Escola mantém uma exposição permanente de tecnologias sustentáveis

Localizado em uma Zona de Amortecimento da Área de Relevante Interesse Ecológico (ARIE) da Granja do Ipê, o Centro Educacional Agrourbano Ipê vem, ano após ano, dando provas de como é possível criar e utilizar tecnologias sustentáveis – transformando a comunidade.

A coordenadora pedagógica, Marcilene Araújo de Castro, explica que a escola começou a desenvolver projetos nessa linha há três anos e a cada ano um novo é acrescentado. “Temos um fogão solar, um desidratador de frutas, um tanque com captação de água de chuva para criação de tilápias e a criação de uma mini agro oresta na escola. Todos esses projetos, agrupados, formam a exposição permanente de tecnologias sustentáveis. O quintal da escola se transformou em uma vitrine para que outras pessoas pudessem encontrar algo que fosse útil para a comunidade”, diz.

Segundo Marcilene, os estudantes do CED Agrourbano são lhos de agricultores locais – do CAUB I – e levam os problemas para a escola. “E nós tentamos dar uma resposta. Nossa ideia é resgatar as práticas rurais inerentes à área e essa exposição permanente vem a ajudar neste sentido. São pequenas coisas possíveis de fazer dentro de uma chácara para manter o produtor dentro daquela região”.

Este ano, os professores de Ciências e Biologia Leonardo Teruyuki Hatano e Adriano Galvão, juntamente com a supervisora pedagógica Gedilene Lustosa, se empenharam na construção de uma sala ecológica, utilizando a tecnologia do superadobe e utilização de garrafas de vidro para aproveitamento da iluminação natural.

O projeto deu tão certo que foi selecionado para a 12a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia, ocorrida entre os dias 19 e 25 de outubro, no Pavilhão de Exposições do Parque da Cidade, em Brasília.

O professor Leonardo destaca que, para chegar a este projeto, “estivemos no Espaço Chico Mendes, na chácara do Sinpro, para fazer pesquisas de campo, analisando as bioconstruções que existem lá. A partir do que vimos e aprendemos, zemos uma adaptação para a nossa realidade”.

O objetivo, segundo o professor, é construir uma casa ecológica com materiais de baixo custo e fácil acesso, utilizando técnicas que proporcionem conforto térmico e acústico, iluminação natural, segurança e sustentabilidade. Ao nal, compartilhar as técnicas com a comunidade.

A construção com superadobe apresenta inúmeras vantagens, tais como economia e rapidez, em uma obra simples e ecológica, já que utiliza poucos materiais industrializados em comparação à construção convencional.

 

COMO SE FAZ

Na fundação foram utilizados pedras, areia, tijolos e cimento. Primeiramente foi escavada uma vala de aproximadamente 30 cm de profundidade e 45 cm de largura onde esses materiais foram colocados e compactados para estabilizar a construção.

A parede de superadobe é feita com terra compactada no interior de saco de polietileno. Entre as camadas de sacos é colocado arame farpado para aumentar a aderência. Nas primeiras camadas utiliza-se 5% de cimento misturado à terra.

O telhado verde é de placas de madeira (aglomerado) impermeabilizado com lona. Ele recebe o substrato fértil e nele é plantado espécies com sistema radicular super cial como a capuchinha (Tropaeolum majus). Do telhado verde, a água da chuva é captada por meio de calhas e direcionada para uma cisterna que será construída em ferro-cimento.

A iluminação é natural, com janelas de manilhas de cimento e vitrais de garrafas reutilizadas.

BOMBAS DE SEMENTE

Outro projeto bem interessante da escola é chamado “bomba de semente”, uma estratégia barata, de fácil confecção, divertida e e ciente para o re orestamento de áreas degradadas. Com ela é possível o estudo do Cerrado de maneira interdisciplinar e mais uma ferramenta para a conscientização ambiental da sociedade.

centro-educaional-agrourbano-ipe-2As “bombas de sementes” são, na verdade, bolas de argila recheadas de adubo e sementes, secadas à sombra por três dias. Depois, são lançadas nas áreas afetadas durante a época chuvosa, pois a água dissolve a argila, hidrata a semente e aumenta a chance de sobrevivência das plantas. A germinação é garantida.

A intenção é re orestar áreas desmatadas da ARIE da Granja do Ipê, principalmente aquelas próximas às nascentes e córregos, com sementes de plantas nativas de cada to sionomia.

Em ambientes urbanos, as bombas de sementes podem ser lançadas em terrenos baldios contendo sementes de ores e frutíferas.

Para saber mais sobre os projetos do CED Agrourbano Ipê basta acessar o link http://agrourbanosustentavel.blogspot.com.br/

sinpro

About The Author

Xapuri

Related Posts

Deixe uma resposta