Seu Espedito: Artesão e Mestre Seleiro

Seu Espedito

Tem gente que chega lá em casa, aí diz: Mas, seu

Espedito, por que que toda peça sua tem um coração?

Digo: porque eu faço de todo coração, né?”

Espedito Seleiro

Seleiro desde menino, Seu Espedito, nascido em 1939, em Arneiroz, no interior do Ceará, aprendeu o ofício com o pai, aos oito anos, confeccionando selas e outros equipamentos para vaqueiros, tropeiros e cangaceiros.

Do pai, falecido muito moço, herdou algumas ferramentas de ofício e a responsabilidade de sustentar a mãe e seus nove irmãos menores. Ali onde viviam, na Chapada do Araripe, no extremo sul do Ceará, em Nova Olinda, cidade localizada a 543 quilômetros de Fortaleza, seu Espedito tornou-se exímio produtor de selas.

No início dos anos 1980, Seu Espedito teve que reinventar seu ofício, porque a profissão de vaqueiro entrou em queda, devido a uma profunda crise na pecuária, causada pela mais longa estiagem do século XX, que assolou o Ceará por longos cinco anos, entre 1979 e 1984.

Espedito Seleiro passou a fazer outras peças em couro, como sandálias e bolsas, e passou a usar cores. Tornou-se investigador de pigmentos naturais e técnicas de tingimento. Descobriu o angico que tinge de marrom, o urucum que traz o vermelho, a cinza da capimbeira, que colore de branco. Com o tempo, criou sua própria estética, com cores e desenhos únicos, resultado da influência cigana, povo que admira e que, quando novo, o fascinava pelas vestimentas e adornos.

Para não deixar morrer o conhecimento que vinha sendo passado desde seu tataravô, ensinou o ofício aos irmãos, depois aos fi lhos e, mais recentemente, aos netos. Fundou também a Oficina-Escola Espedito Seleiro que, além das técnicas do ofício, cria, entre jovens do Cariri, a compreensão de que esse saber-fazer é parte de uma cultura, de um modo de ser que está vivo e que deve seguir vivendo dentro de cada jovem do sertão.

Hoje, Seu Espedito produz calçados, bolsas, chapéus, carteiras, bancos, poltronas, além das selas, gibões e outros elementos da cultura vaqueira. Tudo artesanal, feito com couro de cabra, pelica e camurça compradas em diversas cidades do Nordeste. Suas peças são vendidas em outros estados e exportadas para outros países. Alguns produtos se destacam como muito característicos do mestre artesão, como é o caso das sandálias de Lampião e de Maria Bonita.

A confecção das sandálias foi inspirada por uma passagem da história do seu pai. Um dia, um cliente chegou com o desenho de uma sandália “quadrada” que encomendou do pai de Espedito. Alguns dias depois, quando voltou para pegar a encomenda, aprovou a sandália e revelou ser cangaceiro do bando do Capitão Virgulino. A sandália com o formato quadrado tinha uma função bem prática para o bando por despistar os rastros deixados pelos calçados nas areias do sertão.

Anos depois, a pedido do músico Alemberg Quindins, idealizador da Fundação Casa Grande – Memorial do Homem Kariri, Espedito confeccionou uma sandália igual à de Lampião. Logo em seguida, criou também a sandália de Maria bonita.

Mestre da cultura, reconhecido oficialmente pelo Governo do Estado do Ceará e pelo Ministério da Cultura, Seu Espedito recebeu também o título de Notório Saber pela Universidade Estadual do Ceará (UECE) em 2017. É com essa bagagem que seu Espedito parte para sua primeira exposição internacional.

Suas peças serão expostas na Embaixada do Brasil em Londres, na Inglaterra, entre os dias 15 e 22 de fevereiro. A exposição é promovida pelo Serviço de Aprendizagem Nacional (Senac) do Ceará. O livro “Meu Coração Coroado”, uma biografia do artesão e Mestre da Cultura, produzido por Eduardo Motta, também fará parte da exposição.

Seu Espedito

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: