Totalitarismo na América Latina: Um esboço introdutório

O artigo  faz uma introdução ao totalitarismo na América Latina

Por Fernando Neto 

O resgate histórico e geográfico sobre a América Latina nos ajuda a compreender sua formação política, social e econômica. Somos uma porção do continente americano localizado entre os Estados Unidos e o México, banhados pelo Rio Grande e a Terra do Fogo (conjunto de ilhas do extremo sul da América do Sul).

Essa regionalização é marcada por características históricas e culturais, principalmente por nosso processo de colonização, a grande América neste sentido divide-se entre América Anglo-saxônica (EUA e Canadá) localizada ao norte e a América Latina formada por países de língua originárias do Latim, desta mesma característica ao Sul da América.

O modelo colonizador de nossa região geográfica se deu pela exploração territorial, mineral, comercial e catequização religiosa, cada um destes países servia como braço de mercado de importação e consumo para a sua metrópole colonizadora, o que impediu em todo o continente a formação de mercados internos sólidos e consolidados, provocando atrasos incalculáveis nos aspectos mais importantes para o desenvolvimento de uma nação.

A colonização de exploração até os dias de hoje são marcas visíveis na economia, cultura e nos registros de dívida interna de cada país que formam o bloco Latino Americano, o Brasil é um bom exemplo, ainda é pagador de dívida da monarquia com a Inglaterra atreladas ao açúcar por empréstimo ao Rei.

Cada uma dessas marcas econômicas do período da colonização é evidente nos países, visíveis no acumulo e concentração de terras e propriedades urbanas centralizados em pequenos grupos econômicos e familiares, elites de exploração patronal, que por séculos de privilégio escravizaram povos, exterminaram etnias, raças, concentraram renda, lucro, poder político, domínio territorial e o ciclo de exportação aéreo, marítimo e terrestre, ferroviário ou rodoviário, a somatória destes fatores gerou em cada um desses povos características de conflito social, urbano e no campo, que exigiram da elite econômica ou política desses países medidas de conflito com a sociedade, acirramento das relações no campo e estrangulamento nas relações de trabalho para benefício do grande Capital.

Ações totalitárias normalmente deixam sequelas estruturantes na sociedade, o continente ainda carrega consigo dificuldades estratégicas de desenvolvimento econômico e aliança política, reflexo disso está na balança comercial dos países membros que compõem o Mercosul em relação ao continente latino americano como um todo, o pouco desenvolvimento fronteiriço e praticamente nenhum tratado bilateral ou hegemônico entre nossos países coirmãos.

Cada um dos vinte países que formam o nosso continente: Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Equador, El Salvador, Guatemala, Haiti, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela, sofrem rupturas sociais constantes, influência externa direta e dependência econômica de mercado em escalas proporcionais ao seu PIB, em alguns casos houveram períodos de crescimento econômico capazes de diminuir a dependência europeia e norte americana, principalmente com a mudança de comportamento diplomático e da política externa, casos como do Brasil, Venezuela, Argentina, Bolívia, Chile e Colômbia e em cada um desses a resposta veio como retaliação, bloqueio, quebra de acordos financeiros e pressão interna das elites de exploração comandadas por seus ‘Senhores’ de mercado, em resumo, pressão de dentro do próprio país contra o crescimento e a independência econômica.

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO

Algo similar acontece com os países que buscam autonomia política e com menor expressão econômica casos de Cuba, Paraguai, Peru, República Dominicana, Nicarágua, Honduras, Haiti, El Salvador que enfrentam diretamente intervenções políticas, militares, parlamentares, golpes de Estado, contra a estrutura econômica de cada país afetando diretamente os tecidos sociais, com o mesmo reflexo, apoio externo por influência dos grandes centros econômicos sendo países da União Europeia ou Estados Unidos e apoio interno de sua elite de exploração comandadas por seus ‘Senhores’.

O México e a Costa Rica são países dependentes diretamente do mercado americano, principalmente pela proximidade territorial e modelo de exploração pós colonização ou colonização de mercado, o México em especial, possui capacidade econômica maior por sua expansão territorial e populacional, porém mantem-se dependente geopoliticamente principalmente por sua guerra interna, estimulada pelo narcotráfico e pelo interesse fronteiriço norte americano.

O arquétipo construído ao longo deste artigo, de forma simplória, dá introdução as características essenciais para a construção do totalitarismo das elites na América Latina. Com os modelos de exploração, a concentração de renda, a violência exercida pelos centros de poder para manutenção de seus privilégios, a distorção social e cultural produzidos ao longo dos anos em nome de uma catequização econômica e doutrinária ideológica, resultados e consequência de um modelo de colonização que ainda não se dissipou, extirpou e libertou o continente, somados a falta de independência e autonomia de Estado, retransmitem a sociedade uma fissura social e distanciamento dos modelos de representatividade democrática provocando lacunas profundas no desenvolvimento social de cada país.

O totalitarismo presente e latente representa-se por seus blocos de interesse interno, seus oligopólios, monopólios, concentração de capital, propriedade e poder de Estado, em geral uma elite frágil, superficial, neófita, débil, dependente e incapaz de pensar projetos nacionais de desenvolvimento social e econômico. Por fim é preciso desconstruir a elite de exploração e oportunizar o surgimento de uma elite nacional que dialogue com as ramificações sociais, o trabalhador e a trabalhadora, a juventude, pense seu país concatenado as necessidades deste século, refletidos com projetos de longo prazo, que incluam a sociedade e as gerações futuras.

Fernando Neto – Ex-Secretário de Estado da Juventude do GDF. Imagem interna: Emir Sader/Boitempo Editorial. Capa: Berk Ozdemir.

 


Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

 

CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]