Brasil em Vertigem: Presidente não vai a Davos

Brasil em Vertigem: Presidente não vai a Davos
O filme Democracia em Vertigem, da cineasta Petra Costa, retirou definitivamente o véu com o qual tentaram esconder o golpe de Estado que derrubou a Presidenta Dilma, a parceria da imprensa oligarquia  e a eleição de Jair Bolsonaro.
A repercussão do filme no mundo, (um dos mais vistos no Netflix) agora indicado para o Oscar, é devastadora. Causou um forte impacto no governo e reações agressivas dos cúmplices da tragédia política, econômica e social do Brasil. 
Jair Bolsonaro cancelou a participação no Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça, a ser realizado do dia 21 a 24 deste mês, com 3.000 participantes. 
Mas não foi apenas a repercussão do filme de Petra que levou o presidente da República a desistir da ida a Davos. Quando ele foi ao Fórum Mundial, em janeiro de 2019, ele mentiu para a platéia dos chefes de Estado e dos maiores investidores do mundo.
Pela primeira vez, o Brasil, em 2019, abriu os trabalhos do Fórum e coube a Jair Bolsonaro, recém eleito, fazer o discurso de abertura. Para isso, foi destinado o tempo de 45 minutos, mas ele falou apenas 6 minutos. 
O discurso foi considerado decepcionante por grande parte dos participantes e da imprensa mundial.
Jair Bolsonaro assumiu compromisso com os tratados internacionais de combate à degradação do meio ambiente. 
Disse que compatibilizaria crescimento econômico com meio ambiente.
Mas faz o contrário. Desmonta as instituições que cuidam do meio ambiente, muda a legislação mais moderna do mundo e fustiga organismos internacionais, chefes de Estado, com acusações levianas.
Disse que colocaria o Brasil, em pouco tempo, entre os 50 países mais desenvolvidos do mundo. Mas acumula desastres em todo seu governo.
Jair Bolsonaro não tem nenhum dado positivo para apresentar em Davos.
A absoluta falta de projeto para o país, a degradação econômica, social e ambiental, a fragilidade institucional e a insegurança jurídica, são os frutos do golpe de Estado, que, evidentemente, causam receio aos possíveis investidores.
A imprensa internacional estaria a postos para perguntar obviamente sobre o filme, a Amazônia e o governo dele.
Está cada vez mais claro que a obsessão do governo é apenas desmontar o projeto de desenvolvimento sustentável e inclusão social dos governos Lula e Dilma, que proporcionaram estabilidade política, econômica, redução da desigualdade e melhoria das condições de vida da população.
Se fosse a Davos, provavelmente Jair Bolsonaro seria recebido diferentemente de 2019, talvez como burlesco e  despreparado.  Não teria como esconder os escombros do golpe e o isolamento internacional em que se encontra o Brasil. 
Os dados da economia, divulgados recentemente, revelam o agravamento da crise e  o país à deriva.
O Brasil fechou o ano com o registro da maior fuga de capitais das última quatro décadas,  a retirada de US$ 62,244 bilhões pelos investidores, para aplicar em outros países. 
Somente da bolsa foram retirados US$ 44,5 bilhões. Com os cortes de investimentos do Estado e do setor privado não há como o país crescer.
Das reservas acumuladas pelos governos Lula e Dilma, um total de RS$ 375 bilhões, o governo Bolsonaro queimou RS$ 34 bilhões tentando segurar a alta do dólar. 
Não bastasse as queimadas na Amazônia, os ataques impunes a comunidades indígenas e a trabalhadores rurais, fatores que causam mais desgaste na imagem do Brasil no exterior, a economia apresentou um pibinho , em 2019, de apenas 1,12%.
O Brasil tem hoje 12 milhões de desempregados e 38 milhões  de pessoas vivendo de bicos, sem perspectiva de serem inseridas no  mercado de trabalho formal.
O Brasil tem a maior concentração de renda do mundo. Segundo pesquisa do IBGE, um em cada brasileiro vive com menos de R$ 420,00 por mês.
A indústria, em novembro, das 15 regiões pesquisadas pelo IBGE, 11 tiveram uma queda acentuada, de 1,2%. Nos últimos quatro anos depois do golpe, o Brasil perdeu 17 indústrias por dia.
Segundo a Agência Reuters, em outubro, na categoria varejo ampliado, que inclui automóveis, a queda no comércio foi de 0,5%. O mercado havia projetado 1,1%. 
Isso acontece no momento de liberação do saque do FGTS, que seria, segundo o governo, para ativar a economia, mas o dinheiro foi parar nas financeiras e nos bancos, para pagar dívidas. Mais de 65% da população está endividada.
Cerca de 70% do PIB é composto pelo setor de serviços. Na passagem de outubro para novembro, três das cinco atividades do setor, tiveram queda. 
Com destaque para o recuo de transportes, serviços auxiliares aos transportes e correio (-0,7%), serviços de informação e comunicação (-0,4%) e serviços prestados às famílias (-1,5%).  A queda foi mais acentuada em 16 dos 27 estados.
A inflação voltou. O índice acumulado em 12 meses bateu 4,31%,  acima do centro da meta, de 4,25. Com aumento vertiginoso do preço da carne (37%), feijão e combustíveis.
A Balança Comercial ficou com saldo positivo em US$ 46,7 bilhões, 19,6% abaixo do registrado em 2018. E deve agravar ainda mais com o acordo assinado entre Estados Unidos e China.
Os Estados Unidos são concorrentes do Brasil no comércio internacional de produtos agropecuários, mineração, petróleo e outros produtos.
A subserviência do governo Bolsonaro ao governo de Donald Trump tem afetado diretamente a economia brasileira e desgaste nas relações internacionais. A desastrosa ingerência no conflito Iran-Estados Unidos, mais o acordo comercial entre Estados Unidos e China custarão caro ao Brasil. Em breve as consequências virão.
Além de tudo isso, Jair Bolsonaro está às voltas com o escândalo da Secom, uma gatunagem do Secretário de Comunicação do governo, Fabio Wajngartn, alertado pela Controladoria Geral da União como caso gravíssimo. E mais, segundo reportagem de O Globo, Bolsonaro sabia dos negócios do seu colaborador direto.
Wajngarten aumentou a liberação de verbas de propaganda do governo para as empresas de comunicação, como a Record, a Bandeirantes e outras parceiras, amigas de Jair Bolsonaro. No ano passado, liberou R$ 197 milhões para campanhas do governo e estatais. O chefe da Secom tem empresa que presta consultoria a empresas de comunicação beneficiadas pelas verbas.
Com o Brasil em situação tão dramática, não há o que apresentar  em Davos. Essas e outras vão sedimentando o isolamento do Brasil no cenário internacional e amarrando nosso futuro no passado colonial, na bola de ferro do atraso.
Fonte: Blog do Laurez Cerqueira

Block

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto em nossa loja solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação de qualquer valor via pix ( contato@xapuri.info). Gratidão!

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

 

 

 

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
COM SEU APOIO, NÓS FAZEMOS A XAPURI ACONTECER. DOE AGORA. QUALQUER VALOR, VIA PIX.
IMG_8019
ABRA O APLICATIVO DO SEU BANCO, APONTE PARA O QR CODE E, PRONTO, É SÓ DOAR. GRATIDÃO!