Por Jairo Lima

“Não precisam compartilhar este texto não, certamente ninguém dará atenção mesmo, é difícil concorrer com o político louco e a cacatua… cara, essa cacatua é sinistra…”

Estamos de saco cheio ou só estamos ficando insensíveis???

Hoje acordei pensando em coisas positivas e importantes. Será estranho isso?

Digo isso porque, ao que parece, o mundo anda às turras com a positividade. Parece que estamos cercados de uma negatividade horripilante, que nos deixa com aquela sensação desagradável, igual a aquela quintura que sentimos no auge do verão amazônico, quando a umidade se une com o calor e nos amuquinha lentamente.

Fazia um bom tempo que não me dedicava a observar minhas redes sociais, tendo me limitando, nos últimos meses a uma postagem ou outra, de coisas mais ou menos importantes, que ninguém nem visualiza, certamente e, a outras tantas postagens totalmente inúteis do ponto de vista prático, que igualmente foi devidamente ignorado pelo grupo heterogêneo e, em grande parte, desconhecido de ‘amigos’ que eu adicionei à lista de minhas redes. Claro que muitos não tive o prazer de conhecer pessoalmente, outros que não sei por que adicionei e um bocado que realmente me pergunto como me acharam nesse universo infinito de possibilidades de amizades.

Descobri um canal no YouTube bastante interessante, que traz uma interessante experiência musical, onde faz-se arranjos alternativos para músicas bem conhecidas dos anos oitenta a atualidade e, enquanto o escuto nesse momento, fico matutando sobre essa coisa estranha de ter acordado com pensamentos positivos, e como estes enfraquecem ao longo do dia, principalmente quando os expomos a leitura das notícias diárias ou, pior, quando nos aventuramos à navegação social de nossa atual existência virtual e…. BUM!!!!!!

Acabei de perceber que não estou falando de índios ou de alguma coisa ligada à cultura indígena!!! Nossa!!! Certamente perdi a atenção de alguns que aguentaram até aqui essa leitura. Mas prometo que em algum lugar desse texto pode ser que encontremos alguma ponte com esse tema que, não sei por que, parece ser a única coisa que ainda prende a atenção de alguns poucos e, em outros casos, quando resolvo chutar o ‘pau-da-barraca’ suscita o interesse de muitos. Vamos lá…. firmeza.

Retomo o pensamento inicial refletindo se por acaso não estamos simplesmente de saco cheio de tanta positividade ou informações relevantes, que nos fazem passar adiante para postagens mais interessantes como as de pets (adoro), ou de memes (que tenho uma dificuldade enorme de entender às vezes) ou, ainda, de pessoas que fazem do proselitismo político e da violência verborrágica um estilo de vida. Será que estamos sendo sufocados por tanta coisa relevante, que simplesmente preferimos desviar nosso foco para o ‘buraco de avestruz’ da percepção sensorial que nos escraviza?

Recebo uma foto no meu zap… é minha esposa posando com meus queridos ‘parentes’ Shanenawa, durante um importante evento voltado a educação escolar indígena que está sendo realizado na aldeia Morada Nova, Terra Indígena Katukina/Kaxinawá, no distante e pequeno município de Feijó-Acre, banhado pelo rio Envira.

Bonita imagem, evento muito relevante. Penso em escrever sobre isso… pra que? Boa pergunta. Talvez para registrá-lo nos anais da história literária da minha vida? Afinal, é algo importante. Blupiiii… o zapweb me alerta para algo. Olho… é o mais novo vídeo de divulgação da 3ª Conferência Indígena da Ayahausca onde um jovem bem ‘apessoado’, Bem Meeus, nos fala sobre a importância desse evento, em mais um material visual de promoção.

Tuinplin…..!Soa o alerta sonoro do Facebook para algo postado…. vou lá! Nos fones de ouvido ouço uma versão em jazz para a música NothingElseMatters. Olho a postagem… é o amigo TashkaYawanawá sendo marcado em um importante evento em Nova York onde a imagem o mostra caminhando nas ruas, em uma grande manifestação pelo clima: Today Religions for Peace Internationaltookpart in theClimateMarchof New York – É a mensagem estampada na mensagem. Sim, é algo importante e relevante, fico lendo as postagens e mando uma mensagem para ele, acertando um papo para a próxima semana quando ele voltar dos Estados Unidos.

Uma melodia ecoa nos meus ouvidos. Que lindo! Uma versão ‘anos de 1912’ da canção Girls Just WannaHaveFun: Chego em casa com o nascer do sol, minha mãe diz: Quando é que você vai viver sua vida direito?–É a mensagem cheia de melodia que me invade a percepção… Blupiiii…o zap chama… olho… Pukeshaya Shanenawa me dá boa tarde e iniciamos um papo interessante, cheio de informações sobre a conferência da ayahuasca. Blupiiii… Francisco Piyãko chama, informando que está gravando o vídeo para divulgação da ocnferência… Blupiiii…Xiti Nukini manda uma mensagem informando que vai sim na conferência… Blupiiii…DaiaraTukano manda um excelente vídeo para divulgação da conferência. BlupiiiiBlupiiiiBlupiiiiBlupiiii… A coisa engatou agora… o zap não para….Blupiiii

Ainda no mesmo canal do YouTube ouvindo e escrevendo…. tanananarãããã é o som esquisito do meu celular me avisando que estão me ligando. Olho, e um nome brilha na tela: Benki Ashaninka. Opa, preciso atender: Oi shere… beleza??? – E inicia-se um papo sobre a construção dos espaços no Instituto YorenkaTasorentsi, para receber a conferência indígena da ayahuasca.

BlupiiiiBlupiiii…!Tuinplin…..!Tuinplin…..!Tuinplin…..!…. tanananarãããã! …. tanananarãããã!…. tanananarãããã! BlupiiiiBlupiiii…!!! – O mundo de sons da existência virtual me preenchem a audição  juntamente com a melodia de mais uma canção. Coisas importantes acontecendo no ‘mundo indígena’, e eu sendo puxado para ele. Posto algo importante no Facebook. Ninguém vê, normal, afinal é algo importante.

Na timeline, logo abaixo de minha postagem, vejo que compartilharam uma cena horrível, de uma pessoa espancada… 75 comentários, seguida de outra postagem de uma cacatua se escondendo numa caixa, que lindo! Milhares de ‘curti’ e 98 comentários… Outra postagem: DaiaraTukano aparece enorme e brilhante na tela, ela vai fazer uma palestra. Segue mais uma postagem, agora a respeito de um político muito em voga ultimamente, com seu jeito truculento e surreal gera uma rusga terrível entre os comentários…. Outra postagem, agora sobre um movimento em prol da proteção ambiental e o uso de plásticos, zero comentários, doze ‘curti’.

Creio que o mundo, e todos estão de saco cheio de coisa que importam ou são relevantes, com certeza. Não os culpo, afinal o mundo que nos cerca não nos dá muita opção mesmo.

Mas, quer saber? Vou continuar na irrelevância e ‘desimportância’ do que realmente é importante, acho melhor, afinal, depois que me encantei com o colorido e plural ‘mundo indígena’ fui meio que transportado para outro tipo de existência, como se tivesse ingerido a pílula vermelha ofertada por Morpheus. Prefiro esse mundo.

Que lindinho: um vídeo de um pet vestido de bailarina!!!

BlupiiiiBlupiiii…!Tuinplin…..!Tuinplin…..!Tuinplin…..!…. tanananarãããã! …. tanananarãããã!…. tanananarãããã! BlupiiiiBlupiiii…!!! – Opa, pera! Peço desculpas, queridos e poucos leitores, preciso dar atenção a coisas aqui que, certamente enfadariam muitos nas minhas redes sociais… Vai ocorrer a 3ª Conferência Indígena da Ayahasuca, e preciso agitar umas coisas aqui.

Não precisam compartilhar esse texto não, certamente ninguém dará atenção mesmo, é difícil concorrer com o político louco e a cacatua… cara, essa cacatua é sinistra…

Fonte: Jairo Lima, indienista acreano, autor e gestor do blog Crônicas Indigenistas

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Comentários

%d blogueiros gostam disto: