fbpx

MeRcenas: A casta de Brasília que atravanca o país

Quem foram os Mecenas sabemos todos. Aqueles senhores ricos e poderosos que financiavam produções artísticas, durante os séculos XV e XVI. É fato que possivelmente o financiamento se dava menos por boa fé e bom gosto e mais pelo interesse em prestígio e títulos de nobreza, mas, de todo modo, os Mecenas foram importantes para o Renascimento cultural.

Poucos sabem, no entanto,  que há em Brasília uma casta parônima: os MeRcenas. Em comum com os burgueses europeus, tão somente a busca por prestígio e títulos de nobreza, porque os modos de atuação e os resultados sociais que provocam são muito distintos, para não dizer nefastos.

Os MeRcenas são integrantes de um grupo da alta Administração Pública Federal brasileira, cujo objetivo maior é a obtenção de prestígio e o enriquecimento. Caracterizam-se por não se importarem com o bem-estar da população e não cultivarem nenhum tipo de coerência política ou ideológica.

Observe que não falei em partidarismo, mas em visão política. Eles não são de direita, não são de esquerda e tampouco estão ao centro: são do governo de plantão e a ele atuam fiéis para manter o poder. Gostam de funções altas, participação em conselhos de estatais e outras cositas que permitem o salário passar do teto constitucional. Quando percebem que um governo está prestes a acabar ou vai cair, rapidamente mexem seus pauzinhos para seguirem bem, ou melhor, num próximo. E pra isso fazem de um tudo!

MeRcenas não têm limites éticos.  Comumente são servidores concursados, do sexo masculino, que gostam de frequentar restaurantes chiques e praticar a sedução como demonstração de poder.  Em resumo: são os mercenários da Administração Pública Federal brasileira.

Não é fácil identificar um MeRcenas, mas há três dicas válidas.  Primeiro, eles cultivam um apego profundo ao tal do bottom. Ah, você não sabe o que é bottom? Vou lhe explicar: bottom é um brochinho criado para identificar, entre os funcionários públicos, os que ocupam posições de poder.  Quem usa o brochinho pode, por exemplo, usar a portaria privativa dos Ministérios. Legal, né?

Bem, em vários contextos é quase uma obrigação usar e muita gente boa o utiliza, de maneira que o simples uso do bottom não é o suficiente para diferenciar um MeRcenas de um cara gente boa e comprometido com o trabalho. Mas as circunstâncias nas quais o bottom é utilizado ajudam na identificação.

Os MeRcenas adoram ostentá-lo por bares e restaurantes caros no fim do expediente de sexta-feira. O trabalho acabou, ele não vai mais pegar o elevador privativo, mas tá lá, com o diabo do brochinho plantado no paletó. Se você questioná-lo sobre por que não tira o bottom, ele rapidamente responderá: é porque tenho medo de perder. E a resposta está completamente certa. Só que o objeto de medo da perda não é o broche, mas o poder com o qual ele se sente investido quando usa essa minúscula insígnia de status.

A segunda é pelo papo: os MeRcenas adoram longos papos sobre trabalho que demonstrem sua relação íntima com o poder. Aí, cara, ontem você não foi ao jantar do Meirelles? Ficamos lá te esperando! – dirá um MeRcenas típico, muito possivelmente perto de uma garota bonita e jovem pra quem ele quer, feito um ganso, se amostrar.

A terceira é pelo olhar. Eles invariavelmente têm olhos opacos, sem vestígio de brilho. Fixe um MeRcenas nos olhos por 10 segundos e você será tomado por uma sensação de vazio existencial profundo, de superficialidade e solidão. Você quase sentirá pena, mas eu lhe digo que não sinta.

A tristeza ali embutida foi pura escolha, uma opção racional pela mediocridade de caráter. Entre carros oficiais, reuniões dispensáveis e conversas fúteis em jantares caros, deixam eles de estar atentos aos famintos, aos miseráveis e aos milhares que morrem, diariamente, de desigualdade. E, feito quem não se importa que o País vá à idade das trevas, perambulam pela cidade murchando a luz do povo, com seus olhos nublados de poder.

Letícia Bartholo
Socióloga e escrevinhadora. Gosta de olhos que
brilham.

Arte: Daniel PXeira. Sociólogo e rabiscador.
Sempre desprezou bottons


Salve! Pra você que chegou até aqui, nossa gratidão! Agradecemos especialmente porque sua parceria fortalece  este nosso veículo de comunicação independente, dedicado a garantir um espaço de Resistência pra quem não tem  vez nem voz neste nosso injusto mundo de diferenças e desigualdades. Você pode apoiar nosso trabalho comprando um produto na nossa Loja Xapuri ou fazendo uma doação de qualquer valor pelo PIX: contato@xapuri.info. Contamos com você! P.S. Segue nosso WhatsApp: 61 9 99611193, caso você queira falar conosco a qualquer hora, a qualquer dia. GRATIDÃO!

Camisetas


Banners II - camisetas
Banners camisetas


Mais do que uma Revista, um espaço de Resistência. Há seis anos, faça chuva ou faça sol, esperneando daqui, esperneando dacolá, todo santo mês nossa Revista Xapuri  leva informação e esperança para milhares de pessoas no Brasil inteiro. Agora, nesses tempos bicudos de pandemia, precisamos contar com você que nos lê, para seguir imprimindo a Revista Xapuri. VOCÊ PODE NOS AJUDAR COM UMA ASSINATURA?


capa da revista 76
REVISTA 80
Xapuri 79 web
revista_xapuri78_capa
Capa X77
previous arrow
next arrow


Anúncios