“O suicídio é apenas a ponta de um iceberg”, diz especialista

O mês de setembro é dedicado à prevenção do suicídio, importante problema de saúde pública que vem aumentando em todo o mundo. A situação trata de pessoas que vivem sob tensão e acabam expressando de modo agudo essa angustia e padecimento.
A médica do Serviço de Psiquiatria do Hospital Moinhos de Vento, Carmen Baldisserotto, diz que o suicídio pode ser uma consequência de fatores tanto internos como externos. No primeiro caso, transtornos mentais(depressão, bipolaridade e personalidade impulsiva ou agressiva), histórico de tentativas de suicídio, dependência de álcool e/ou drogas e esquizofrenia, são os principais riscos.
Quanto as razões externas, questões culturais e socioeconômicos, acontecimentos estressantes e perturbações mentais também se enquadram em possíveis motivadores. “O alerta começa com a mudança de pensamentos, que se tornam negativos, geralmente devido ao sentimento de tristeza, desesperança e desamparo.
O suicídio é apenas a ponta de um iceberg. Quando os pensamentos mudam com relação à morte, devemos ‘acender o sinal vermelho de alerta’, já que pensar, desejar e querer se matar não são o esperado quando estamos nos sentindo bem”.Com relação à hereditariedade, a especialista avisa: “tanto transtornos mentais quanto suicídios incidem mais em algumas famílias. Parentes de primeiro grau de pessoas que cometeram o autocídio têm cinco vezes mais chances de atentar contra a própria vida”.

Dados recentes

O Sistema de Informação sobre Mortalidade (SIM), do Ministério da Saúde, divulgou em abril deste ano o Mapa da Violência 2017, que revelou um aumento de quase 10% das taxas de morte por suicídio de 2002 a 2014, na faixa dos 15 aos 29 anos.

Em relação ao Rio Grande do Sul, a cada 100 mil habitantes, 10,14 morreram por suicídio em 2015. Esse número é quase o dobro da média nacional, que é de 5,4. No total, são cerca de mil óbitos por suicídio a cada ano no Estado. Dados da Organização Mundial da Saúde (OMS) revela que mais de 800 mil pessoas morrem por suicídio a cada ano em todo o mundo, o que equivale a uma morte a cada 40 segundos. No Brasil, as taxas de suicídio são de 15 casos a cada 100 mil habitantes para os homens e 8 casos a cada 100 mil habitantes para as mulheres.

O diagnóstico tardio, a carência de serviços de atenção à saúde mental e o tratamento inadequado agravam a evolução da doença. “Por isso, devemos detectar precocemente a vulnerabilidade emocional e encaminhar para tratamento psiquiátrico e psicológico”. Ainda conforme a psiquiatra, cerca de 95% dos suicídios podem ser prevenidos. “Uma grande parcela de suicidas não necessariamente queria morrer, só queria dar um tempo na vida, queria uma pausa ”.

A partir da década de 1990, a OMS passou a considerar a doença como um problema de saúde pública e incentivou a criação de planos nacionais e estratégias de prevenção eficazes. O Setembro Amarelo é um exemplo de campanha de conscientização, foi implantada no Brasil pelo Centro de Valorização da Vida (CVV), Conselho Federal de Medicina (CFM) e Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) em 2014 e promove ampla divulgação de informações. Somado a isso, em conjunto com outros estados-membros da OMS, o País assumiu o compromisso de reduzir em 10%, até 2020, o número de suicídios.

Para ajudar pessoas e familiares, o CVV realiza apoio emocional através de um atendendo voluntária e gratuito, sob total sigilo, por intermédio do telefone (188), e-mail, chat e site, disponível 24 horas, todos os dias.

Fonte: Serviço de Psiquiatria do Hospital Moinhos de VentoCarmen Baldisserotto

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

 

Comentários

%d blogueiros gostam disto: