Por Iêda Leal

Do alto de seus 75 anos, Angela Davis, uma das maiores referências da luta antirracista no mundo, é dessas mulheres que interconectam movimentos, tempos e causas.

“Não acredito que seja saudável escolher uma luta e dizer que é mais importante do que outra, mas sim, reconhecer como as diferentes lutas se conectam, com já preconizava a feminista brasileira Lélia Gonzalez (1935-1984), com seu pioneiro conceito sobre a interseccionalidade da luta antirracista no Brasil,” afirmou Angela Davis durante sua passagem por São Paulo na terceira semana de outubro último.

Cada vez mais próxima do movimento negro brasileiro, Davis recebeu, em encontro fechado, militantes da Coalizão Negra por Direitos para, segundo mensagem postada no Instagram de Angela Guimarães, “dialogar sobre os desafios enfrentados por negros e negras da diáspora neste contexto de recrudescimento do racismo num ambiente de ascensão da extrema direita nos EUA e no Brasil.” Ou, nas palavras de Douglas Belchior, “fortalecer mais uma aliança internacional na construção da Coalizão Negra por Direitos.

Em um encontro de trabalho com mais de 30 lideranças de várias entidades e várias gerações, na sede do Geledés – Instituto da Mulher Negra –, Angela apontou a similaridade da luta nos dois continentes: “Na tática, a Coalizão é bem parecido com o Black Lives Matter”, movimento norte-americano contra a violência que atinge os negros.

Durante o encontro, tive o prazer e a emoção de entregar à Angela Davis a Carta das Mil Mulheres, do Movimento Negro Unificado, e um exemplar da Revista Xapuri. E, junto com as demais lideranças da Coalizão, recebemos dela a generosa oferta de seguir trabalhando conosco para pensar o “movimento da diáspora contra o racismo” e levar para fora do Brasil nosso protesto contra a exploração pelos norte-americanos da base espacial de Alcântara, território quilombola onde vivem 800 famílias, no estado do Maranhão.

Em palestra gratuita realizada no Parque do Ibirapuera, a militante Angela afirmou: “Continuo me impressionando e sentindo muita esperança sempre que venho ao Brasil. Sinto um impulso coletivo aqui, principalmente entre os jovens, entre as jovens mulheres negras”. Emocionada com a capacidade de resistência das mulheres negras brasileiras, Ms. Davis fez questão de visitar o acampamento das mulheres do Movimento Sem Teto do Centro (MSTC), onde conheceu a militante recém-libertada Preta Ferreira.

Em conversa com jornalistas durante uma conferência de imprensa, falou sobre o avanço da eleição da deputada estadual Erica Malunguinho (PSol-SP):  “Eu acho que nenhum outro país já elegeu uma mulher negra e trans como deputada oficialmente. Eu fiquei muito comovida ao ouvir sobre o trabalho que ela tem feito (…). Aqueles de nós que vêm trabalhando contra a violência do Estado, a violência policial, a violência carcerária, temos que reconhecer que as mulheres negras trans são os alvos mais consistentes de violência”.

No Rio de Janeiro, Ms. Davis, como é carinhosamente chamada, encontrou-se com a escritora Conceição Evaristo, de 73 anos, sua contemporânea. Evaristo lhe contou sobre como uma foto dela, Angela, colada em uma parede na favela, a fez aderir ao cabelo Black Power nos anos 1970. E falou-lhe também sobre a luta das mulheres negras brasileiras que, nos anos 1930, se organizaram em mutirão para não serem excluídas do trabalho na lavoura em Minas Gerais.

Angela, por sua vez, celebrou a troca entre gerações e o surgimento de novos movimentos como o Black Lives Matter e o Me Too. “Essa é realmente uma época maravilhosa para ser jovem, porque os jovens estão assistindo ao desmoronamento de uma série de regras estabelecidas ao longo do tempo para governar, controlar o comportamento humano”, pregou. “Ao mesmo tempo, é uma época maravilhosa para ser velha, porque percebemos que o trabalho desenvolvido ao longo de tantas décadas faz diferença. A intergeracionalidade dá significado à longevidade.”

Também no Rio, Davis evocou a luta de Marielle Franco, assassinada em 14 de março de 2018: “Muitas das minhas camaradas tombaram durante a luta. Acredito que seja minha responsabilidade testemunhar em homenagem a quem não estão mais entre nós. E afirmar que, se permanecermos na luta, eventualmente, alcançaremos a vitória.”

Agora que outubro passou, que Angela Davis voltou para a sua Califórnia, onde segue sendo professora universitária, e a nós aqui no Brasil cabe a responsabilidade de celebrar Zumbi dos Palmares no 20 de novembro, seguimos na resistência com a força da esperança de Ms. Davis, registrada pela jornalista Isabela Reis nas redes sociais: “Podemos errar e, tudo bem, mais importante é organizar a nossa esperança”.

Iêda Leal – Tesoureira do SINTEGO. Secretária de Combate ao Racismo da CNTE. Vice-presidenta da CUT-GO. Coordenadora Nacional do MNU. Artigo enviado em 25 de julho de 2019 desde a Tailândia, onde participou do Congresso Mundial de Educação.

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826.

Leave a Reply

Your email address will not be published.