Não foi acidente! É sim Genocídio e Etnocídio sistemáticos!

Do Facebook da Jéssica Tôrres

Em 2015 mataram o Watu (Rio Doce), que é uma fonte de vida e energia sagrada para os Borum [Burum], o povo indígena Krenak.

Em 2019 matam nosso Paraopeba, que banha a aldeia Naô Xohã , do povo indígena Pataxó Hã-Hã-Hãe.

Todo um trabalho de preservação do rio e seu entorno, está agora seriamente machucado. E o São Francisco ameaçado.

Minas Gerais é um estado que faz questão de silenciar sua população indígena, vendendo uma imagem de progresso e desenvolvimento em detrimento do povo rural, quilombola e originário.

Um estado que tem vergonha de suas origens e que mata quem ontem deu sangue, suor e muitas lágrimas para sustentar essa dita “mineiridade”.

Ontem foram os Borum que choraram, hoje os Pataxó. Amanhã não sabemos qual etnia vai ter sua existência e bem-viver ameaçados pela ganância dos Juruá.

Seguimos resistindo juntos.

Muká, Mukaú!

Este texto encontra-se na página de Jéssica Torres, no Facebook. Foram feitos pequenos ajustes editoriais pela redação da Xapuri.Foto interna: Povo Indígena Pataxó Hã-Hã-Hãe – Cimi. Foto de capa: EBC, mulher Pataxó em atitude de denúncia, ilustrativa.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

 

One Response

Comentários

%d blogueiros gostam disto: