Que Darcy Ribeiro e Anísio Teixeira são os pais da UnB, não há dúvida; mas isso não é dizer tudo. Na realidade, foram eles os idealizadores e gestores de sua implantação, mas muitas outras pessoas puseram o “ombro no andor”, no dizer do próprio Darcy.

Na verdade, a UnB foi o projeto mais audacioso e ambicioso da intelectualidade brasileira. Entre 1950 e 1961, a criação da Universidade de Brasília constituiu-se no debate preferido pelos intelectuais que viam naquela ideia um projeto viável.

Em 1958, Juscelino Kubitscheck criou por decreto uma comissão para projetar a UnB, composta por Darcy, Oscar Niemeyer e Ciro dos Anjos.

A elite intelectual das universidades da época, formada por catedráticos tradicionais, não via com bons olhos as mudanças anunciadas.

Não só os catedráticos bombardeavam a ideia, mas também políticos de influência e prestígio, como Israel Pinheiro, para quem, manifestações estudantis e operárias eram pragas que deveriam ser combatidas, uma vez que poderiam atrapalhar o projeto de implantação da nova capital. [Israel] combateu o quanto pode a ideia de criação da UnB.

Não foi fácil, portanto, vencer aquele homem obstinado. Chegou até a sugerir como local um terreno a sete ou oito quilômetros de Brasília para a construção do campus.

Por ocasião da publicação do plano diretor, com sugestões dadas por diversos intelectuais, criou-se um vivo debate em todos os segmentos culturais do país, que sacudiu os alicerces empoeirados das velhas universidades. Era a UnB que já nascia polêmica.

Estabeleceram-se então claramente os partidários da nova ideia – estudantes, professores, intelectuais – e os que se opunham tenazmente a ela, para quem o melhor era continuar tudo como estava.

Uma grande adversária foi [parte da] própria igreja católica, ou melhor, os dirigentes da Companhia de Jesus, que tentavam implantar em Brasília a Universidade Católica. Argumentavam com JK que na capital americana a principal universidade era católica. (…) Juscelino, para não desagradar o clero poderoso dos Jesuítas, chegou a vacilar. Não fosse a tenacidade e a esperteza de Darcy Ribeiro, talvez a UnB não tivesse saído do papel.

Aliar-se aos Dominicanos, tradicionais opositores dos Jesuítas, e implantar no campus o Instituto de Teologia, foi a saída proposta por Darcy. Frei Mateus, Geral da Ordem, aceitou a ideia e foi para Roma, de onde voltou com a aprovação do Papa João XXIII.

Darcy e seus auxiliares conseguiram com isso provocar críticas principalmente ente os anti-clericais declarados, que os acusaram de traição ideológica, já que viam no projeto não só uma dicotomia ou paralelismo de ações entre a Universidade o Instituto Teológico projetado, como também receavam uma volta ao passado.

As Universidades Católicas, desde épocas remotas, ditavam os padrões de ensino. Os argumentos de Darcy a favor do princípio de não-duplicação, isto é, nenhum curso seria ministrado em paralelo entre o Instituto Teológico e a Universidade pareceram surtir efeito.

Outro argumento forte era a ideia de unificar ou aproximar alguns segmentos da intelectualidade universitária, entre os quais o sacerdotal e o militar, fontes de frequentes e prejudiciais polêmicas, em um programa co-participativo.

De nada adiantaram os esforços. Anos depois, quando a Universidade foi invadida pelas tropas mineiras, o único prédio destruído fisicamente foi o da Teologia, belíssima obra de Oscar Niemeyer. Obviamente, o convênio da Universidade com os dominicanos foi anulado.

Apesar de todos esses percalços, o projeto de criação da UnB foi enviado por JK ao Congresso Nacional pelo Ministro da Educação Clovis Salgado. Durante a tramitação na Câmara, Jânio Quadros assumiu a Presidência da República. Novos esforços foram feitos para agilizar o encaminhamento do projeto, graças à tenacidade de José Aparecido e Carlos Castelo Branco.

Na Câmara, o projeto encontrou resistências significativas, principalmente da oposição udenista, que argumentava não só contra o volume de recursos destinados, mas principalmente contra a autonomia conferida pelo estatuto da Fundação.

Após o difícil debate, o projeto não conseguiu ser aprovado devido à renúncia de Jânio Quadros. Darcy correu para a Câmara dos Deputados com medo de que a crise instaurada acabasse por fechar o parlamento.

Em meio à tumultuada sessão que que acatou o pedido de renúncia o projeto foi encaixado na ordem do dia em 18 lugar, graças aos esforços de Sérgio Magalhães, presidente da sessão. Após intensa discussão, o projeto foi aprovado por significativa maioria.

A etapa seguinte, no Senado, consumiu meses de esforços. A principal questão levantada era como um intelectual marxista poderia projetar uma Universidade que não fosse marxista, e como, não sendo marxista, o Senado poderia aprová-la. A batalha foi ganha. Vencida a luta, veio a angústia da implantação da UnB, já criada por lei em fins de 1961.

Darci foi o reitor e Anísio Teixeira o vice. Graças aos esforços de Anísio, transferindo recursos do Instituto Nacional de Estudos Pedagógicos à Fundação Universidade de Brasília, a UnB pôde inaugurar seus primeiros cursos experimentais em março de 1962, e que funcionariam provisoriamente em dois andares de um Ministério da Esplanada.

As verbas oficiais destinadas por lei foram recebidas muito tempo depois. Nascia a UnB.

Como devem ter sido heroicos aqueles tempos pioneiros.  A luta, o entusiasmo, as barreiras sendo vencidas, e principalmente a derrocada dos opositores anacrônicos, presos ao passado e a outros interesses, avessos ao pioneirismo que Brasília exigia.

darcy-pragmatismopolitico-com-br

Darcy Ribeiro –  foto: pragmatismopolitico.com.br

ANOTE AÍ:

Antonio Paulo Filomeno é médico cardiologista, natural de Laguna, Santa Catarina, formado pela UnB. Este texto é um excerto do livro “De Laguna a Brasília – Luta e Esperança”, Editora Letra Ativa, 2005.

About The Author

A.P. Filomeno

Related Posts

Deixe uma resposta