Dois novos fósseis de dinossauros foram encontrados no sítio arqueológico de Buriol, em São João do Polêsine, na região central do Rio Grande do Sul. Os achados são de 2009-2010, anunciou no dia 10 de novembro o grupo de pesquisadores responsável pela pesquisa.

A descoberta também foi publicada na revista científica norte-americana Current Biology. “Esses fósseis brasileiros trazem um novo cenário evolucionário para o início da irradiação dos dinossauros e abrem espaço para novas e desafiadoras questões”, afirmou Sérgio Furtado, professor da Ulbra.

Segundo Furtado, a qualidade do material fóssil é raramente encontrada e pode ser considerada um achado, já que traz informações fundamentais para o entendimento da origem e evolução dos dinossauros. “Com esse material, é possível dizer que os dinossauros e seus precursores viveram lado a lado , e que a ascensão dos dinossauros foi mais gradual, não uma rápida explosão de diversidade, levando outros animais da época à extinção”, completou Max Langer, paleontólogo da USP.

 OS NOMES DOS DINOS
Batizados como Buriolestes schultzi e Ixalerpeton polesinensis, o animais pré-históricos são do período Triássico, ou seja, de mais de 320 milhões de anos. Segundo os pesquisadores, Buriolestes é uma homenagem a sítio Buriol, onde os fósseis  foram encontrados.  Significa ” corredor ou ladrão, ou raptor ou caçador do sítio buriol”. Schultzi é uma homenagem ao pesquisador Sérgio Leandro Schultzi, do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS). Já Ixalerpeton  significa lagarto, saltador de ossos brancos. O nome teria sido escolhido porque o fóssil encontrado é de  “um animalzinho pequeno e pela sua estrutura óssea seria um saltador, muito ágil”.  Polesinensis  homenageia referência a cidade de São João do Polêsine.

TRABALHO CONUNTO PARA ENCONTRAR OS DINOS

Conforme matéria do site G1, o trabalho foi desenvolvido por um grupo de pesquisadores brasileiros de diversas universidades do Brasil: A Ulbra (Cachoeira do Sul e Canoas),  a USP (Ribeirão Preto) , a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), o Centro Universitário La Salle (Unilasalle Canoas, RS), Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense (IFC Concórdia, SC), a Universidade e Coleção do Estado da Baviera para a Paleontologia e Geologia, Munique, Alemanha; e a Escola de Geografia, Ciências da Terra e Ambientais da Universidade de Birmingham, da Inglaterra.

Fonte dos conteúdos originários desta matéria: Agência Brasil

Deixe uma resposta