Os terremotos são uma indicação clara de que a Terra é um planeta internamente ativo. Os terremotos são fenômenos naturais altamente destrutíveis e assustadores que, dependendo do seu epicentro, quase sempre vêm acompanhados de maremotos, cujas ondas, denominadas tsunamis, quando atingem o litoral, são devastadoras.

Um terremoto pode ser definido como um tremor causado pela liberação repentina de energia. Essa energia é o resultado de deslocamento de rochas que compõem as falhas tectônicas ou que constituem os limites das placas tectônicas. O primeiro impacto do terremoto recebe o nome de primário, sempre com muita intensidade.

Entretanto, os ajustes ao longo de uma falha provocam uma série de abalos secundários que, embora em menor intensidade, dependendo da duração, podem ser tão devastadores quanto o primeiro impacto. Muitos terremotos precedem ou até estão associados a atividades vulcânicas, mas nem sempre o vulcanismo é responsável pelos maiores terremotos.

A Teoria do rebote elástico, do geólogo Reid, explica a origem dos terremotos. Segundo Reid, a energia armazenada nas rochas submetidas à deformação é semelhante à energia armazenada em uma mola de relógio firmemente enrolada. Quanto mais firme estiver a mola enrolada, tanto mais energia é armazenada. Quando a mola se rompe, a energia é liberada, causando o primeiro grande impacto e, à medida que a mola vai se acomodando, até atingir o formato original, acontecem comparativamente os abalos secundários.

Outro exemplo didático é aquilo que acontece quando se verga uma vara longa e reta sobre o joelho. À medida que a vara verga, ela vai se deformando até chegar ao ponto em que a concentração de energia é tanta que ela se rompe, causando o primeiro impacto. Os movimentos da vara até voltar ao estágio anterior corresponderiam às ondas que provocam os abalos secundários.

Tamanho e Força de um Terremoto7

Atualmente se usam três medidas para avaliar um terremoto. Uma medida é baseada na intensidade. Trata-se de uma avaliação qualitativa dos danos causados por um terremoto.

A escala de intensidade mais utilizada é a Escala de Mercalli, que varia de 1 a 12 pontos. Esta escala não mede a força do terremoto, mas concentra-se nos estragos por ele provocados. Assim, um terremoto forte que acontece em área desabitada é menos importante que um terremoto mais fraco que acontece em área densamente habitada, pois os estragos deste para seres humanos são maiores.

Em contraposição à escala de intensidade, existem as escalas de magnitude, que medem a quantidade total de energia liberada por um terremoto em sua fonte.

É uma escala sem limites, com valores começando por 1, sendo que a maior magnitude até agora registrada foi de 8.6. Embora valores maiores do que 9 sejam teoricamente possíveis, são improváveis, porque as rochas não são capazes de armazenar energia para gerar um terremoto de tal magnitude. Sua existência provocaria uma catástrofe indescritível.

A mais popular e mais usada Escala de Magnitude, é a “Escala Richter” – desenvolvida em 1935 pelo sismólogo Charles Richter. Para evitar grandes números, Richter usou uma escala logarítmica de base 10, convencional para converter a amplitude da maior onda sísmica registrada para um valor numérico de magnitude.

Portanto, cada aumento no número inteiro representa 10 vezes o aumento na amplitude da onda. Por exemplo, a amplitude da maior onda sísmica para um terremoto de magnitude 6 é 10 vezes maior que um terremoto de magnitude 5 e 100 vezes maior que um terremoto de magnitude 4 e 1.000 vezes maior que um de magnitude 3 (10x10x10=1.000).

A Escala Richter foi elaborada para medir as ondas em um sismógrafo e a uma distância específica do terremoto. Uma de suas limitações é que subestima a energia de terremotos grandes, porque mede o pico mais alto em um sismograma, que representa apenas um momento do terremoto. Para solucionar o problema, os sismólogos desenvolveram a Escala de Magnitude Momento Sísmico, que leva em consideração toda a extensão do terremoto e áreas adjacentes.

Intensidade e Amplitude de um Maremoto

Em dezembro de 2004, um terremoto de magnitude 8.9 aconteceu numa extensão de mais de 150 km ao norte de Sumatra, na Indonésia. Uma de suas consequências foi a formação de ondas gigantes que atingiram o litoral da Indonésia, Índia, Tailândia, Malásia e outras áreas da região. Essas ondas causaram a morte de mais de 150 mil pessoas e prejuízos incalculáveis.

Essas ondas gigantes recebem os nomes de onda de Maré, ou tsunami, que em Japonês significa maremoto. Os tsunamis são ondas marítimas destrutivas geradas pela liberação de grande quantidade de energia. A maior parte desses fenômenos resulta de terremotos submarinos, mas vulcões e deslizamentos marinhos podem também causá-las.

Uma vez formado, o tsunami pode percorrer um oceano inteiro sem ser percebido porque em mar aberto possui ondas baixas e a distância entre as cristas pode ser de quilômetros. Entretanto, quando chegam em águas rasas, essas ondas aumentam incomumente de tamanho causando impactos devastadores nas áreas litorâneas.

Um dos sinais de alerta sobre a aproximação de um tsunami é que alguns são precedidos de uma retirada súbita do mar da região costeira. Nesta ocasião, muitas pessoas desavisadas adentram ao litoral à cata de peixes, corais, conchas, e são pegas em surpresa pelas ondas gigantes.

About The Author

Altair Sales Barbosa

Professor, Pesquisador do CNPq, Doutor em Antropologia e Arqueologia pela Smithsonian de Washington DC

Related Posts

Deixe uma resposta