Razões para Esperançar

É preciso ter esperança, mas ter esperança do verbo esperançar;  porque tem gente que tem esperança do verbo esperar.  E esperança do verbo esperar não é esperança, é espera.  Esperançar é se levantar, esperançar é ir atrás, esperançar é construir, esperançar é não desistir! Esperançar é levar adiante, esperançar é juntar-se com outros para fazer de outro modo…” Paulo Freire

Kleytton Morais

Depois do ano dos infernos que foi 2021, o Brasil tem por diante um tempo turbulento em 2022. Além da pandemia, que ainda não acabou, janeiro começa com parte do país debaixo d’água, a economia em frangalhos, o desemprego em alta e 20 milhões de pessoas, literalmente, passando fome. Não é um cenário bonito.

Ao contrário, somando-se as crises econômica, sanitária e climática ao desmantelo das políticas públicas, ao isolamento internacional e ao desatino cotidiano do mandatário de turno, ninguém precisa ter bola de cristal para saber que o que vem pela frente é muita tranqueira.

Temos, em outubro, eleições majoritárias para presidente, parlamentares federais e parte da tropa de choque do Senado.   Nenhuma ilusão: vem aí (na verdade, já começou) uma guerra violenta, podre e suja, com previsíveis ataques de fake news,  inusitados incidentes tipo “fakeada” e novas tentativas de golpe, antes e depois da eventual derrota nas urnas do presidente atual.

Apavorado com a queda de popularidade e a rejeição astronômica nas pesquisas de opinião, o presidente estrebucha, vende a alma ao Centrão, inventa programas eleitoreiros e, quando a coisa parece desandar de vez,  usa o recurso manjado das internações pós-festa por novas obstruções intestinais. 

Pra completar, com um Fundo Eleitoral de 5,7 bilhões de reais, boa parte indo para o partido do mandatário, e mais 16 bilhões no orçamento secreto, sob controle governista no Congresso e o inesgotável arsenal de sete-mentiras-dia, o presidente tem suas armas, e não são poucas.

Mas há razões para esperançar. O povo brasileiro parece estar pronto para se redimir da escolha catastrófica que fez nas eleições de 2018. O favoritismo incontestável de Lula no mosaico eleitoral mostra uma nação disposta a fazer a sua parte para tirar o Brasil do fundo do poço. “Há um Luiz no fim do túnel”, clama um dos memes massificados nas redes sociais.

É um bom começo para quem precisa pensar na reconstrução de um país devastado pela inoperância criminosa do negacionismo. O Brasil parece querer, em 2022, virar a página dessa gestão nefasta que  permitiu a morte desnecessária de mais de 600 mil pessoas pela Covid-19.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

O Brasil parece querer investir em um governo disposto a enfrentar a crise climática, a reconstruir as políticas públicas, a reconquistar o prestígio internacional e, sobretudo, a combater a fome, o desemprego e a estagnação da economia.  

Esperançar nesta conjuntura significa construir as propostas que poderão fazer, no terceiro mandato de Lula, um Brasil energeticamente limpo, livre da miséria e da fome, com florestas protegidas, com rios despoluídos, com uma Reforma Agrária efetiva, com todas as Terras Indígenas demarcadas e com ocupação, emprego e renda para milhões de brasileiros e brasileiras que se encontram jogados à própria sorte no desgoverno do presidente Bolsonaro.

 O Sindicato dos Bancários e das Bancárias de Brasília está pronto para cerrar fileiras com Lula e com todos os setores progressistas da sociedade brasileira na luta por um “Brasil Feliz de Novo” para os trabalhadores, para as trabalhadoras e para todo o povo brasileiro.

Feliz Dois Mil e Lula! 

Kleytton Morais – Líder Sindical. Presidente do Sindicato dos Bancários de Brasília.


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]