Nesse momento em que o Conselho Nacional das Populações Extrativistas – CNS, entidade criada por Chico Mendes e seus companheiros durante o I Encontro Nacional dos Seringueiros, em outubro de 1985, na Universidade de Brasília (UnB), convida para o Encontro Chico Mendes 30 Anos, a ser realizado em Xapuri, Acre, nos dias 15, 16 e 17 de dezembro de 2018, para honrar a memória e celebrar os 30 anos da partida física de Chico Mendes dos espaços deste mundo, resgatamos a matéria “A história do assassinato de Chico Mendes”, publicada à época pelo Globo Memória.

A história do assassinato de Chico Mendes  

Por Globo Memória 

Na noite de 22 de dezembro de 1988, o ecologista Chico Mendes, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Xapuri, no Acre, foi morto a tiros de espingarda, no quintal de sua casa, por Darcy Alves da Silva, a mando de seu pai, o fazendeiro Darly Alves da Silva.

Chico Mendes havia sido condecorado pela ONU no ano anterior, por sua luta em defesa do meio ambiente. O ecologista, que ajudara a organizar o trabalho e a resistência dos seringueiros, foi o fundador da primeira reserva extrativista do Brasil, 40 mil hectares de exploração conservacionista, em São Luiz do Remanso, situado a 80 quilômetros de Rio Branco, capital do Acre. Sua morte repercutiu no mundo inteiro, onde era conhecido como o “herói da floresta”, tendo sido o único brasileiro a participar, em 1988, de uma reunião de 500 ecologistas de todo o mundo na ONU, em Washington.

Em dezembro de 1990, depois de um julgamento que durou quatro dias, os assassinos foram condenados a 19 anos de prisão. A multidão que aguardava aplaudiu quando o juiz terminou de ler a sentença. Em 1992, Darly Alves chegou a ter seu julgamento anulado pela Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Acre, mas, um ano depois, o Superior Tribunal de Justiça reformou a decisão do tribunal do Acre e manteve sua condenação pelo assassinato de Chico Mendes. Em março de 1993, Darly e Darcy fugiram da penitenciária estadual do Acre, sendo recapturados em 1996. Três anos mais tarde, Darly Alves ganhou o direito de passar os dias fora da cadeia. Após cumprirem suas penas, os dois voltaram a viver em Xapuri.

ANOTE AÍ:

 

 

Fonte: memoriaglobo

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826. Camiseta Chico Mendes

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: