Por: Edmar Scarabello

Mensagem de um idiota útil em agradecimento ao Senhor Presidente: 

Caro Senhor Presidente, meu nome é Edmar Scarabello, tenho 42 anos e sou natural de Jaú, interior de São Paulo. Sou formado em Engenharia Mecânica pela Universidade Federal de Uberlândia, situada no estado de Minas Gerais.

Ao longo de toda minha carreira venho acumulando elogios e reconhecimentos, tanto à minha pessoa quanto ao meu profissional, mas nunca, nem de longe, alguém conseguiu traduzir tão adequadamente o que me tornei na vida: um idiota útil.

De infância difícil, família pobre e morando na periferia da cidade, nunca precisei sair de dentro do meu lar para ter contato com violência doméstica, depressão, vício em alcoolismo, polícia na porta de casa, falecimento da mãe quando eu estava com sete anos e uma família completamente desestruturada. Essa era a minha rotina numa típica família tradicional que o senhor tanto defende no seu maravilhoso mundo de Alice, ou de Frozen? Lamento informar, mas há milhares de famílias iguais a minha. Por isso que somos tradicionais.

Vivendo num ambiente desses há sempre reflexos, por exemplo, no meu desempenho escolar. Sempre fui um aluno mediano, mais para baixo da média do que para cima. Ia para escola mais para ter paz e comida do que para aprender. Nessa época eu não sabia a “fórmula da água” e, honestamente, nem estava interessado em saber. Sobrevivência vem sempre em primeiro lugar. Em anexo uma foto do meu registro escolar para vossa lamentação e desprezo.

Aos treze anos de idade meu pai deixou o lar e passei a morar somente com minha irmã. Minha irmã trabalhava em dois empregos para suprir as despesas da casa e eu passei a trabalhar numa fábrica de calçados, passando cola em sapatos. Passava o dia respirando cola e durante a noite estudava num colégio técnico.

Foi uma professora, Luíza, que lançou um olhar diferenciado para minha pessoa e conseguiu uma bolsa de estudos para mim em um dos melhores colégios particulares de ensino médio da cidade. Luíza justificou o pedido da bolsa para o dono da escola dizendo que eu era um menino desperdiçado e que a Educação era a oportunidade de transformação da minha vida. Em troca da bolsa de estudos eu passei a trabalhar na secretaria da escola. Feito um conto de fadas, eu deixei de passar cola em sapatos para ter acesso à Educação de qualidade.

Frequentando um ambiente muito mais saudável, em meio a estudantes que se esforçavam para ingressar em faculdades e, trabalhando com os professores do colégio que, além de ensinarem, serviam de inspiração, eu passei a vislumbrar outros caminhos e oportunidades na vida. Passei a sonhar. Faculdade naqueles tempos era vista como lugar de gente rica.

Pela primeira vez eu ousei em sonhar com uma faculdade. Não foi fácil, mas através de muito estudo e esforço eu consegui. Numa época que não havia programas de cotas ou financiamentos, fui aprovado na Universidade Federal de Uberlândia, na Universidade Estadual de São Paulo e na primeira fase da Universidade Estadual de Campinas, que me dei ao luxo de nem fazer a segunda fase pois Uberlândia era meu objetivo. Lá, além de ser uma excelente faculdade na época, eu poderia morar com meu irmão para reduzir ao máximo as despesas. Pobre tem que se virar. Consegui até bolsa alimentação na faculdade para comer de graça no restaurante universitário.

A partir daí, uma nova pessoa se revelou dentro de mim: um idiota, como o senhor gosta de adjetivar. Só mesmo um idiota desacreditado na vida para passar a acreditar no valor do estudo, do esforço contínuo e do trabalho digno e honesto para obter resultados.

O aluno mediano do ensino fundamental, que quase reprovou em Matemática, imagina, se tornou um dos melhores alunos da Faculdade de Engenharia, onde mais de 30% dos alunos ingressantes desistem ou reprovam nas disciplinas de Cálculo Diferencial e Integral, Física ou Química. Não peça para vosso atual Ministro da Educação fazer a conta do percentual, ele vai errar.

Em anexo uma foto com o registro do meu desempenho no início da faculdade de Engenharia para vossa apreciação e admiração. Uma demonstração prática de como um pobre vira gente nesse país.

Dentro da faculdade participei de programas de excelência fomentado pela CAPES, realizei pesquisas, auxiliei em teses de mestrado, participei da Empresa Júnior e realizei trabalhos de estudo e extensão visando também, além da formação técnica, a formação humana. Tudo para aprimorar o pensamento da existência humana, das necessidades e do convívio em sociedade e das relações com as diferenças. Se não me engano, essas áreas de estudo são conhecidas como Filosofia e Sociologia. Deixa pra lá, não tem importância para o senhor.

De fato, eu sou mesmo um idiota. Como já disse, somente um idiota para valorizar tanto a Educação e, através de muito estudo, trabalho e sacrifício, ter uma formação de Excelência. Somente um idiota para ter trabalhado dez anos em empresas multinacionais no setor energético, gerenciando e administrando grandes contratos da área de transmissão e distribuição de Energia no país.

Somente um idiota para ter construído uma sólida carreira internacional, com 5 anos de atuação em países como Estados Unidos, Portugal e Alemanha. Lá, os grandes líderes e diretores das empresas gostavam de se reunir e sentar à mesa comigo.

Somente um idiota para falar três idiomas: Português, Inglês e Alemão. Somente um idiota para ter se beneficiado do dinheiro público para gerar valor para própria sociedade com intercâmbio de gestão e soluções tecnológicas pelo mundo.

Numa coisa o Senhor Presidente tem razão. Não pode ser qualquer idiota. Tem que ser um idiota útil. Útil para a sociedade. Útil para a Vida. Útil para os seres humanos e para a natureza.

A Luíza, minha professora, também tinha razão: a Educação poderia transformar minha vida como, de fato, transformou. 
Por ironia do destino, a Luíza foi minha professora de Química no ensino técnico. Com ela eu aprendi não somente a “fórmula da água”, mas também a fórmula da ética, do caráter e a fórmula da crença na Educação que enobrece uma pessoa e colabora para o desenvolvimento de uma sociedade.

O resultado da minha vida poderia ter sido igual ao do Senhor, não um idiota, mas um esperto. Tem que ser muito esperto para se manter tantos anos se aproveitando e usufruindo da política sem nunca ter produzido nada de útil para sociedade.

Tem que ser muito esperto para não abrir mão de benefícios como “auxílio-moradia” usados para “comer gente”. Tem que ser muito esperto para se envolver com milícias, laranjas e “chocolatinhos”.

Tem que ser muito esperto para “insitar” a violência, primeiro contra a Língua Portuguesa, mas, principalmente, contra os menos favorecidos, as diferenças e desigualdades sociais, usando armas em nome de Deus, da Fé e da família tradicional.

O Senhor Presidente não é um idiota. O Senhor é um esperto, mas é o esperto mais inútil que tive o desprazer de conhecer.

Já eu, do alto de minha idiotice útil, por vezes fútil, resolvi redirecionar minha carreira. Hoje tenho uma escola no interior do Ceará. A motivação para esse redirecionamento foi simples. Quem mudou minha vida foi a Educação através do olhar de uma professora e o gestor de uma escola. Então hoje eu me tornei o professor e o gestor na vida de outras pessoas sonhadoras com um futuro melhor e com melhores oportunidades. A Educação transformou minha vida e estou tentando devolver para a Vida o que a Vida me deu. Coisa de idiota, fala a verdade???

Há que se ter muito cuidado na interpretação dos fatos. Não tratem minha história de vida como uma exceção. Eu não sou e nem fui uma exceção. Exceção foi minha professora Luíza. Exceção foi o dono da escola que me concedeu a bolsa de estudos. Eles quem fizeram o papel do Estado e dos Governantes.

De onde eu vim, havia milhares de jovens com o mesmo potencial ou talento muito maior do que o meu, mas infelizmente eles não tiveram as mesmas oportunidades e acessos que eu tive. Talvez porque desde sempre não pertençamos à família tradicional. Talvez porque pretos, pobres, gays, indígenas e ateus tenham mesmo que arder todos no fogo do caldeirão dos governantes de uma nação. Esse tipo de gente só serve mesmo, quando muito, para votar, e olhe lá.

Apesar de tudo eu sou feliz e durmo em Paz. Eu prefiro continuar sendo esse idiota útil que uma Universidade Federal me fez. Eu sou o resultado da transformação através da Educação de Qualidade. Pessoas gostam de estar junto de mim.

O Senhor Presidente, de família branca tradicional, tem grande apreço e admiração pela beleza da família branca americana, mas, ao que me consta, nem eles querem sentar a mesa com o senhor. Bem-vindo ao mundo da opressão, da humilhação, da enganação e do preconceito. O mérito é todo do Senhor, esperto Presidente.

Na tentativa estúpida de fazer do Brasil uma inspiração no modelo americano, o senhor tem conseguido, através de tantas atrocidades, o descaso com a Educação e o armamento da população, transformar esse país num Afeganistão. No futuro estaremos todos correndo juntos “caçando pipas”. O senhor certamente não entenderá a metáfora pois prefere o Twiter a ler livros…

Antes de finalizar deixo aqui meus sinceros agradecimentos e reconhecimento para todos meus Professores, Mestres e Doutores da Universidade Federal de Uberlândia e para toda comunidade docente e discente do ensino público do nosso País.

Em especial para minha professora Luíza, por ter sido um anjo em minha vida.

Para nosso ilustríssimo Presidente eu deixo aqui meus sinceros agradecimentos. Eu já sabia a fórmula da água, mas graças ao senhor, eu descobri o que é Golden Shower.

Com estimas, de um idiota útil para um esperto inútil.”

Edmar Scarabello

MENSAGEM PARA O AUTOR: Edmar Scarabello, não o conhecemos, mas temos um orgulho danado de ter encontrado o seu texto em um grupo de zap. Aquele Abraço!

P.S. Emprestamos suas fotos, encontradas no seu Facebook.

ANOTE:  Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta de movimentos sociais Brasil afora. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Visite nossa Loja Solidária: https://www.xapuri.info/loja-solidaria. Em Brasília, encomendas com Janaina: 61 9 9611 6826. Camiseta Marielle: https://www.xapuri.info/produto/camiseta-marielle/

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: