Pelo Cerrado Vivo: diversidades, territórios e democracia.

Este será o tema da nona edição do Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Com abertura no dia 11 de setembro, Dia Nacional do Cerrado, o evento será realizado em Brasília até dia 14 do mesmo mês e será um espaço para debates, reflexões e trocas de experiências sobre a realidade do Bioma e os desafios enfrentados pelos povos e comunidades tradicionais que habitam o Cerrado.

A expectativa é que cerca de 600 pessoas, entre representantes de povos e comunidades tradicionais, de organizações da sociedade civil e movimentos sociais se juntem na capital federal. O principal objetivo é dar voz e visibilidade ao Cerrado e a seus povos, que são os guardiões de toda a sociobiodiversidade presente no Bioma.

Para Maria do Socorro Teixeira Lima, quebradeira de coco babaçu e coordenadora geral da Rede Cerrado, o Encontro e Feira irá reforçar a importância e chamar a atenção para o Cerrado. “Ele é o nosso berço das águas e a água é um bem comum a todos nós. Se o desmatamento continua no Cerrado (que já perdeu mais da metade da vegetação nativa), toda a sociedade sofrerá as consequências”, alerta.

Vale lembrar que o Cerrado abriga oito das doze regiões hidrográficas brasileiras e abastece seis das oito grandes bacias hidrográficas do país – Amazônica, Araguaia/Tocantins, Atlântico Norte/Nordeste, São Francisco, Atlântico Leste e Paraná/Paraguai. Além disso, é no Cerrado onde estão localizados três dos principais aquíferos do país: Bambuí, Urucuia e Guarani. A contribuição hídrica do Cerrado para a vazão da bacia do Paraná chega a 50%; à bacia do Tocantins chega a 62%; e a 94% da bacia do São Francisco. O Bioma Pantanal é totalmente dependente da água do Cerrado e grande parte da energia consumida no Brasil é gerada com as águas do Cerrado.

Todavia, o Cerrado é um Bioma pouco reconhecido e protegido nacional e internacionalmente e está sendo rapidamente substituído por extensas áreas de monoculturas e pecuária. A devastação da cobertura vegetal do Cerrado já chega a mais de 50% do território, comprometendo nascentes, rios, riachos.

Não só a fauna e flora nativas se veem ameaçadas pelo forte avanço do agronegócio, mas também os povos e comunidades tradicionais que vivem no Cerrado há mais de 12 mil anos, convivendo em harmonia com o meio ambiente. Eles são a representação atual da nossa sociobiodiversidade, enquanto conhecedores e guardiões do patrimônio ecológico e da cultura da região. São mais de 80 etnias indígenas presentes no Bioma, além dos quilombolas, trabalhadoras e trabalhadores extrativistas, geraizeiros, vazanteiros, quebradeiras de coco, ribeirinhos, pescadores artesanais, barranqueiros, fundo e fecho de pasto, sertanejos, ciganos, entre tantos outros.

Esses povos e comunidades de cultura ancestral vivem, principalmente, do extrativismo, do artesanato e da agricultura familiar. Seus modos de vida são importantes aliados na conservação dos ecossistemas, pois formam paisagens produtivas que proporcionam a continuidade dos serviços ambientais prestados pelo Cerrado, como a manutenção da biodiversidade, dos ciclos hidrológicos e dos estoques de carbono.

Faça parte do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado

 O orçamento geral do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado se aproxima dos R$ 300 mil, incluindo despesas com deslocamento, infraestrutura, saúde, divulgação e comunicação, montagem das tendas para a realização das oficinas, equipamentos de som e iluminação, contratação e montagem de palco para shows, entre outros.

A Rede Cerrado, em conjunto com as suas entidades associadas, está mobilizando os recursos necessários para a realização deste grande encontro com organizações parceiras e possíveis patrocinadores.

Além disso, foi lançada uma campanha de financiamento coletivo para que qualquer pessoa possa colaborar com a realização do IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado. Os recursos arrecadados nesta campanha são fundamentais para complementar o orçamento geral, sendo seu sucesso muito importante para fortalecer a mobilização dos povos e comunidades tradicionais do Cerrado.

Para saber mais sobre a campanha de financiamento coletivo para o IX Encontro e Feira dos Povos do Cerrado e contribuir acesse:

https://benfeitoria.com/encontroefeirapovosdocerrado

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Camiseta Maria Bonita

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: