15 anos sem Leonel Brizola,o símbolo da esquerda nacional

Brizola governou dois estados, comandou a resistência ao Golpe de 1964 e quase foi presidente do Brasil

Por Valentina Nunes/Avenutras na História

De família muito pobre, o gaúcho Itagiba de Moura Brizola só mais tarde virou Leonel, ao adotar o nome de um líder maragato da revolução gaúcha de 1923. Filho de José de Oliveira e Onívida de Moura, Brizola nasceu em 22 de janeiro de 1922, no pequeno povoado de Cruzinha, no município de Carazinho, cidade do Rio Grande do Sul que na época pertencia a Passo Fundo. Dali saiu para se tornar técnico rural, em 1939, e se formar em engenharia, em 1949, mas não sem antes trabalhar como engraxate e, depois, como ascensorista.

Um dos principais opositores da ditadura de 1964, e um dos líderes da esquerda brasileira, com intensa atuação na política até sua morte em 21 de junho de 2004, Brizola, segundo o Diário Oficial da União, entrou em 29 de dezembro de 2015 para o Livro dos Heróis da Pátria, que fica em exposição permanente no Panteão da Pátria, em Brasília, e homenageia pessoas que tiveram papel importante na história do Brasil.

Sua trajetória política começou entre 1945 e 1949, enquanto estudava engenharia na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e já fazia parte do Partido Trabalhista Brasileiro (PTB). Em 1947, foi eleito deputado estadual; tendo sido reeleito em 1950, cumpriu o mandato por um ano até ser nomeado secretário estadual de Obras.

None
Crédito: Reprodução

 

 

Na época, Brizola já namorava com Neusa Goulart, irmã do também deputado estadual petebista João Goulart, o Jango, mais tarde eleito vice-presidente da República na chapa de Jânio Quadros. De seu casamento com ela nasceram três filhos.

Em 1954, foi eleito novamente pelo PTB, dessa vez deputado federal, chegando à prefeitura de Porto Alegre no ano seguinte. Eleito governador do Rio Grande do Sul com imenso apoio popular, em 1958, adotou medidas impactantes. Entre elas a implantação da reforma agrária e a estatização de empresas multinacionais. Em maio de 1959, o governo gaúcho encampou a Companhia de Energia Elétrica Rio-Grandense, filial da norte-americana American & Foreign Power Company.

A trajetória nacional de Brizola como líder de esquerda começou a se consolidar a partir da renúncia do presidente Jânio Quadros, em agosto de 1961. Diante do veto dos ministros militares à posse do vice, João Jango Goulart, o caudilho gaúcho ocupou as rádios Guaíba e Farroupilha, em Porto Alegre, para formar o que chamou de Cadeia da Legalidade. O objetivo de Brizola era aglutinar as forças populares.

Brizola no retorno do exílio, em Foz do Iguaçu / Crédito: Reprodução

Em 1962, Brizola conseguiu a façanha de se reeleger deputado federal, ainda pelo PTB, mas dessa vez pelo antigo estado de Guanabara, atual Rio de Janeiro. Recebeu 269 mil votos, a maior votação então registrada. Assumiu no ano seguinte a cadeira na Câmara, de onde exigia de Jango, o cunhado presidente, a implantação das Reformas de Base agrária, bancária e tributária.


Reportagem retirada do Livro 365 dias que mudaram o Brasil, da autora Valentina Nunes, Editora Planeta do Brasil, (p. 52, 53).

Governador do RJ, Brizola trocou armas de brinquedo por livros para as crianças e fez uma fogueira para comemorar / Crédito: Reprodução

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

CamisetaKrenakBabyLook

Comentários

%d blogueiros gostam disto: