A tradição tem o ranço venenoso. É pesada para se carregar e importante demais para ser abandonada. Vem envolta no egoísmo exuberante, maquiado com vaidade punitiva, delineando traços e traços de intolerância, busca saciar sua sede no poder pelo poder, mero poder, alivia-se do tédio matutando, ruminando, maquinando a ação. A tradição se envaidece com suas obras, mede status, nomes, beldades, sobrenomes, é mestre e doutora em superficialidade. A tradição vista pelo sensível olhar da escritora nos põe de frente com as fraquejas e vilezas da tradição.

 

A tradição! Ah, a tradição!

Por Nádia Aparecida Pires

A tradição tem o ranço venenoso de hábitos e hábitos inveterados. Envolta no egoísmo exuberante, maquiado com vaidade punitiva, delineando traços e traços de intolerância, segue contornando sombras de toda ordem. A tradição busca saciar sua sede no poder pelo poder, mero poder, alivia-se do tédio matutando, ruminando, maquinando a ação, deseja o poder de incrustar a possessão, a repressão, a dominação que ora marginaliza, ora escraviza, no engenho da manipulação que sufoca, desvirtua e anula. A tradição, busca disfarçar a moléstia crônica que referenda sua existência percorrendo espaços, lugares, territórios e expondo um discurso paladino da ética, da moral e da justiça. Nociva como praga, sua meta compulsiva é a massificação da alienação.

A tradição! Ah, a tradição! A tradição tem passos sorrateiros, exala violência, mediocridade e violação nos estalos dos açoites chibateiros, em meio aos segredinhos inconfessáveis, além dos atos infracionários carniceiros. A tradição! Ah, a tradição! A  tradição repudia o amor, rejeita a ternura, detesta a compaixão. A tradição aprecia as artimanhas, os disfarces velados, a conspiração abominável, cultiva a vingança, o desafeto, o descaso, investe na concorrência forjada e desleal, desdenha do que se tornou concreto, prefere a arbitrariedade convencional.

A tradição! Ah, a tradição! Enxerga tudo que se move como objeto, subestima a vida do poeta, do intelectual. A tradição se esbalda em frouxos de risos ao perceber a meninice de quem a confunde com costumes, folclore, ação cultural. A tradição se julga muito astuta, despreza a inteligência, a sabedoria dos que lhe parecem simples e natural, fala em humildade, resignação, mas tem gosto apurado pelo artificial. A tradição exibe o formato intocável, prefere a cordialidade à uma amizade leal, nunca permitiu-se amar de verdade, sua estrutura é resumida, o princípio é o capital.

A tradição! Ah, a tradição! Sua existência é limitada e irônica, seu olhar calculista, a palavra ensaiada, ignora os próprios tropeços e gafeadas, dissimulada, camufla erros, frustrações, age como robô, livre de choro e emoções. A tradição é certeira, nunca erra, acredita ser a mais sábia! Sabida demais! Encobrir suas falhas é sua maior tônica. Oculta suas fraquezas e remorsos, precisa sempre parecer fortalecida, abraça este ato como incumbência ou missão, pois seu universo vincula-se ao coibido, onde falhar, chorar, arrepender, render, ser espontânea, remete a proibição! A tradição comporta-se genuinamente com espírito provinciano. Em suas escribas há a omissão dos grotões dos burgos putrificados e da sua intimidade com a arrogância, usurpação.

A tradição conspira e não tece consideração, faz tudo sob medida, é estupradora, narcisista, intolerante, orgulhosa e consequentemente, invejosa, maldosa, frente as “amizades” e histórias de amor. A tradição sabe falar, criar situações engenhosas, premeditadas, constrangedoras, mas detesta ouvir, ver, escutar, compreender. A tradição se envaidece com suas obras, mede status, nomes, beldades, sobrenomes, é mestre e doutora em superficialidade. Enrugar, envelhecer, desprender, como assim? A tradição é especialista em manobras, ludibria a si mesma ofuscando o tempo, com isso o tempo e o vento se deixam levar. Enfim, são convictos parceiros da efemeridade, conhecem a morte e seus diversos codinomes. A tradição ignora o original, a sensatez, a transparência. Corruptível, corrupta, corrompida, posa de justa, sensata, honesta, pontual, mas causa revolta, indignação, desconfortabilidade, pois  para a tradição o abusivo é normal! A tradição devasta, controle é seu prazer, pouco se importa com o que você sente, ela quer impor o que você faz ou deixa de fazer. A tradição constitui-se de conservadorismo positivista, sua pregação fantasiosa mais cedo ou mais tarde surpreende a todos apresentando-se decrepitamente incoerente.

A tradição! Ah, a tradição! A tradição corroi, assassina, devora cérebros, corpos, fígados, corações, até mesmo o andar de forma vampiresca e tenaz, sem se dar conta da sua covardia, sem lutar pela própria anistia. Acredita ser muito sábia! Sabida demais! Sede ao deleite e vangloria-se pela autoria de suas malfeitorias e seu dom estripador. A tradição irreparável nem se dá conta do quanto é invasiva, inconsequente, pensa que engana a todos, taticamente, mas é incomparavelmente despudorada, e hipocritamente a mais leviana, soberba, adúltera, sem coração, sem amor ou paixão ou compaixão, é a mais tirana de todas as transmissões. A tradição! Ah, a tradição!

Nádia Aparecida Pires – Vilaboense. Natural da Cidade de Goiás/Go, reside em Goiânia. Graduada em Educação Física com especialização lato sensu em Saúde Pública; Educação; Psicopedagogia. Oficineira e Autora de Livros e de Artes Visuais , Musicista. Colaboradora da Alaneg/RIDE e da Xapuri.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. É, também, com um percentual dessas vendas, que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, do povo Krenak, em Minas Gerais, do Museu Kalunga Iaiá Procópia, em Goiás e do povo Xavante, no Mato Grosso. Ao comprar em nossa Loja Xapuri, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Contamos com você! WhatsApp: 61 9 99611193.

 

HISTÓRIA, COMPROMISSO E SOLIDARIEDADE:

Desde o nascimento da Xapuri, em 2010, sempre trabalhamos com o coração, dando o melhor de nós a serviço da luta e dos movimentos sociais.

Sempre foi nossa paixão contar histórias, repassar informação de qualidade e, sobretudo, construir espaços de comunicação que sejam úteis para as populações indígenas e tradicionais do Brasil.

É nosso compromisso compartilhar não somente conhecimento, mas também, na medida do possível, fortalecer entidades e movimentos que trabalhem na construção de um mundo melhor que ainda acreditamos ser possível.

Com o agravamento da crise econômica, especialmente depois do golpe de 2016, manter nosso trabalho e nosso apoio a quem precisa vem ficando muito difícil.

Por essa razão é que criamos a Loja Xapuri.

Nossa Loja Solidária nasceu no ano de 2018, por conta de um compromisso, uma paixão e uma precisão.

Aqui você não compra só um e-book, aqui você colabora com uma causa, você investe em Solidariedade e Resistência.

%d blogueiros gostam disto: