É verdade, Mangueira: tem sangue retinto por trás do herói emoldurado

Por: Iêda Leal de Souza 

O dia quase amanhecia na madrugada do dia 4 para o dia 5 de março quando a Mangueira, tradicional escola de samba do Rio de Janeiro, abriu na passarela uma bandeira do Brasil nos tons verde-e-rosa da escola. Mas o inusitado não parava aí: no lugar do tradicional “Ordem e Progresso”, em um consagrador reconhecimento aos invisíveis da nossa história, ali estava escrito “Índios, Negros e Pobres.”

Ao contar sua “História para ninar gente grande”, a Mangueira mostrou ao mundo uma História do Brasil muito distinta da narrativa eurocêntrica reproduzida e imortalizada em nossos livros escolares. Não, o Brasil nunca foi um país de cordatos que se deixaram aniquilar sem qualquer reação. Ao contrário, nossa História está repleta de heróis e heroínas que tombaram em luta, que construíram uma valente trajetória de resistência.

Em matéria publicada no portal Geledés, o pesquisador Aydano André Motta, do projeto Colabora, fez um resumo dos principais resgates históricos mostrados pela Mangueira:

DESDE 1500 TEM MAIS INVASÃO DO QUE DESCOBRIMENTO”: Releitura histórica, a partir da constatação de que, como havia indígenas quando as caravelas de Cabral aportaram no litoral da futura Bahia, os portugueses não descobriram nada; na verdade, invadiram um território habitado.

TAMOIOS (“MULHERES, TAMOIOS, MULATOS”): Palavra que, em tupi, define avós (“ta’mõi), denominação dos índios tupinambá, depois ressignificada na Confederação dos Tamoios, revolta dos povos indígenas (tupinambás, tupiniquins, guaianazes, goitacás e aimorés) contra os colonizadores portugueses, entre 1554 e 1567.

DANDARA (“BRASIL, O TEU NOME É DANDARA”): Ícone das mulheres negras brasileiras. Exímia caçadora e conhecedora da região de difícil acesso da Serra da Barriga, em Alagoas, conseguia ludibriar e criar armadilhas entre a vegetação fechada e densa, não permitindo que seus oponentes obtivessem sucesso nas investidas. Dandara lutava, amava e impelia seu povo a resistir.

CARIRI (“E A TUA CARA É DE CARIRI”): Conjunto de etnias indígenas do sertão nordestino que enfrentou, nos atuais Ceará, Rio Grande do Norte e Paraíba, de uma guerra de extermínio logo após a expulsão dos holandeses da região. O episódio, pouco conhecido, ganhou o nome de Confederação dos Cariris (ou Guerra dos Bárbaros).

DRAGÃO DO MAR (“A LIBERDADE É UM DRAGÃO NO MAR DE ARACATI): Francisco José do Nascimento, o Chico da Matilde ou Dragão do Mar, foi um líder jangadeiro que comandou greve no transporte de mercadorias e escravizados para os navios no litoral de Fortaleza, explica o professor Amilcar Araújo Pereira, do ensino de História da Faculdade de Educação da UFRJ. O movimento ganhou força a ponto de provocar a abolição da escravidão no Ceará em 1884 – quatro anos antes da data oficial do Brasil.

QUEM FOI DE AÇO NOS ANOS DE CHUMBO”: Toda resistência à ditadura militar – “inclusive dos negros, invisibilizados porque a Lei Segurança Nacional proibia referências ao racismo”, lembra Amilcar.

MAHINS (“DE OUVIR AS MARIAS, MAHINS, MARIELLES, MALÊS”): Citação a Luiza Mahin, mãe de Luiz Gama, o maior abolicionista negro, rábula (advogado não formado) que conseguiu libertar mais de 500 pessoas na Justiça – isso na época da escravidão. “Ela é uma das protagonistas da Revolta dos Malês em 1835, em Salvador, e era chamada de mahin pela língua que falava”, ensina o professor Amilcar. “A única referência a ela está na autobiografia de Luiz Gama”.

MALÊS (“DE OUVIR AS MARIAS, MAHINS, MARIELLES, MALÊS”): A revolta em Salvador de muçulmanos negros escravizados, em 1835. (Imalê é a palavra em iorubá, a língua mais falada pelos africanos na diáspora, para muçulmano. No Brasil, virou malê.) Eles dominavam a escrita em árabe e organizaram o levante com bilhetes, numa organização que não foi descoberta porque senhores e feitores não sabiam ler. A sublevação pedia liberdade e melhores condições de vida. “Os malês fogem completamente do estereótipo do escravo. Conheciam matemática e tecnologia e buscaram na Revolução Haitiana seu ideal de revolta”, narra Amilcar, citando a sublevação do país da América Central inspirada na Revolução Francesa.

LECIS, JAMELÕES (“DOS BRASIS QUE SE FAZ UM PAÍS DE LECIS, JAMELÕES”): Leci Brandão, cantora, compositora e atriz, primeira mulher a participar da ala de compositores da Mangueira. Jamelão, José Bispo Clementino dos Santos, o maior e mais longevo intérprete de sambas-enredo da história do Carnaval. Cantou os hinos da Mangueira de 1949 a 2006.

Em 14 de março, completamos um ano do assassinato da militante negra Marielle Franco e de seu motorista Anderson Gomes. Que este rasgo de consciência nos fortaleça na luta por justiça, sobretudo neste momento da nossa história em que, uma vez mais, como diz o samba-enredo da Mangueira, continua tendo sangue retinto de nossos mártires por trás dos que matam, mandam matar, e como heróis se emolduram no panteão da pátria brasileira.

  sangue

Salve! Este site é mantido com a venda de nossas camisetas. É também com a venda de camisetas que apoiamos a luta do Comitê Chico Mendes, no Acre, e a do povo indígena Krenak, em Minas Gerais. Ao comprar uma delas, você fortalece um veículo de comunicação independente, você investe na Resistência. Comprando duas, seu frete sai grátis para qualquer lugar do Brasil. Visite nossa Loja Solidária, ou fale conosco via WhatsApp: 61 9 9611 6826

Comentários

%d blogueiros gostam disto: