“Os socialistas tiveram uma vitória importantíssima”, escreve Paulo Moreira Leite, do Jornalistas pela Democracia. “Mas a abstenção recorde mostra que uma parcela da população se sente abandonada.”

Por Paulo Moreira Leite/Brasil 247

António Costa comemora vitória na eleição de Portugal
António Costa comemora vitória na eleição de Portugal (Foto: REUTERS/Rafael Marchante)
Embora a coalizão chamada “Geringonça” tenha recebido uma inegável aprovação nas urnas,  a abstenção-recorde sinaliza um ambiente de frustração e descontentamento de uma parcela do eleitorado,  inclusive camadas que por tradição e necessidade destinam seu voto à esquerda — e que no domingo passado nem saíram de casa.Uma reportagem anterior de Mickael Correa, publicada pelo Monde Diplomatique (edição 146, setembro de 2019), ajuda a entender as ambiguidades desta situação.Desde 2015, quando os socialistas chegaram ao governo, foram tomadas medidas importantes para a recuperação do país. O salário mínimo se valorizou — subiu de 485 euros para 600 euros em 2019 –, o crescimento da economia atingiu o melhor nível em mais de uma década e o desemprego caiu de 12% para 6,3%.São avanços inegáveis, mas que não foram acompanhados de medidas sociais correspondentes.

Na vida social, um bom exemplo é o da moradia, que enfrenta um retrocesso alarmante. Durante o governo PDS, uma das exigências da Troika para liberar um empréstimo de 78 bilhões de euros consistiu na desregulamentação do mercado imobiliário. A medida transformou Portugal num paraíso de especuladores do mercado financeiro e turistas aptos a passar uma temporada no país.

Após um aumento de 3.000% no preço  do aluguel turístico, Lisboa tornou-se a capital europeia com maior número de residências Airbnb por habitante. A contrapartida são despejos em massa, inclusive com apoio policial, que transformaram a defesa da moradia popular numa causa cada vez mais relevante no país.

Ou o governo reeleito ontem se empenha em reconstruir as esperanças de uma imensa parcela de homens e mulheres que desta vez não se animaram a tomar o caminho das urnas no domingo. Ou o desânimo pode se transformar em desalento e, quem sabe, raiva. Aí, não haverá muito para se fazer.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: