Nos meses de Agosto e Setembro é quando em casa as serras e os morros queimam. Quando a casa inteira amanhece cheia de cinzas e a pele sangra com a secura que machuca.

Nasci no mesmo ano em que aconteceu pela primeira vez na Cidade de Goiás o Festival Internacional de Cinema Ambiental. Acontecimento que por duas décadas movimentou uma cidade inteira, que fez os grupos de música estarem nas ruas, os rios e as imagens virarem tema, que fez sair da boca das crianças, de forma natural e íntima, palavras e gestos de cinema. A Cidade espera como quem espera a chuva, que mesmo quando demora chega, que vai chegar o FICA.

E foi no início deste ano que a notícia chegou. Arbitrária e violenta, como todas que vêm deles. O FICA não aconteceria. Anunciaram o sepultamento de um festival de 20 anos.

Nos meses de Agosto e Setembro é também quando em casa os ventos são ventos de pipa, quando os ipês começam a esbravejar no cerrado seco.

E hoje vai acontecer o que talvez seja a mais importante exibição do De Pássaros e Infância: Maria. Esse filme que escrevi quando ainda estava na escola e que virou imagem como resultado de um curso no IFG, com incentivo de uma ação do FICA e com esforços de professoras e colegas e da família.

Hoje vai acontecer sua mais importante exibição. Primeiro porque o retorno do filme para casa é sempre outra coisa. Segundo porque vai ser exibido no FESTIVAL DE GOYAZ. O primeiro. A resposta. A reação certeira. Se vão cortar e estancar e tentar não permitir que o FICA aconteça: fazemos nós. Celebro aqui a força e a coerência dos que puxaram esse movimento na Cidade e que reagiram tão bravamente a truculência dos coronéis que se forçam ao governo e tentam cavar a cova daquilo que temos de mais precioso.

E ao falar em cova não posso deixar de lembrar que nessa semana teve uma sessão com Kleber e Juliano e Emilie – e agora falo da casa de cá, a UFF – de Bacurau, esse filme gigante que é uma carta de amor ao Brasil. Penso que é momento de fazermos isso, escrever nossas cartas, não deixar sem resposta o autoritarismo e a tirania.

Quando entrou setembro, nesses tempos de enormes angústias, me senti abraçada, ora pelo amor, ora pela fúria dos amigos que me cercam – essa fúria direcionada que mobiliza tanto e que nos torna capaz de reagir.

Viva o cinema brasileiro! Viva o Festival de Goiás! Viva Bacurau! Viva a universidade pública e os institutos federais!

Mariana de Lima  –  Estudante de Cinema na Universidade Federal Fluminense

Do Facebook da Marina Sant’Anna

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.