Os lados da depressão

FRANCIELLE COSTACURTA

* Esta resenha é do livro Poesia em primeira pessoa escrito pela poetisa Francielle Costacurta a ser lançado em janeiro, pela Editora Ceos.

A temida depressão, ela que vai e volta. Depois de anos convivendo com os seus sintomas, que gosto de chamar de “feridas na alma e dores psicológicas”. A gente aprende algumas habilidades para melhor conviver, com esse estranho que nos paralisa e entristece. Do contrário pessoas felizes, contentes como vivem o tempo inteiro, são muitas vezes insensíveis às dores e opressões de quem está ao seu lado. Agora o depressivo, a cada sopro seus espinhos se ouriçam, e a sensibilidade torna-se muito grande. São detalhes, possibilidades que enxergamos quando estamos sem crise. A reflexão e o auto conhecimento, vem com mais força, independente da idade das pessoas. É parecido com estar apaixonado, a cada música romântica, achamos uma mensagem secreta para nós. Ou uma grávida estar próximo do trabalho de parto, ou estar enfrentando um diagnostico de câncer. É nesse momento, que notamos como é importante a vida própria, a vida de outros seres humanos. O olhar muda, a percepção e o cuidado com os outros também.

Existem cuidados mentais feitos em diários, que são relatos do cotidiano. E que quando combinados com outros pareceres de leitura, outras experiências, podemos flexionar o verbo, numa auto reflexão. Essa ação é passível de ser feita através da poesia. Uma válvula de escape, para tanta opressão. Em um mundo onde é feio mulher falar alto, responder a altura do agressor, que se justifica pelo fato que é “superior” na hierarquia afetiva, no ambiente de trabalho, sobre a idade, na escola. Em outros momentos da consciência, o atingido chega a mapear, as fragilidades do sistema, e montar narrativas irônicas de quem o atinge. E ainda em outros momentos, se esquece que esteve em surtos de pânico severo e se deita a cabeça na cama e aproveita a tranquilidade, deixando a culpa de lado, e aproveitando toda a viagem. Curtindo um hip hop que imita as batidas do coração, contemplando toda a paisagem e cada momento que se pode propiciar a alegria, o equilíbrio, sabores e experiências novas.

A regra não é única, nem todo psicótico depressivo é poeta, nem todo esquizofrênico é pintor. Alguns passam por fases que perdem a autonomia, e que podem reconquistar ou não. E nem toda a pessoa sofrida consegue dar a volta por cima, pela força do pensamento como diz o livro “O Segredo”. Mas o poder de ter auto disciplina, na pesquisa e descrição das próprias dores. Torna cada recordação memorável, e não há o que limite a força dos versos, eles ainda podem didatizar cada sentimento em gestos de solidariedade de quem passa pela depressão, de épocas e modas, que foram muito mais que consumismo e frustração, foram amores e prazeres, registrados em prosa e poesia. Daqui a cem anos, a nova geração vai ver que uma representante da espécie humana, chamada Francielle Costacurta, cumpriu uma função social isto é fez a demonstração da arte da retórica, poética e politica na realidade que se viu inserida. Além da prática mecânica de viver, filhos, marido, dinheiro no banco. Desta vez sem demandas prescritas por pais, professores e chefe de departamento da universidade, eu escrevi a minha poesia em primeira pessoa. E lanço esse livro, como um desafio, de ter a minha subjetividade à mostra, trabalhada em flagrantes de momentos de emoção, pequenas coisas que podem ser grandes e importantes. Para quem ainda pode escrever muitas e várias auto biografias pela frente.

Francielle Costacurta – Eu sou escritora e assistente social de formação. Elaboro ensaios e poesias. Ganhei um prêmio no Ministério da Cultura chamado Diálogos e ações intersetoriais, por ter representado a historia de uma comunidade rural em contos. Atualmente sou dona de casa, e assumi o fato de ter depressão. Elaborei poesias a este repeito e outras coisas que estão ao alcance dos dias e das mãos.

 

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9961 1193.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: