Todo esse quiproquó a respeito do problema do momento de execução da pena privativa de liberdade aponta para uma jurisprudência altamente inconsistente, que antes de orientar as partes, as demais instâncias judiciais e o público, serve para desorientá-los.

Comentários

%d blogueiros gostam disto: