Harpia, a maior ave brasileira atende pelo nome de Harpia (Harpia harpyja) e é também conhecida como gavião-real, gavião-de-penacho, uiraquer, uiruuetê, uiraçu, uiracuir, cutucurim e uiraçu-verdadeiro. Uiruuetê é um termo tupi que contém o termo e’tê, “verdadeiro”. Uiraçu veio do termo tupi para “ave grande”. E uiracuir veio da junção dos termos tupi-guarani para “pássaro” (gwirá, uirá) e para “cortante/afiado” (kuir)

Por Eduardo Pereira

Além de ser a mais pesada das aves brasileiras, chegando a até 12 quilos, nossa harpia é também uma das maiores aves de rapina do planeta. O nome harpia vem da mitologia grega. Os primeiros europeus que aqui chegaram assim a chamaram, comparando-a às monstruosas meio-mulheres/meio-águias da mitologia grega, por sua agilidade e habilidade para a caça.

Gavião-de-penacho e gavião-real, porque tanto o macho como a fêmea têm um lindo penacho na cabeça, com formato semelhante ao de uma coroa que, junto a um tipo de crista de penas largas, se levanta quando a ave ouve algum ruído. Além disso, os olhos pequenos e uma cauda com três faixas cinzentas compõem suas principais características.

Com asas largas e redondas, pernas curtas e grossas, dedos extremamente fortes e garras compridas e poderosas, a harpia é uma ave predadora tremendamente eficaz. Capaz de levantar um carneiro do chão, ela se alimenta principalmente de outras aves e de pequenos mamíferos, que caça com investidas curtas e rápidas. Grandes presas, como preguiças e macacos, costumam ser consumidas parcialmente até poderem ser transportadas para o ninho.

Do alto de seus 90 centímetros de altura e de sua envergadura de até 2,5 metros, a harpia é uma águia adaptada ao voo acrobático em ambientes florestais de espaços fechados, na Amazônia e em outras áreas de remanescentes de florestas na Argentina, na Bolívia, na Colômbia, no México e em algumas áreas da América Central. Há também registros raros da presença da harpia na Mata Atlântica. Como é uma ave muito visada pelos humanos, ela se restringe, atualmente, à Floresta Amazônica.

Fontes:

infoescola

wikipedia


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri  ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Caminhando na Floresta


 E-Book Caminhando na Floresta

Um livro imperdível sobre a experiência do autor na convivência com os seringueiros do Vale do Acre nos tempos de Chico Mendes.

COMPRE AQUI

Caminhando na Floresta

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: