Por Herlon Miguel

Contrapondo o “senso comum” de que o movimento negro é dividido, surge um espectro de ampla unidade. A campanha denomina-se: Eu quero Ela. Campanha que se remete à busca de um nome negro/a para disputar o governo da cidade de Salvador.No final do século XVIII (1798-1799), na então Capitania da Bahia, houve um movimento de emancipação chamado: Conjuração Baiana, Revolta dos Alfaiates ou Revolta dos Búzios. Defendiam a independência e o fim da escravidão. Lutavam por um governo republicano e democrático. A revolta teve a participação de pessoas, como sapateiros, ex-escravos, escravos e, obviamente, alfaiates.

A Conjuração Baiana teve grande influência da Revolução Francesa, além de alguns exemplos de independência, como Estados Unidos e Haiti, junto com a Inconfidência em Minas Gerais. O movimento foi esmagado pela sanha e força das elites, que prendeu, torturou e matou alguns líderes revoltosos. Alguns dos heróis foram Manoel Faustino, João de Deus, Lucas Dantas e Luís Gonzaga, todos foram enforcados na Praça da Piedade, em Salvador.

Como essa história se relaciona com o momento atual? Perceba. Em 12 de agosto de 1798, o movimento (revoltosos de búzios) distribuiu panfletos na porta das igrejas e colou nas esquinas da cidade. Esse foi o primeiro ato público da revolta. Para alguns, nada na vida é coincidência. Trazendo para os nossos dias, haverá, no dia 09 de Agosto de 2019, o seminário: Porque Queremos Ela – Salvador Cidade Negra.

O seminário gera um “frisson” na cidade. A mídia tradicional e alternativa tem evidenciado a força do movimento. A campanha tem unidade do movimento negro, lideranças políticas, movimentos de cultura e blocos afros. Todos unificados sob a pauta de eleger um prefeita/o negra/o para Salvador. Nos dias de hoje, os panfletos revolucionários mudaram, mas a motivação é a mesma: a liberdade, a participação e o poder para o povo negro.

Ouvi do Presidente do Olodum, João Jorge, que disse “É a nova conjuração soteropolitana”. Ele afirma ser um, de vários, do movimento – Eu quero Ela. Além disso, ele alcunhou a expressão: “esse é um momento plebiscitário, onde teremos que dizer, de verdade, que tipo de prefeito queremos para Salvador”.

Existem novos heróis e heroínas no momento atual. Mesmo percebendo que os “novos revoltosos” não querem que a disputa pela hegemonia da campanha enfraqueça-a. Mesmo assim, percebe-se que o ápice desse processo organizativo partiu de reuniões que acontecem na autointitulada “bancada do feijão” em reuniões feitas às terças, no restaurante Alaíde do Feijão. Os nomes colocados são vários, tais como, Vilma Reis, Vovô do ilê, Silvio Humberto, Valmir Assunção, Olívia Santana, dentre outros.

A atual coordenadora nacional do MNU (principal organização negra do Brasil), Iêda leal, defendeu: “É fundamental a participação de mulheres negras e homens negros nas tarefas políticas. A presença negra nos espaços de poder real – tendo como meta a luta para transformar as desigualdades estruturais que moldaram nossa sociedade – é inadiável, especiamente nessa dura realidade.

Mas para isso é preciso que os partidos revistam-se, de verdade, da luta antirracista e garantam as condições políticas para que lideranças negras possam disputar as eleições.”

O paralelo da conjuração soteropolitana com a conjuração baiana é enorme. Na Revolta de Búzios, a população se encontrava em um nível muito grande de insatisfação. Salvador deixava de ser capital, sendo substituída pela cidade do Rio de Janeiro.

Os impostos aumentaram, os investimentos diminuíram e, como de praxe, a população foi penalizada. No momento atual, há uma diminuição de direitos, ocasionada pelo governo federal, aumento do desemprego nas capitais. Além do motivo óbvio, Salvador é a capital mais negra do Brasil e os novos insurgentes acham que esse fenômeno (os problemas sociais e raciais) será atenuada com um gestor que sinta, perceba e conheça as dificuldades da realidade negra soteropolitana.

Essa quadra é histórica. Tal quanto na Revolta dos Búzios? Não sabemos. Mas o desenrolar depende da conjuntura, da tática e da unidade política. De certo, colheremos bons frutos e, no limite, exporemos o racismo na política, amplificaremos a potência de lideranças negras e debateremos com a população de Salvador.

**Texto extraído de uma entrevista feita com João Jorge (presidente do Olodum)

***Agradecemos a coordenação nacional do MNU

Herlon Miguel é administrador, especialista em Comunicação estrategica e mestrando em Gestão de Tecnologia aplicada à educação. Foi Coordenador Nacional de Organização do MNU da Gestão 2015-2017.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Leave a Reply

Your email address will not be published.