Por uol

Reconhecida como uma das melhores universidades da América Latina, a UnB (Universidade de Brasília) foi acusada pelo ministro da Educação, Abraham Weintraub, de ser uma das universidades federais que promovem “balbúrdia” em seus campi.

Em sua fala, o ministro mencionou festas e eventos políticos. “A universidade deve estar com sobra de dinheiro para fazer bagunça e evento ridículo”, disse, citando como exemplos “sem-terra dentro do campus, gente pelada dentro do campus”. Após repercussão negativa, o MEC recuou e mudou o discurso. A pasta, então, passou a afirmar que o bloqueio valeria para todas as instituições de ensino –e que era necessário para cumprir a meta fiscal.

Mas o meme já estava pronto. Nas redes sociais, estudantes passaram a divulgar imagens de gente trabalhando em laboratórios e estudando em bibliotecas para mostrar a “balbúrdia” que estavam fazendo nas universidades. A reportagem do UOL visitou o campus Darcy Ribeiro, o maior e mais tradicional da UnB, em uma sexta-feira, às 9h. No local, além de faixas contra os bloqueios no orçamento da educação, o que se viu foi muita movimentação de alunos –e muita gente estudando.

“Eu costumo falar, com os meus amigos, que a UnB é uma prova de sobrevivência, e o prêmio final é a morte”, diz Júlio César Nunes, 19. Aluno do curso de física, o jovem define sua rotina como uma “maratona de estudos”. “Você vem, estuda, vai para a aula e estuda de novo. É bem puxada a universidade; ela realmente cobra muito dos estudantes”, diz.

“Passo o dia aqui todos os dias”, conta Luiz Felipe Ayub, 21, que está no quinto semestre de engenharia ambiental. Além de assistir às aulas pela manhã, ele dá tutoria de disciplinas da grade curricular do curso para seus colegas. “Minha visão da UnB talvez seja meio debilitada, porque passo muito tempo na FT [Faculdade de Tecnologia].

Se existe algum evento que justifique a acusação de balbúrdia? Para o aluno de agronomia Felipe Lara Carvalho, 18, ela representa um estereótipo, e não que acontece de verdade na universidade. Em maio, um evento no ICC (Instituto Central de Ciências), que reúne cursos de exatas, humanas e sociais, virou alvo de críticas nas redes sociais. Era uma competição de drag queens, realizada em comemoração ao Dia Internacional de Luta contra a LGBTfobia. “Mas isso não é feito com o dinheiro público, com o dinheiro do trabalhador”, diz Felipe. “O que se vê por balbúrdia é o que muita gente pensa porque nunca pisou na UnB”, afirma. “Qualquer ambiente que tenha jovens, tem festas. Mas aqui, por ser um espaço aberto e de acesso livre, tem sido visto com maus olhos. Em outras universidades também acontece esse tipo de coisa, mas, por serem privadas, tudo fica bem escondido”, diz Maia*, aluna do curso de serviço social.

“Faz sentido tirar do ensino superior para investir no básico? Não faz, não dá para tirar de um e colocar no outro. Você vai ter um gargalo de qualquer jeito. Tem que investir no ensino básico, mas sem tirar do superior, que é o que mantém a pesquisa”. Júlio César Nunes, aluno do curso de física.

Ex-aluno de escola pública, Júlio César conta ter sentido dificuldade em acompanhar as aulas quando passou na UnB. “Entrei no ano passado, mas estou fazendo o primeiro semestre de novo. Na escola pública, eu vejo que nivelam o aluno por baixo”, conta.

Direita ou esquerda? Espalhados pelas paredes da UnB, há cartazes contra o machismo e dizeres em defesa dos direitos LGBT, causas que são mais associadas à esquerda. Também há placas de movimentos que se dizem antifascistas. A atual gestão do DCE (Diretório Central dos Estudantes), por outro lado, se define como sendo de direita. Eleita no ano passado, a chapa Aliança pela Liberdade derrotou a Unidade para Resistir, que tinha o apoio de partidos como PT, PCdoB e PSOL. Para os alunos, há de fato uma pluralidade de ideologias na universidade. Leia mais no site noticias.uol.com.br.

Fonte: Notícias UOL

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.