Universidade Federal Fluminense, fez o documentário de 35 minutos, todo ele falado em língua guarani e legendado em português. Começa com imagens de rara beleza do amanhecer na Serra da Tiririca. Um galo canta. A câmara se desloca para Félix que, sentado debaixo de uma árvore, relata a longa caminhada até chegar a Céu Azul:

– “Nós, Guarani Mbya sempre nos alegramos ao ver a mata perto do mar. Tudo isso nos traz saúde”.

Cenas mostram jovens, mulheres e crianças que erguem a aldeia em um mutirão sem derrubar uma única árvore.

– “A mata tem seus guardiães. Nós, Mbyá, cuidamos da mata. Os brancos pegaram toda a mata bonita. Por isso, já não vivemos como antes, mas a gente luta para manter o nosso modo de ser, o nhanderekó”.

Os Guarani tiram leite de pedra. Depois de percorrer o terreno pedregoso e ruim para plantação, a câmara entra com Félix no milharal. Ele fala do milho sagrado e explica sua importância para o povo guarani.   

– “Se chover, vai ter milho” – diz.

continua depois da propaganda

Choveu. Teve milho. “Se tiver pilão, nós socamos o milho para fazer maimbe – explica Dona Catarina, enquanto prepara xipá, o pão guarani. É ela que ocupa a parte final do documentário, contando as suas sabedorias.

A parteira

Muitas crianças das aldeias por onde passou nasceram com a ajuda da experiência da parteira Catarina. Na entrevista, ela fala dos netos:

– Estou muito feliz aqui. Depois de morar no Espírito Santo, viemos pra cá porque lá tinha pouca mata e poucas plantas. Meus netos se sentem bem aqui, a cada dia acordamos e amanhecemos bem. Ninguém adoece, as crianças estão com saúde – diz com um riso alegre e expressivo, explicando que Nhanderu iluminou o caminho até a aldeia “para alegrar o nosso espíritoPor isso nós viemos na caminhada em direção ao nascer do sol. A nossa alma gosta mais de viver onde o sol nasce”.

Mas os problemas começaram. Um incêndio, talvez de origem criminosa, devorou uma casa onde se encontravam os instrumentos musicais, que foram repostos com ajuda de amigos de fora. A casa foi reconstruída com o trabalho de todos. Enquanto amarrava os bambus, Félix explicou que tinham de ser retirados na fase certa da lua para evitar o cupim. Construíram ainda um banheiro com tratamento ecológico e a moradia de Vanderley Weraxuni, sua esposa e os seis filhos.  

Nasceu, em setembro de 2016, a primeira criança da Tekoa Ara Owy, Eduardo, bisneto de Felix e Catarina. A aldeia se prepara para o Nhemongaraí, a cerimônia de batismo na Opy – A Casa de Reza, quando receberá de Nhamandu o seu nome guarani.

continua depois da propaganda

Numa reunião na sala do Programa de Estudos dos Povos Indígenas da Uerj, que contou com a presença do casal Felix e Catarina, a então secretária de Educação de Maricá apresentou o currículo e um projeto para formar professores. O txeramoi escutou tudo com atenção e deu o xeque-mate:

– Envie a merenda escolar e as carteiras, pague o salário dos professores, o resto cuidamos nós. Sabemos o que devemos ensinar às crianças.

Arandu: os saberes

O nascimento e a infância na aldeia são ocasiões para discutir o parto e o corpo da mulher como lugar de conhecimento e como território – explica a antropóloga guarani Sandra Benites em sua dissertação de mestrado. Dessa forma, dona Catarina herdou da avó o Arandu – os saberes repassados através das narrativas orais para evitar desacertos na educação e na saúde das crianças, cuidando para que não fiquem deprimidas e assustadas causadas pelo nhe’ẽ mondyi. O espírito assustado traz nhemirõ, ou seja, tristeza e depressão, a ponto de a criança querer voltar para o amba dela, que é a morada celeste. 

As histórias de Nhandesy Eté – figura feminina da cosmologia guarani – eram bem conhecidas de dona Catarina, para quem a saúde das crianças depende do bem estar da mãe. Mães com problemas psicológicos, estressadas, tristes, vivendo na correria, pressionadas, certamente ficarão poxy, ou seja, revoltadas, impacientes e, na maioria das vezes, transferem para os filhos esses sentimentos. O que a mãe está sentindo, seu filho também sente. Isso tem a ver com a caminhada de Nhandesy na terra. Para educar, é preciso estar guapy – calma, tranquila.

Sandra Benites, que era amiga de dona Catarina, diz que as narrativas de Nhandesy Eté (Nossa Mãe verdadeira) funcionam como uma espécie de arquivo vivo da sabedoria das mulheres dentro da organização social guarani.

continua depois da propaganda

O adeus

Assim que começaram as medidas mais restritivas contra a covid, no ano passado, dona Catarina retornou ao Espírito Santo. Foi internada na UTI com o coronavírus e nesta quinta (22) seu filho Geovane informou:

– Perdi minha mãe pra esse maldito vírus criado pelo homem branco.

Perdemos dona Catarina, uma das 540 mil pessoas que morreram de covid no Brasil. O governo do gângster, na expressão de Spike Lee, buscava propina em vez de vacina e vetou até água potável aos indígenas.

– Que a justiça seja feita. Que essa gente ruim que matou sem dó os mais frágeis, que roubou e violou os povos ancestrais, paguem caro por seus feitos – postou Alexandra Moreira nas redes sociais.

Ficam aqui as nossas homenagens a essa sábia guarani, dona de um sorriso encantador e de uma alegria de viver, que deixa saudades. Não foi em vão sua passagem pelo planeta.  Ao txeramoi Felix e à sua descendência fica a certeza de que ela foi acolhida por Nhanderu num dia em que o azul intenso dominava o céu e o mar.

continua depois da propaganda

P.S. 1 – Fotos de Alberto Alvares retiradas do filme “Caminhos de tempo” (2017, 35 minutos) com trilha sonora do Grupo Ara Owy (Céu Azul), produzido pelo projeto Saberes Indígenas na Escola (SIE), coordenação geral de Ana Maria Rebelo (UFMG) e coordenação no Rio de José R. Bessa Freire (UERJ).

P.S.2 – Sandra Benites: “Viver na língua Guarani Nhandewa: mulher falando”. Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social (PPGAS) – Museu Nacional. Universidade Federal do Rio de Janeiro. 2018 sob a orientação de Bruna Franchetto.

P.S.3 – Ver também Emerson José Gonçalves: O saber compartilhado na Filosofia: Cosmovisão Guarani Mbyá e a formação em educação ambiental. Dissertação de Mestrado. Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro. 2017, sob orientação de Mauro Guimarães.


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!


E-Book A Verdade Vencerá – Luiz Inácio Lula da Silva

Em entrevista aos jornalistas Juca Kfouri e Maria Inês Nassif, Lula expressa sua indignação com o massacre sofrido ante a farsa da Lava Jato. Imperdível!
COMPRE AQUI

continua depois da propaganda
continua depois da propaganda