Capital e Responsabilidade Socioambiental – problemas em aberto –

Há analistas mundiais que se perguntam se o atual modo de produção, montado sobre uma superexploração dos bens e serviços naturais, mediante uma excessiva concorrência, e com a ausência completa de cooperação, acrescida pelo individualismo cultural e pela exaltação da propriedade privada, do consumismo e das privatizações, não tornará a humanidade autossuicida.  Ela não estaria criando as condições de seu desaparecimento?

Os riscos apontados serão evitados somente se ocorrer uma Grande Transformação das Consciências e das práticas (…).  Isso exige vontade política de todos os países do mundo e a colaboração sem exceção de toda rede de empresas transnacionais e nacionais de produção: pequenas, médias e grandes.

Se algumas empresas mundiais se negarem a agir nesta direção poderão anular os esforços de todas as demais.  Por isso, a vontade política deve ser coletiva e impositiva, com prioridades bem definidas e com linhas gerais bem claras, assumidas por todos, pequenos e grandes. É uma política de salvação global.

O grande risco residiria na lógica do sistema de produção globalmente articulado. Como já consideramos, seu objetivo é lucar o mais que pode, no tempo mais curto possível, com a expansão cada vez maior do seu poder, flexibilando as legislações que limitam a voracidade. Diane das mudanças paradgmáticas, as empresas se veem confrantadas com esses dilemas:

– Ou se autonegam, mostrando-se solidárias com o futuro da natureza e da humanidade e mudam sua lógica com o risco de irem à falência ou serem absorvidas por outras mais renitentes.

– Ou se autoafirmam em sua busca de lucro, desconsiderando toda compaixão e solidariedade, mesmo passando por cima de montanhas de cadáveres e da Terra devastada. Mesmo com um Titanic afundando, continuam fazendo negócios, comprando e vendendo jóias.

Nesse caso as empresas e o sistema vigente escolheriam o caminho já percorrido pelos dinossauros. Seeria um fim trágico.Mas confiamos que a lógida da vida, que sempre quer mais vida, seja mais forte do que a lógica do sistema e a voracidade por lucro das empresas, que é, em último termo, fugaz e ilusória.

Não dignfica a vida, antes a ameaça.

ANOTE AÍ:
Quer continuar lendo sobre este tema?
Leonardo Boff – A Grande Transformação na economia, na política e na ecologia.
Ediora Vozes, 2014

About The Author

Leonardo Boff

Filósofo, Teólogo, Escritor

Related Posts

Deixe uma resposta