Monitoramento mostra desmate ilegal recorde no Corredor do Tupi-Mondé

Área equivalente a mais de 1,7 mil campos de futebol foi ilegalmente desmatada em Terras Indígenas entre Rondônia e Mato Grosso. Garimpo, pastagens e extração de madeira para venda lideram o ciclo de destruição. Os dados foram extraídos de uma plataforma internacional e gratuita de monitoramento.

Tecnologia de ponta e colaboração coletiva na troca e checagem de informações são a base do aplicativo Global Forest Watch (GFW), concebido pelo World Resources Institute (WRI) para o monitoramento de florestas e emissão de alertas diante de ameaças importantes. A ferramenta funciona em todo o mundo e, no Brasil, tem permitido acompanhar o desmatamento no Corredor Indígena Tupi-Mondé, área de grande pressão, situada entre Rondônia e Mato Grosso.

Imagens de satélite, dados abertos e informações fornecidas pela população local permitem mapear onde o desmate acontece na região, suas causas e agentes. “O ganho dessa metodologia é a precisão conferida pelo olhar de quem está no local. Utilizamos imagens dos satélites Landsat e Sentinel, disponibilizadas pela Agência Especial Europeia (ESA), para fazer um primeiro mapeamento e, em seguida, validamos com as lideranças indígenas locais, que ainda ajudam a identificar quem está desmatando e por quê”, explica Pedro Soares, gerente do Programa de Mudanças Climáticas do Instituto de Conservação e Desenvolvimento Sustentável da Amazônia (Idesam), que capitaneia a iniciativa, juntamente com a Equipe de Conservação da Amazônia (Ecam), a Gamebey — Associação Metaleirá do Povo Indígena Suruí e a Kanindé — Associação de Defesa Etnoambiental.

As informações coletadas vão subsidiar o Boletim do Desmatamento do Tupi-Mondé, de periodicidade semestral. A primeira edição já está em circulação e analisa dados coletados entre janeiro e julho de 2017.

Nesse período, a região perdeu cerca de 1,2 mil hectares de floresta, o equivalente a mais de 1,7 mil campos de futebol. A destruição segue um ciclo já bem estabelecido. “Primeiro, vêm o corte ilegal de madeira e as atividades mineradoras de ouro ou diamante, que são de grande liquidez. O dinheiro arrecadado subsidia, mais tarde, atividades de pecuária e agricultura. Em alguns territórios, os indígenas participam, frequentemente como mão de obra, como no caso da mineração”, afirma Soares.

De acordo com ele, a perda de floresta no período atingiu as mais altas taxas já registradas na região e, no entanto, há uma ausência crônica de fiscalização. O Corredor Tupi-Mondé possui uma área total de 3,5 milhões de hectares, divididos em sete Territórios Indígenas, que abrigam 6 mil habitantes das etnias Cinta Larga, Zoró, Paiter Surui, Gavião e Arara. Ele está situado no meio do arco do desmatamento da Amazônia e integra um importante corredor florestal de grande biodiversidade.

Foto: EBC

ANOTE AÍ:

Mondé é uma língua indígena do tronco Tupi falando por várias nações indígenas da Amazônia.

Esta matéria nos foi gentilmente cedida pela P&B Comunicação

Pedro Soares está disponível para entrevistas.

Para receber o Boletim do Desmatamento, responda enviando nome, telefone e o e-mail para onde a publicação deve ser enviada.

CONTATOS PARA A IMPRENSA— P&B COMUNICAÇÃO
(11) 9 4970-4040 Suzana Lakatos – suzana@pbcomunica.com.br
(11) 9 8108-7272 Solange A. Barreira – solange@pbcomunica.com.br
www.pbcomunica.com.br
Anúncios

Comentários

X
%d blogueiros gostam disto:
preloader