Por Lúcio Flávio Pinto

Em 1972, o mundo se reuniu pela primeira vez em conjunto para discutir sobre a relação entre o desenvolvimento e o meio ambiente. O local da conferência não poderia ser mais indicado do que Estocolmo, a capital da Suécia, padrão da qualidade de vida no planeta. Um dos temas centrais era a Amazônia, de volta ao epicentro do interesse internacional.

Essa atenção tinha uma forte motivação simbólica. A humanidade conquistava novas fronteiras no universo, com as viagens à Lua. Na Terra, começava a ocupação de uma das maiores fronteiras territoriais, com o avanço de grandes estradas sobre o domínio da população nativa e da maior floresta tropical do globo.

Ufanista e orgulhoso do crescimento do Produto Interno do Brasil ao redor dos 10% ao ano, semelhante ao desempenho do “milagre japonês”, o governo militar, no auge da ditadura, sustentava na sua abundante propaganda nacionalista que os astronautas, lá do alto, só divisariam duas obras humanas: a grande muralha chinesa e a Transamazônica, com extensão superior a três mil quilômetros, uma linha vermelha cercada pelo mais denso verde que havia.

Para uma parcela da sociedade, era um choque. Afinal, a floresta amazônica funcionava como o pulmão do mundo, liberando oxigênio para todos os terráqueos absorverem. Não podia ser destruída. Com sua inigualável diversidade de vida, também era uma fonte de informações sem igual sobre a vida na Terra. O governo brasileiro não poderia dispor sobre esse patrimônio da humanidade ao seu bel prazer. Tinha que aceitar a cooperação mundial.

O chefe da delegação brasileira, o general (da reserva do Exército) Costa Cavalcanti, fez o contracanto imediato. O Brasil tinha o direito e a legitimidade suficientes para continuar a promover a ocupação nacional da sua última grande reserva de recursos naturais, ao seu modo, acelerado e intenso, integrando-a à unidade nacional para não entregá-la aos estrangeiros rapaces, sempre cobiçosos em relação a um “espaço vazio” (apesar de tanta floresta e da presença humana milenar) equivalente ao espaço denso de atividades da Europa Ocidental.

Afinal, estava adotando “medidas destinadas a aumentar a participação das populações no processo de desenvolvimento através da redução das desigualdades sociais e econômicas e da manutenção de taxas aceleradas de crescimento. Tais objetivos podem ser alcançados mediante o uso racional dos recursos do meio ambiente, propiciando-se às nações menos adiantadas a possibilidade do aproveitamento, industrialização e comercialização de suas matérias primas e seus produtos, e proporcionando-se aos seus cidadãos a oportunidade de usufruir dos modernos recursos da ciência e da tecnologia”.

Durante a apresentação do seu relatório à conferência, o general, que se tornou político na onda da revolução dos tenentes, que ocuparam o poder depois da revolução de 1930, sempre combatendo o populismo derivado da visão de Getúlio Vargas, expressou o seu reconhecimento “pela orientação e apoio que recebi de Sua Excelência, o Senhor Presidente da República, assim como do Senhor Ministro das Relações Exteriores e do Senhor Secretário Geral do Conselho de Segurança Nacional”.

A referência ao dirigente executivo do CSN poderia parecer estranha num encontro que deveria ser técnico e científico, independente de ideologias e políticas. Mas ele estava sendo sincero e realista na referência. O CSN era tanto a fonte dos processos de cassação dos corruptos e subversivos, considerados inimigos perigosos do regime militar, como da filosofia que orientava a corrida à Amazônia.

O próprio Costa Cavalcanti era uma figura híbrida de militar e político, com uma formulação autoritária e conservadora. Subordinada a ele estava a Sudam (Superintendência do Desenvolvimento da Amazônia). Seus incentivos fiscais poderiam significar a subscrição estatal de até 75% do capital necessário aos projetos agropecuários da iniciativa privada, permitindo-lhe poupar capital próprio, numa esquizofrênica forma de capitalismo de muletas, destinada a promover processos irracionais e caos, tudo em nome da míope soberania nacional, guiada pela geopolítica obtusa.

Promovendo a implantação de centenas de fazendas, no frágil e pobre solo das terras altas amazônicas, a Sudam era a força motriz do estímulo ao ingresso dos novos bandeirantes, em sua maioria novamente originários de São Paulo, que estavam botando abaixo a vegetação nativa para em seu lugar formar pastagem para o minguado rebanho bovino, de baixa qualidade fitossanitária e baixo valor comercial.

A ocupação pela pata do boi destruiu os vales do Araguaia-Tocantins, está destruindo o Xingu-Tapajós e agora se expande pelo Madeira. A devastação está acabando com as características amazônicas de Rondônia, hoje mais para o sertão do centro-oeste do que para a floresta úmida amazônica, e colocou o antes intocado Amazonas no topo do ranking do desmatamento e das queimadas deste ano. O ataque à natureza complementado por violência, conflitos, desigualdades e pobreza.

Quatro anos depois da conferência de Estocolmo, Paulo Nogueira Neto, que criou o primeiro órgão especializado em ecologia da administração federal, a Sema (Secretaria Especial do Meio Ambiente), e o dirigiu pelos anos iniciais, registrou no seu diário, em setembro de 1976, um pronunciamento feito na ONU pelo então ministro do Exterior, Azeredo da Silveira: “Ele afirmou que os países desenvolvidos usam os problemas ambientais para manter os países em desenvolvimento numa situação de dependência”. Nogueira anotou a respeito: “Parece que não existiu a Conferência de Estocolmo em 1972!”, com o acento de exclamação a traduzir a sua perplexidade.

A mesma, ampliada e agravada, que fica do pronunciamento que o presidente Jair Bolsonaro fez na mesma Organização das Nações Unidas. Mais à direita do que Costa Cavalcanti, quase meio século atrás, mais intolerante e irracional do que no auge da ditadura “desenvolvimentista”, o toque de absurdo no discurso do ex-capitão é a sua recusa em estabelecer a controvérsia sobre uma base factual. Já nem se fale em ciência, que ele ignora ou maltrata (a Amazônia tem míseros 2% do orçamento nacional de ciência e tecnologia), mas no elementar empirismo, de alguma maneira capaz de expressar a realidade.

A Amazônia que Bolsonaro apresentou na ONU não existe mais. Existia em 1972, quando o desmatamento era de menos de 1% da sua superfície. Com a multiplicação 15 ou 20 vezes desde então, a descrição do presidente é um escárnio. Como no conto de Andersen, é a roupa do rei nu. Como na lenda, só ele não vê a sua nudez vergonhosa.

Lúcio Flávio Pinto é jornalista desde 1966. Editor do Jornal Pessoal, publicação alternativa que circula em Belém (PA) desde 1987. Autor de mais de 20 livros sobre a Amazônia, entre eles, Guerra Amazônica, Jornalismo na linha de tiro e Contra o Poder. Lúcio Flávio é o único jornalista brasileiro eleito entre os 100 heróis da liberdade de imprensa, pela organização internacional Repórteres Sem Fronteiras em 2014. Acesse o novo site do jornalista aqui www.lucioflaviopinto.com.

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826Camiseta Lula Cadê a Prova 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: