Anúncios

Dois novos fósseis de dinossauros foram encontrados no sítio arqueológico de Buriol, em São João do Polêsine, na região central do Rio Grande do Sul. Os achados são de 2009-2010, anunciou no dia 10 de novembro o grupo de pesquisadores responsável pela pesquisa.

A descoberta também foi publicada na revista científica norte-americana Current Biology. “Esses fósseis brasileiros trazem um novo cenário evolucionário para o início da irradiação dos dinossauros e abrem espaço para novas e desafiadoras questões”, afirmou Sérgio Furtado, professor da Ulbra.

Segundo Furtado, a qualidade do material fóssil é raramente encontrada e pode ser considerada um achado, já que traz informações fundamentais para o entendimento da origem e evolução dos dinossauros. “Com esse material, é possível dizer que os dinossauros e seus precursores viveram lado a lado , e que a ascensão dos dinossauros foi mais gradual, não uma rápida explosão de diversidade, levando outros animais da época à extinção”, completou Max Langer, paleontólogo da USP.

 OS NOMES DOS DINOS
Batizados como Buriolestes schultzi e Ixalerpeton polesinensis, o animais pré-históricos são do período Triássico, ou seja, de mais de 320 milhões de anos. Segundo os pesquisadores, Buriolestes é uma homenagem a sítio Buriol, onde os fósseis  foram encontrados.  Significa ” corredor ou ladrão, ou raptor ou caçador do sítio buriol”. Schultzi é uma homenagem ao pesquisador Sérgio Leandro Schultzi, do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Já Ixalerpeton  significa lagarto, saltador de ossos brancos. O nome teria sido escolhido porque o fóssil encontrado é de  “um animalzinho pequeno e pela sua estrutura óssea seria um saltador, muito ágil”.  Polesinensis  homenageia referência a cidade de São João do Polêsine.

TRABALHO CONUNTO PARA ENCONTRAR OS DINOS

Conforme matéria do site G1, o trabalho foi desenvolvido por um grupo de pesquisadores brasileiros de diversas universidades do Brasil: A Ulbra (Cachoeira do Sul e Canoas),  a USP (Ribeirão Preto) , a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), o Centro Universitário La Salle (Unilasalle Canoas, RS), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense (IFC Concórdia, SC), a Universidade e Coleção do Estado da Baviera para a Paleontologia e Geologia, Munique, Alemanha; e a Escola de Geografia, Ciências da Terra e Ambientais da Universidade de Birmingham, da Inglaterra.

Fonte dos conteúdos originários desta matéria: Agência Brasil

Anúncios

Comentários