Lula na Time: a dor de cotovelo e o vagalume

Por José Ribamar Bessa Freire/via Taquiprati

 Ai! Penicilina cura até defunto! / Ai! Petróleo bruto faz nascer cabelo!

Mas ainda está pra nascer o doutor / Que cure a dor de cotovelo! Ai ai ai!

(Linda Batista: Marchinha da Penicilina, 1953)

Lula com postura de estadista na capa da Time, que lhe abriu várias páginas para uma longa entrevista concedida no final de março, deixou morrendo de inveja o Coiso e seus quatro zeros, assim como o general Heleno-se-gritar-pega-centrão. Afinal, a maior revista semanal do planeta atinge um público de mais de 26 milhões de pessoas no mundo inteiro. E nesta quarta-feira (4) antecipou a divulgação da fala de Lula na edição que vai circular somente na última semana de maio, o que prolonga a dor de cotovelo.  

– Ninguém cura dor de cotovelo – cantava Linda Batista nos anos 50.

De lá para cá muita coisa mudou. O marombado deputado Daniel Silveira, se quiser, pode implantar fios de cabelo em sua obscena careca sem usar petróleo bruto. Penicilina não cura defuntos, mas adiou muitas mortes, incluindo a do seu descobridor, o cientista britânico Alexander Fleming, da mesma forma que a covid-19, que matou mais 660 mil brasileiros, só não fez mais vítimas graças à vacina. E dor de cotovelo pode ser aliviada com boas psicanalistas como Maria Rita Kehl ou Vera Iaconelli. A ciência avança.

No entanto, de lá para cá, registramos também retrocessos. Hoje, o poder público no Brasil nega a ciência, proclama que “a terra é plana”, que “a vacina mata ou causa aids”, além de açular sua militância raivosa contra cientistas, artistas e promotores culturais e até para invadir hospitais e o STF. Estamos distantes dos tempos em que a ciência era respeitada pela totalidade da sociedade brasileira, até mesmo pela Zilá, irmã do Guilherme Porca-Vadia, lá do bairro de Aparecida, em Manaus.

Música e ciência

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Quase morta, salva pela injeção de penicilina aplicada por dona Quinu, a Zilá celebrou a vida no carnaval de 1955. Eu tinha apenas oito anos, mas a vi, deslumbrado, requebrando o bumbum calipígio e cantando em plena folia na praça Bandeira Branca em frente à taberna do Jaime Esconde-Faca:   

– Ai! Pilicilina cura até defunto.

Penicilina ou Pilicilina não importa, os brasileiros confiavam na ciência, como asseveram Ildeu de Castro, doutor em Física com passagem pela Universidade de Paris VII e Luísa Massarani, pós-doutora pela Universidade de Londres:  

– “As relações entre ciência e música são muito profundas e têm suas raízes no próprio surgimento da ciência moderna. A música tem uma base física importante. Produtos científicos ou tecnológicos que impactam a sociedade são tomados como mote artístico, como na ‘Marcha da Penicilina’ gravada por Linda Batista. Note que ela não crê que a ciência médica resolverá todos os problemas ‘doloridos’ do ser humano” – escrevem eles no artigo “(En) canto científico: temas de ciência em letras da música popular brasileira”.

Mas revenons-en à nos moutons: a dor de cotovelo. O Coiso e seus seguidores coisificados enlouqueceram, vendo a Time proclamar no subtítulo que Lula, “O LÍDER MAIS POPULAR DO BRASIL BUSCA RETORNAR À PRESIDÊNCIA”O general Heleno-se-gritar-pega-centrão, surpreendido com a revista, cuja linha editorial sempre foi anti-comunista, arengou:

– A revista “menospreza a memória e a inteligência dos brasileiros de bem. Lamento que se enalteça e se dê espaço a quem tanto mal fez ao Brasil e, com seu Vice, canta o Hino da Internacional Socialista. Venceremos o mal.  

A inteligência dos brasileiros “de bens” é questionável. Vejam: a Time perdeu a credibilidade” postou o deputado federal, Eduardo Bananinha (PL-SP vixe vixe), o 01, investigado pela Policia Federal sobre financiamentos de atos antidemocráticos e disseminação de notícias falsas. A “Time é irrelevante” – comentou o jornalista Caio Blinder, que chamou de “piranhas” mulheres árabes no programa Manhattan Connection,

Os vagalumes

Parece que a revista não é tão irrelevante e desacreditada assim porque, roídos pela inveja, seguidores do Coiso fizeram montagem caricaturesca de várias capas da Time com fotos do 00, pai dos quatro zeros, divulgadas nas redes sociais e desmentidas por agências de verificação e pela própria revista. A primeira delas, em novembro de 2018, outra em 2021, uma terceira compartilhada pelo ex-ministro do Desmatamento, Ricardo Salles com o título de “Prêmio Nobel da Paz de 2022” (Por favor, não riam).

A Bíblia ensina que a inveja é uma armadilha do capiroto, na qual caem os que estão com o cotovelo dolorido. Por que eles mentem tanto? A resposta pode ser conferida na história do saudoso amigo Manoel Moura, escritor Tukano, que contou:

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

– Eram três vagalumes – Cuisi, Uiuári e Oán – perseguidos por uma cobra, a Iararacussu, que matou dois deles. Oán, o sobrevivente, cansado da longa perseguição, parou e, com voz de timbre rouco, negociou:

– Posso te fazer três perguntas?

– Talkey – disse a cobra curiosa.

– Por acaso você come vagalume? Faço parte da tua cadeia alimentar?

– Claro que não.

– Já te fiz algum mal na vida?

– Nunca.

– Então por que mataste meus companheiros e agora queres acabar comigo?

– Porque tu brilhas e eu não. Não suporto te ver brilhar, pô.

Tiroterapia

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Meu amigo Tukano não esclareceu o que aconteceu com último vagalume. Na versão atual, só saberemos o destino dele e da cobra peçonhenta no dia 2 de outubro. Por enquanto, a serpente venenosa continua a destilar o veneno do ódio e da violência.

Enquanto o vagalume brilhava, o Coiso ordenava ao seu então secretário especial da Cultura, Mário Frias, desligado para se candidatar a deputado federal (PL-SP vixe vixe), que destinasse R$ 1,2 bilhão da Lei Rouanet para projetos pró-armas. Outro candidato a depufede pela Bahia (PL-vixe) , André Porciúncula, quando ainda ocupava o segundo cargo mais importante da Cultura no país – a Secretaria de Fomento à Cultura – se gabou na Convenção Nacional Pró-Armas (28/03/22):

–  “Pela primeira vez vamos colocar dinheiro da Rouanet em eventos de arma de fogo, vai ser super bacana isso”.

Navegando nessa onda, o deputado estadual Castello Branco (PL-SP vixe, vixe) apresentou no último 26 de abril projeto de lei criando a “Rota Turística do Tiro”, que engloba 34 cidades do estado de São Paulo. Segundo ele, trata-se de praticar “tiroterapia” e ensinar a atirar gente como o lobbypastorizado Milton Ribeiro, ex-ministro da educação, que poderá assim exercitar a sua pontaria desmoralizada no aeroporto de Brasília.

Como é que com tal visão sobre a ciência, a cultura e a educação, o Coiso e os Coisificados, que representam a barbárie, querem aparecer em capa de revista de circulação internacional? Nem revista anticomunista aceita esses trastes. O Brasil vai mesmo inaugurar um novo prato em sua culinária: polvbo com xuxu. 

P.S. – Ah, a Zilá morreu! A Linda Batista também, mas podemos ouvir sua voz. Para os que desconhecem a Marcha da Penicilina fica aqui o link:  https://www.youtube.com/watch?v=rpmu7QqOZDQ

 

Slide 1

HORA DE VESTIR A CAMISA DO LULA

CONTRIBUA COM A REVISTA XAPURI
PIX: contato@xapuri.info

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]