Elza e Mané: a vida, o amor e a morte

‘Elza encontrou Garrincha maltrapilho, alcoólatra e sujo. Levou-o para sua casa, o amou profundamente e ofereceu-lhe os vinte melhores anos de sua vida.
Por Alvaro Padilha/Portal Disparada

Manoel Francisco dos Santos, conhecido pelo mundo como Mané Garrincha, foi o mais glorioso ponta e o maior driblador da história do futebol.
Mané é o responsável pelo termo “irreverência” ser usado no universo da bola. Talhou pessoalmente, em cada lance e em cada drible o uso da palavra, até que ela fizesse sentido.

“Drible desconcertante” é outra terminologia possível apenas por conta de sua existência.
Aliás, irreverente e desconcertante foi sua a própria vida.
Natural de Pau Grande, distrito de Magé, Garrincha talvez seja um dos nossos heróis mais improváveis.
Mané foi amaldiçoado com quase todas as mazelas mais comuns, sobretudo à época, de nossa gente.
Nasceu pobre, passou fome e viveu analfabeto e alcoólatra. Mas não só. Também era estrábico, deficiente da pelve e das duas penas – condições que o fizera ter uma perna 6 centímetros menor do que a outra.
O maior ídolo da história do Botafogo e um dos maiores da seleção brasileira morreu há exatos 39 anos como nasceu e viveu boa parte de sua vida.
Trazer dois títulos de Copa a esta nação ou ser considerado mundo a fora um gênio inimitável, não garantiram um segundo sequer de justiça e conforto ao anjo das pernas tortas.
Mas se foi feliz um dia, e Mané foi, essa alegria tem nome, sobrenome e canta: Elza Soares.
Elza Gomes da Conceição, nossa Elza Soares, foi uma das maiores intérpretes da música brasileira em todos os tempos.
Dona de uma voz única e potente, foi idolatrada nos quatro cantos do mundo e reverenciada por grandes nomes da música em todos os tempos. De Louis Armstrong a Tom Jobim.
Carioca, Elza nasceu no único lugar cujo nome faria jus a sua beleza, a favela da Moça Bonita, no bairro de Padre Miguel.
Porém, quando perguntada por Ary Barroso de onde veio, respondeu que nasceu no planeta fome.
Elza Soares foi íntima da dor e do sofrimento.
Aos 12 anos de idade fora obrigada por seu pai a se casar com o homem que a abusou sexualmente. Com ele teve dois filhos, que perdeu para a fome e uma terceira filha sequestrada e achada 30 anos depois.
No correr da vida ainda teve de entregar um filho para a adoção e perderia mais dois.
A paupérie impediu a cantora de cuidar de suas crianças, razão pela qual, talvez, tenha cuidado de Mané como se fosse um rebento seu.
Elza encontrou Garrincha maltrapilho, alcoólatra e sujo. Levou-o para sua casa, o amou profundamente e ofereceu-lhe os vinte melhores anos de sua vida.
Mané correspondeu amando-a mais ainda, claro, pois tinham muito em comum: nasceram predestinados a tirar o sustento da capacidade de ajudar o povo brasileiro a suportar batalha contra seus fantasmas.
E assim viveram: como dois brasileiros, até mais do que deveriam. Foram sustentáculos de dois pilares formadores da nossa cultura: o samba e o futebol, com Elza gingando nas rodas e Mané sambando nos campos.
Quis o destino, brincalhão que só, que Elza viesse a morrer hoje, aos 91 anos, no exato mesmo dia que seu grande companheiro.
O pior é que não há outro Garrincha, muito menos outra Elza disponível. Precisa-se de novos, pois os fantasmas permanecem.
Fonte: Leandro Altheman Lopes

Block

Era novembro de 2014. Primeiro fim de semana do mês. Plena campanha da Dilma. Fim de tarde na RPPN Linda Serra dos Topázios, do Jaime Sautchuk, em Cristalina, Goiás. Jaime e eu começamos a conversar sobre a falta que fazia termos acesso a um veículo de informação independente e democrático, mas com lado. Ali mesmo, naquela hora, resolvemos criar o nosso. Um espaço não comercial, de resistência. Um trabalho de militância, tipo voluntário, mas de qualidade, profissional.
Jaime propôs um jornal; eu, uma revista. O nome, Xapuri, eu escolhi (ele queria Bacurau). Dividimos as tarefas. A capa ficou com ele, a linha editorial também. Correr atrás de grana ficou por minha conta. A paleta de cores, depois de larga prosa, ele escolheu (eu queria verde-floresta).
Fizemos a primeira edição da Xapuri lá mesmo, na Reserva, praticamente em uma noite. Já voltei pra Brasília com uma revista montada e com a missão de dar um jeito de diagramar e imprimir.
Nos dias seguintes, o Jaime veio pra Formosa, pra convencer minha irmã Lúcia a revisar a revista, no modo grátis. Daqui, rumamos pra Goiânia, pra convidar o arqueólogo Altair Sales Barbosa para o Conselho Editorial. Altair foi o nosso primeiro conselheiro. Até a doença se agravar, Jaime fez questão de explicar o projeto e convidar, ele mesmo, cada pessoa para o Conselho.
O resto é história. Jaime e eu trilhamos juntos uma linda jornada. Depois da Revista Xapuri veio o site, vieram os e-books, a lojinha virtual (pra ajudar a pagar a conta), os podcasts e as lives, que ele amava. Em 80 meses, Jaime fez questão de decidir, mensalmente, o tema da capa e, quase sempre, escrever ele mesmo a matéria.
Na tarde do dia 14 de julho de 2021, aos 67 anos, depois de longa enfermidade, Jaime partiu para o mundo dos encantados. No dia 9 de julho, quando preparávamos a Xapuri 81, pela primeira vez em sete anos, ele me pediu para cuidar de tudo. Foi uma conversa triste, ele estava agoniado com o agravamento da doença e com a tragédia que o Brasil enfrentava. Não falamos em morte, mas eu sabia que era o fim.
É isso. Agora aqui estou eu, com uma turma fantástica, tocando nosso projeto, na fé, mas às vezes falta grana. Você pode me ajudar a manter o projeto assinando nossa revista, que está cada dia mió, como diria o Jaime. Você também pode contribuir conosco comprando um produto em nossa lojinha solidária (lojaxapuri.info) ou fazendo uma doação via pix: contato@xapuri.info. Gratidão!
Zezé Weiss
Editora

 
 
CONTINUA DEPOIS DO ANÚNCIO
[instagram-feed] [instagram-feed]