Antonio Villarreal nos apresenta uma necessária reflexão sobre a morte e sobre a dor da perda e os passos de quem fica: choro, lembranças, arrependimentos, luta diária para superar e por fim, o esquecimento. Nos apresenta a condição de quem sobrevive hoje após perder uma pessoa querida. Lembra- nos que  coronavírus traz a ameaça de morte sobre todos e. ela aparece sem escrúpulos e sem pedir licença.

 

Se tem um assunto do qual não gostamos de abordar é a morte. Lembramos de forma distante. Mas, atualmente, não há como se afastar desse fato. É torturante para todos e nos causa uma dor diferente de todas as dores: é quase insuportável.

Nos traz arrependimento, frustração, culpa e um aperto no coração.  Ficamos sem chão, sem voz. A morte vem e leva a todos, simples assim.

A partir daí a dor que passamos a sentir nos envolve com lembranças pela perda que nos faz afastar de nossa rotina e dá aquela vontade de relembrar e chorar.

A dor nos abala e nos deixa sem palavras. Os olhos ficam vermelhos cheios e de lágrimas. Passamos a lutar com nossos próprios sentimentos.

Estamos tão ocupados com nossos afazeres e, projetos de vida que os recursos mais usados por alguns de nós é o esquecimento. Sempre é melhor esquecer e seguir em frente sem refletir e sem entender essa dor.

Nesse momento de pandemia, piora a situação, uma vez que o tema é notícia obrigatória em todas as mídias. Falam de quantidades de mortos, das famílias em desespero, dos cuidados para o vírus não se alastrar, da necessidade de enterrar com rapidez para não transmitir a coronavírus. Até o velório, que nos reúne para lembranças e homenagens, ficou descartado e a morte se tornou mais do que um pesadelo.

Neste tempo de pandemia da Covid-19, por mais que possamos driblar a morte, ela aparece sem escrúpulos e sem pedir licença. Está presente e não adianta tentar esquecer, pois ela está em tudo o que nos rodeia. Está em qualquer lugar. É o assunto principal. Quando o silêncio do distanciamento social nos faz começar a esquecê-la, as sirenes das ambulâncias não param de nos alertar e a nos angustiar a alma.

A morte existe e temos de enfrentá-la com coragem e humildade, entender seu significado e guardar na memória com carinho as vidas que se vão. Dia 2 de novembro de 2020, será marcado como um Dia de Finados diferente. Este ano, será uma data que nos fará, certamente, refletir sobre uma mudança necessária dentro de nós e na nossa sociedade individualista e excludente. E isso é o que importa, pois a alma que não se sensibiliza jamais realizará seus sonhos e desejos.

Menos elitismo e mais humanidade, talvez nos façam mais humanos, com nós mesmos e com o próximo, e, por conseguinte, vamos reaprendendo a dar maior valor à vida. Com mais humanidade, teremos mais capacidade de nos comprometermos e não ficar alheios e distante. Com menos elitismo, melhoramos nossas atitudes e buscaremos o bem-comum, a paz, a justiça e a igualdade em nosso planeta.

Antonio Villarreal é professor do Sinpro-DF

Salve! Este site é mantido com a venda de nossos produtos. É, também, com um percentual dessas vendas, que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, do povo Krenak, em Minas Gerais, do Museu Kalunga Iaiá Procópia, em Goiás e do povo Xavante, no Mato Grosso. Ao comprar em nossa Loja Xapuri, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Contamos com você! WhatsApp: 61 9 99611193.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: